Lançado em Ribeirão Preto o projeto que inaugura a audiodescrição em espetáculo teatral

Ação levará 40 portadores de deficiência visual para assistir as apresentações com esse recurso de acessibilidade.

Uma parceria da Prefeitura de Ribeirão Preto e a concessionária de telefonia celular Vivo dá início a um grande projeto de inclusão social que deverá se estender pela região. O primeiro passo foi dado na tarde desta quinta-feira, dia 29, quando a prefeita Dárcy Vera e a Vivo selaram uma ação que permitirá a 40 deficientes visuais ouvirem a técnica conhecida como audiodescrição, no espetáculo Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, que acontece neste sábado (31) e domingo (1º), no Theatro Pedro II.

O trabalho envolveu as diretorias da Fundação Dom Pedro II, Instituto do Livro e Vivo. E por conta disso, a Adevirp (Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão e Região), irá levar 40 portadores de deficiência visual para assistir as apresentações com esse recurso de acessibilidade que permite que as pessoas que não vêem possam assistir e entender melhor a peça, ouvindo o que pode ser visto. É a arte de transformar aquilo que é visto no que é ouvido, o que abre muitas janelas do mundo para as pessoas com deficiência visual, disse Adriano Araújo, gerente de comunicação e relações institucionais da Vivo, que parabenizou a prefeita Dárcy Vera pela preocupação em inserir e dar cidadania aos deficientes visuais na cultura.

Nessa mesma linha, Marlene Taveira, presidente da Adevirp disse que irá mobilizar com prazer os deficientes da cidade e da região, se precisar. Estar nesse berço da cultura que é o Pedro II já nos faz feliz. Os cegos sempre ficaram segregados das atividades de cultura, tão vital para todo o ser humano. Pelo arrojo da prefeita sei que isso é só um começo e estamos à disposição para livrar os cegos da margem da sociedade, destaca Taveira.

O presidente da Fundação Dom Pedro II, Luchesi Junior, parabenizou a prefeita pela coragem de buscar essa parceria e promover mais uma inclusão cultural. O Pedro II está aberto para iniciativas como essa, completou.

Já Maria Sodré, secretária da Assistência Social, emendou dizendo que o teatro já recebeu idosos, crianças dos núcleos e moradores de rua. A verdadeira inclusão vem sendo feita aqui, destacou Maria Sodré.

A prefeita Dárcy Vera quer que esse projeto se estenda para outras cidades da região. A intenção, segundo ela, é envolver outras cidades neste projeto para outros espetáculos teatrais. É preciso realmente pensar e realizar a inclusão dos portadores de deficiência visual. Esse foi o primeiro passo e não vamos parar por aqui. Pois todos têm direito a cidadania. Parabéns a todos os envolvidos nessa ação. Não vamos parar por aqui, declarou a prefeita Dárcy Vera.

Fonte: Notícias JusBrasil

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma


Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma