Diálogos Entre Arte e Público 2010

Diálogos. O que são diálogos senão encontros e interlocuções entre pessoas, universos, ideias ou desejos? A mediação existente nesse tipo de comunicação surge, de modo geral, para aproximar tais universos, criar convergências e conexões, além de ampliar conceitos e significados.

logotipo Diálogos Entre Arte e Público

Entre arte e público/ público e arte existe uma infinidade de diálogos possíveis, seguindo as duas direções. A mediação cultural, através de diferentes formas, permeia esse caminho e atua no importante papel da formação de um público fruidor das produções artísticas dentro e fora do universo que lhe é próprio. Portanto, a mediação educativa no acesso a essas produções – estimulando o alumbramento, a compreensão ou a inquietação, até a apropriação das expressões artísticas em sua diversidade – amplia no indivíduo as possibilidades de leituras no âmbito da cultura e pode contribuir, ainda, re-significando, através das obras, sua compreensão de estar no mundo e de ser humano.

O Programa "Diálogos entre Arte e Público", iniciado em 2006, é impulsionado pela necessidade de ampliação de espaços reflexivos e de debates acerca dos processos da referida mediação cultural, tendo como um dos objetivos principais o fortalecimento dessas discussões no Recife e o intercâmbio de pesquisas e experiências com outras localidades do país e do mundo.

Essa ação da Gerência de Serviços de Formação em Artes Visuais da Fundação de Cultura da Cidade do Recife, junto com diversos colaboradores, teve, em 2008, como um de seus desdobramentos o caderno de textos – publicação criada com o intuito de somar-se aos canais de interlocução e fomento de debates e ideias referentes aos meios de diálogo entre a arte e o público, crescentes no país. O Caderno de textos, felizmente, configurou-se não só como registro de experiências/reflexões e como material bibliográfico de apoio às atividades de mediação artística, mas também como um aglutinador de pensamentos, propostas e contatos no âmbito da arte/educação.

Para a edição do segundo volume do caderno, em 2009, foi lançada a seguinte questão: "Educadores entre museus e sala de aula: que diálogos são esses?", buscando imergir nessa relação existente entre a escola, professores, alunos e as instituições culturais. Como resultado, conseguimos um conjunto de artigos cuja heterogeneidade de relatos, de percepções e abrangências enriquece e alarga a discussão em torno da sala de aula e dos museus.

Encontrar nessas páginas experiências que fazem pensar na fotografia como prática na fruição das peças de um museu; refletir a educação artística sem limites de espaço e relacioná-la à educação digital nas escolas; ler relatos que remetem às dificuldades na importante missão de envolver professores e alunos pequeninos nas práticas dos museus e possibilitar a continuidade das práticas arte/educativas na sala de aula; pensar como a arte contemporânea com sua diversidade midiática corresponde a inúmeras possibilidades de transformação nas escolas e, por fim, compartilhar de experiências relacionadas à formação de educadores em textos muitas vezes plenos de imagens poéticas – Eis os objetivos dos textos aqui apresentados.

Certamente os textos dessa publicação abrem caminhos para novos questionamentos, que por sua vez incitarão outros. E assim, entre perguntas, respostas, relatos, debates, ideias…, multiplicam-se os diálogos entre arte e público.

Resultado parcial da seleção de textos para o III Caderno de textos Diálogos entre Arte e Público [2010]

Alexsandra Leite [PE]
ÁUDIO-DESCRIÇÃO: um recurso eficaz de acessibilidade Cultural.

Álvaro Henrique Borges [MG]
PROJETO "MÚSICA NA ESCOLA": acesso à educação e à cultura musical.

Amanda Fonseca Tojal
Margarete de Oliveira
Maria Christina da Silva Costa
Sabrina Denise Ribeiro
[SP]

A INCLUSÃO DE PÚBLICOS ESPECIAIS EM MUSEUS: o programa educativo para públicos especiais da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Amélia Natalina Constante Garcia [SP]

ARTE-EDUCAÇÃO E AS ROSAS: dialogando com as práticas pedagógicas e a formação dos professores.

Ana Carmen Franco Nogueira [SP]

A ARTE E O PERCEBER: a experiência do ateliê de artes para pessoas com deficiência visual.

Fernanda Mélo

Maria Juliana Sá [PE]

ARTE, COTIDIANO E CULTURA VISUAL: perspectivas de uma arte/educação dialógica.

Flávia Paloma Cabral Borba [PE]

DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AOS MUSEUS: apontamentos sobre ações e políticas públicas para acessibilidade cultural.

Gabriela Bon [RS]

A ACESSIBILIDADE DE ALGUNS ESPAÇOS EXPOSITIVOS DE PORTO ALEGRE: ações e conquistas.

Lara Ceres de Carvalho Lopes [MG]

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE SÍNDROME DE DOWN NO INSTITUTO INHOTIM: fundamentos para mediação inclusiva em arte contemporânea.

Marisa Ferreira Aderaldo [CE]

UMA IMAGEM EM MIL PALAVRAS: audiodescrição de obras de arte a deficientes visuais à luz da gramática do design visual.

Milene Chiovatto

Gabriela Aidar

Luis Roberto Soares

Danielle Amaro

[SP]

REPENSANDO A ACESSIBILIDADE EM MUSEUS: a experiência do núcleo de ação educativa da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Silvia Benza [AG]

DIGITALIZACIÓN DE DANZAS FOLKLÓRICAS PERUANAS EN BUENOS AIRES: los migrantes como "archiveros" del arte.

Sonia Marques [PB]

O GALO INACESSIVEL: da arte e do dever de agradar.

Maria Isabel Leite [SC]

CRIANÇA PEQUENA E MUSEU.

Mirian Celeste Martins [SP]

APRENDIZES DA ARTE, MEDIADORES E PROFESSORES: Olhares compartilhados?

Viviane Sarraf [SP]

ACESSIBILIDADE E COMUNICAÇÃO SENSORIAL NOS MUSEUS E ESPAÇOS CULTURAIS: Novos desafios para a mediação cultural.

João Vicente Ganzarolli de Oliveira [RJ]
COMO VEMOS A CEGUEIRA?

Francisco José de Lima
Paulo André de Melo Vieira
Ediles Revorêdo Rodrigues
Simone São Marcos Passos
[PE]

ARTE, EDUCAÇÃO E INCLUSÃO: Orientações para áudio-descrição em museus.

Cibele Lucena
Joana Zatz Mussi
Daina Leyton [SP]

PROJETO APRENDER PARA ENSINAR: a mediação em museus por meio da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

Simone Ferreira Luizines [PE]
MECANISMOS DE MEDIAÇÃO DA OBRA DE ARTE: Possibilitando experiência ou ampliando o acesso à informação?
Anderson Pinheiro Santos [PE]
OBSERVAR E COMPREENDER: A mediação cultural enquanto registro de uma presença vitalícia no mundo

Fonte: Diálogos Entre Arte E Público

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série


Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série