HQ com Tradução Visual

Você sabe a que se presta a áudio-descrição? De maneira simples, esta técnica de tradução visual se presta a dar acessibilidade à todos os eventos visuais que não podem ser compreendidos, total ou parcialmente, pela via da audição e tato. Logo, se percebe que ela serve à todos que estejam temporária ou permanentemente privados da informação visual de um dado evento ou que não se o pode ver por razão de deficiência visual. Mas, e as histórias em quadrinhos (HQ), como elas podem ser acessíveis às pessoas com deficiência visual?

Portugal: Invisuais queixam-se da TVI e SIC

Plano com medidas a aplicar está congelado por ordem judicial

Os cegos continuam a não ter a vida facilitada para contactar com os conteúdos televisivos dos operadores privados. O plano criado no ano passado para obrigar os canais a facultarem audiodescrição está suspenso. Apenas a RTP cumpre na área da ficção.

Repercussão nos jornais de Portugal

A limitação do acesso às emissões televisivas de pessoas com deficiência é uma "violação grosseira dos direitos destes cidadãos", disse à Lusa a secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação, garantindo já ter pedido intervenção da tutela.

Manifestação da ACAPO sobre a atitude das emissoras de televisão portuguêsas

A Direcção Nacional da ACAPO manifesta publicamente a sua grande insatisfação pelo facto dos operadores privados de televisão, SIC e TVI, não pretenderem cumprir o Plano Plurianual aprovado pela ERC que fixa obrigações em matéria de acessibilidade às emissões televisivas por parte das pessoas com deficiência, o qual inclusivamente impugnaram judicialmente.

Audiodescrição na campus Party

Continuando com a sequência de posts sobre as ótimas palestras da Campus Party que estamos acompanhando através da cobertura ao vivo, vou falar um pouco sobre as considerações que o >Marcelo Zuffo fez ontem pela manhã. Ele e o professor Valdecir Becker falaram sobre Acessibilidade e Inovações na TV Digital.

Acessibilidade e Audiodescrição Já: assim diz o Conselho Nacional de Justiça

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA

RECOMENDAÇÃO Nº 27, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009

Recomenda aos Tribunais relacionados nos incisos II a VII do art. 92 da Constituição Federal de 1988 que adotem medidas para a remoção de barreiras físicas, arquitetônicas, de comunicação e atitudinais de modo a promover o amplo e irrestrito acesso de pessoas com deficiência às suas dependências, aos serviços que prestam e às respectivas carreiras, para a conscientização de servidores e jurisdicionados sobre a importância da acessibilidade enquanto garantia ao pleno exercício de direitos, bem como para que instituam comissões de acessibilidade visando ao planejamento, elaboração e acompanhamento de projetos e metas direcionados à promoção da acessibilidade às pessoas com deficiência.