O Audiovisual e a Inclusão Social

O cinema sempre foi conhecido como a arte da imagem e do som, mas esse conceito vem mudando gradativamente com uma nova consciência coletiva de inclusão social. Os realizadores e exibidores, nunca tiveram a preocupação de dar acesso, em suas obras audiovisuais, para portadores de necessidades especiais.

A portaria Nº 310, de 27 de Junho de 2006, do ministério das comunicações aprovou uma norma complementar, considerando o disposto no art. 53 do Decreto nº 5296, de 2 de dezembro de 2004, na Constituição Federal, que especifica "Recursos de Acessibilidade" para pessoas com deficiência, na programação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão. Uma proposta de grande relevância social que se preocupa, evidentemente, com a inclusão de parte da população, porém, que não vem sendo adotada nem por emissoras de TV, nem por produtoras de cinema (com raríssimas exceções).

Diretores e produtores de cinema não se dão conta de que pessoas portadoras de deficiências sejam elas auditivas ou visuais, também desejam "assistir" às produções audiovisuais brasileiras, portanto é necessário que essas produções sejam disponibilizadas para o mercado, ou nos circuitos de exibição, com opções para legendas em português, audio descrição e LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais).

Esse tipo de trabalho, além de democratizar a obra a mais pessoas, gera emprego para novos profissionais no mercado. Um filme ou vídeo com legendas em português ou o recurso da LIBRAS (um pequeno vídeo, no canto da tela, onde aparece uma pessoa interpretando o conteúdo por meio dos sinais) atende aos portadores de deficiência auditiva, em torno de 5,7 milhões de brasileiros. Já o recurso da audio descrição (onde há um locutor narrando as imagens e ações do filme ou vídeo, nos intervalos entre os diálogos) atende aos portadores de deficiência visual, estes são aproximadamente 16,5 milhões de pessoas no Brasil (fonte IBGE). É um público considerável, que também quer adquirir DVD’s e "assistir" filmes e documentários.

Os novos produtores audiovisuais precisam estar atentos a este aspecto quando realizarem suas obras, pois muito se fala sobre diversidade e inclusão e há diversas obras audiovisuais que tratam desse tema, mas não proporcionam acessibilidade a portadores de necessidades especiais. Isso é um contra senso que precisa ser corrigido para que o cinema brasileiro, sobretudo a produção audiovisual independente, não continue promovendo a exclusão de mais de 22 milhões de brasileiros, no que se refere ao acesso a suas obras audiovisuais.

Para saber mais acesse:

  • www.unisc.br/universidade/estrutura_administrativa/nucleos/naac/docs/portarias_res/por_310_06.pdf
  • www.audiodescricao.com.br/
  • www.legendar.com.br/

por Alex Moletta

Fonte: MEMOCINE

Mais sobre audiodescrição
Nem todos os cidadãos conseguem ter acesso ao conteúdo que passa na televisão da mesma
Sou Flávia Machado, uma entusiasta da audiodescrição, quero te convidar para compartilhar com outras pessoas
A Ancine e o setor decidiram quais vão ser os tipos de arquivos com audiodescrição


Mais sobre audiodescrição
Nem todos os cidadãos conseguem ter acesso ao conteúdo que passa na televisão da mesma
Sou Flávia Machado, uma entusiasta da audiodescrição, quero te convidar para compartilhar com outras pessoas
A Ancine e o setor decidiram quais vão ser os tipos de arquivos com audiodescrição