INTEGRAÇÃO SOCIAL: AUDIODESCRIÇÃO E CLOSED CAPTION

Na última quinzena de julho de 2008, 22 milhões de brasileiros com deficiência visual e auditiva (aproximadamente, 16.573.937 de cegos e 5.750.809 de surdos, segundo censo do IBGE-2000) tiveram muito a comemorar: sua integração e inclusão em um segmento, notoriamente, tido como puramente "comercial", a propaganda e marketing.

Com a campanha "A História da Água", com audiodescrição e legenda, as empresas Natura e PeraltaStrawberryFrog atestam sua credibilidade no potencial de consumo de cegos e surdos, incluindo-os em um universo que até então lhes era inacessível, como se consumidores não fossem: a publicidade televisiva! Inclusive, e principalmente, as propagandas de cunho informativo, cultural, político e educativo.

A agência PeraltaStrawberryFrog, fundada há apenas 8 anos e tendo à frente Alexandre Peralta como presidente e diretor de criação, sapinhos-morangos em um mundo de dinossauros, realmente fez jus ao slogan "inovar e convergir". Com criatividade ímpar idealizou mais que uma campanha publicitária para a TV, iniciou um movimento cultural que reúne consciência ecológica e inclusão social.

A campanha da linha infantil Natura Naturé, da Natura Cosméticos S.A., assinada pela agência é a 1ª campanha publicitária brasileira inteiramente acessível! O Itaú, o McDonalds, a Caixa Econômica Federal e a Petrobrás, por exemplo, já lançaram campanhas publicitárias inclusivas, porém apenas com closed caption.

Para culminar a alegria de milhares de cegos brasileiros, parentes, amigos e seus afetos, no último dia 31 nosso digníssimo Ministro Hélio Costa, ministro de Estado das Comunicações, concedeu, através da Portaria nª 466 publicada no Diário Oficial da União (Nº 146, quinta-feira, 31 de julho de 2008), prazo de 90 (noventa) dias, contados da data de publicação desta portaria, para que as emissoras passem a veicular, na programação por elas exibidas, o recurso de acessibilidade da audiodescrição.

O closed caption já vem sendo adotado, bem antes da obrigatoriedade da lei, por algumas emissoras precursoras desde 1997.

As inovações na história do nosso mundo só acontecem quando mentes empreendedoras de espíritos destemidos abrangem além da realidade, e possibilidades, e ousam nadar num mar de ondas revoltas vaticinando liberdade, igualdade de direitos e de deveres. Tomar decisões não é fácil. Decidir-se a velejar por ventos brandos em mar calmo é sempre tentador, mas a aventura e as grandes conquistas não acontecem nesse cenário. Então, parabéns a esses homens, a essas empresas, a esses políticos que acreditam e que, apesar de todos os prognósticos contra, decidem aventurar-se em prol do bem de milhares, não só de alguns poucos, de brasileiros! Estes são os homens que fazem a História. Estes perdurarão. Estes serão imortais e eternamente lembrados.

Os 22 milhões de brasileiros, entre cegos e surdos, agradecem sua existência. Agradecem à Natura, à PeraltaStrawberryFrog, ao Ministro Hélio Costa, às empresas engajadas em causas sociais, e aos inúmeros envolvidos que, com afinco, esperança e garra, lutaram e lutam pela inclusão social de milhares de pessoas!

Os que conhecem os dissabores da perda, ou da ausência primordial, dos sentidos da visão e da audição jamais esquecerão esta última quinzena de julho de 2008. Será sempre lembrada como a quinzena em que começaram a vislumbrar um mundo não inteiramente acessível a eles e que invade a casa de milhares de brasileiros: a televisão!

Sandra Lúcia Dias de Almeida

fonte: Over Mundo

Mais sobre audiodescrição
O trabalho desenvolvido pelo Senac SP estuda a utilização do recurso da audiodescrição, que promove
Alunos do Colégio Visconde de Porto Seguro realizam audiodescrição do comercial do Nintendo 64. Alunos:
A ausência de diálogos e a grande valorização das imagens de um comercial, muitas vezes


Mais sobre audiodescrição
O trabalho desenvolvido pelo Senac SP estuda a utilização do recurso da audiodescrição, que promove
Alunos do Colégio Visconde de Porto Seguro realizam audiodescrição do comercial do Nintendo 64. Alunos:
A ausência de diálogos e a grande valorização das imagens de um comercial, muitas vezes