Ouvindo os astros: planetário com audiodescrição

O que tem sobre as nossas cabeças?´´É muito mais do que cabelo, é um universo inteiro repleto de luas, planetas, sóis, estrelas e constelações, é magnífico! E saber sobre os seus ciclos, suas posições, o desenho que formam no céu, a distância que estão, é extraordinário!

ilustração do sistema solar

Foi com este objetivo que fui no dia 28 de maio ao planetário do Ibirapuera fazer um Reconhecimento do céu de São Paulo Com o chefe da escola municipal de astrofísica Marcos Rogerio Calil. Eu só não, havia mais umas 150 pessoas comigo. Crianças e adultos, alguns jovens, outros nem tanto, mas todos curiosos e interessados em aprender um pouquinho que fosse sobre astronomia.

Que maravilha foi para mim e para cerca de 80 deficientes visuais que ali estavam assistindo a     Primeira exibição com audiodescrição no Planetário Prof. Aristóteles Orsini.

Narração ao vivo e pormenorizada. De nossas cadeiras inclinadas, acompanhamos no céu projetado em uma cúpula sobre nós, toda a movimentação dos astros, desde o anoitecer até o raiar do dia. Partimos da Terra e fomos conhecer os vizinhos rochosos Mercúrio, Vênus e Marte. Depois os gasosos Júpiter, Netuno, Urano e Saturno com suas luas e seus anéis. Passamos também pelos plutóides e seguimos em frente pelas constelações de Órion, Escorpião, Cruzeiro do Sul, Leão e Cão Maior. Só não encontramos uma constelação do gato. Nenhuma surpresa, afinal astro não mia. Esta doeu né?

Enfim, fiquei feliz em ver a satisfação dos presentes e dos envolvidos no evento. "Que louco!" disse um garoto cego quando a apresentação terminou. Pra quem nunca viu o céu, descobrí-lo assim de uma só vez foi louco mesmo. E o mais legal foi ouví-los na saída do parque participando dos comentários com seus acompanhantes, relembrando o aprendido e discutindo sobre o incrível e absolutamente exato movimento dos corpos celestes.

É pessoal, essa tal de audiodescrição é boa mesmo! Então, vamos promovê-la em mais eventos? Contem comigo. Aliás, contem conosco pois eu não estou sozinho nesta.

por Sidney Tobias de Souza

Saiba mais sobre o planetário do Parque Ibirapuera de São Paulo

foto da fachada do Planetário do Ibirapuera

Tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat) e pelo Conselho Municipal de Tombamento e Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), o Planetário do Ibirapuera passou por várias modificações que o colocaram na era da modernidade.

O novo projetor, StarMaster, fabricado pela Carl Zeiss, tem capacidade para avistar o céu de qualquer ponto conhecido do universo como, por exemplo, a partir de Marte.

Por usar um sistema de projeção de fibra óptica, todas as estrelas são reproduzidas em cor e brilho reais.

Inaugurado em janeiro de 1957 – o primeiro da América Latina – conta ainda com novos projetores periféricos que são capazes de trazer para São Paulo as imagens captadas do telescópio espacial Hubble e dos satélites da Nasa, entre outras possibilidades. A cúpula interna tornou-se uma grande tela de projeção e o espectador tem a sensação de estar mais próximo ao céu, tornando as sessões didáticas e divertidas.

As apresentações, gratuitas até o final de novembro, acontecem aos sábados e domingos, sempre às 15h, duram cerca de meia hora e têm capacidade para até 280 pessoas sentadas, além de sete cadeirantes.

Serviço:

Planetário do Ibirapuera

Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n – Parque do Ibirapuera – Zona Sul (cerca de 5 Km do Metrô Santa Cruz)
Tel.: (11) 5575-5206
Horário: Sábados, domingos e feriados, às 15h, 17h e 19h
Preço: R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 para estudantes, crianças menores de 12 anos e aposentados.

Mais sobre audiodescrição
Foi uma experiência em que todos enxergaram. Na tarde deste sábado, pessoas com e sem
João, Sabrina e Maristela nunca viajaram de avião. Além desse traço em comum, eles são
Inclusão. Esta é a palavra-chave num novo segmento de roteiros rodoviários que a Fresp (Federação


Mais sobre audiodescrição
Foi uma experiência em que todos enxergaram. Na tarde deste sábado, pessoas com e sem
João, Sabrina e Maristela nunca viajaram de avião. Além desse traço em comum, eles são
Inclusão. Esta é a palavra-chave num novo segmento de roteiros rodoviários que a Fresp (Federação