Noar a 3ª edição da Revista Brasileira de Tradução visual

São múltiplos os caminhos que fazem emergir a consciência crítica da sociedade. Da palavra comum ao verbum lei, das formas consagradas do entendimento acerca da diversidade à filosofia inclusivista tem se constituído as trilhas dos direitos humanos. E nessas, a discussão sobre a acessibilidade comunicacional está na ordem do dia e surge como ponto nevrálgico de discussão na Revista Brasileira de Tradução Visual (RBTV).

logotipo RBTV

Descrição do Logotipo: em um fundo branco, a mão direita faz a letra T em LIBRAS. O indicador e o polegar se cruzam, os demais dedos ficam erguidos. Próximo ao indicador há, em verde, três ondas sonoras. Abaixo da mão, lê-se RBTV, com letras verdes e com letras braile em preto.

A RBTV, em sua terceira edição, demonstra como trazer imagens que informam, divertem, persuadem, situam-se no eminentemente visual para o mundo das palavras. A revista ainda discute o direito à áudio-descrição de tais imagens “como um desdobramento do que está previsto em diversas declarações internacionais e em leis e decretos brasileiros que asseguram à pessoa com deficiência a participação em diversos setores da vida cultural e educacional em igualdade de condições com seus pares videntes”.

Nesta linha, os editores continuam a convidar o leitor para, nas seções “Principal, Entrevistas, e no Editorial aprofundar no estudo aprimorado a respeito de aspectos relevantes e cintíficos sobre a pessoa com deficiência, ou a ela relacionado. Convidam, ainda, nas seções Relato de Experiência” e “Foto-descrição”, o leitor a dizer a sua palavra carregada de imagens e convidativa de sentidos! São espaços que consideram que “Incrementar a diversidade é promover a igualdade de chances para que todos possam desenvolver seus potenciais” (ETHOS, 2002, p.9) num espaço democrático desde sua gênese a função social aspirada.

Vale muito, quando se fala nesse ambiente informativo e na áudio-descrição, recordar um velho ditado judeu relembrado por Sanlo (1998): If not me, who? If not now, when? Se é bem verdade que um dos princípios da inclusão é pensar na sociedade como construção de todos, toma leitor para tu a senha do despertar e da construção conjunta. Um passaporte? A RBTV!

Editorial

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA ACADÊMICA PARA O ESTABELECIMENTO DE NORMAS DA AUDIODESCRIÇÃO NO BRASIL
Eliana P. C. Franco

Seção Principal

Estudo da Comunicabilidade das Imagens: Contribuições para o processo de ensino-aprendizagem na escola inclusiva.
Ernani Nunes Ribeiro

ERRGONOMIA E INCLUSÃO LABORAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
Laura Bezerra Martins

LEITURA COMENTADA DA CARTA SOBRE OS CEGOS
Isabel Pitta Ribeiro Machado

Conteúdo

RBTV entrevista Maria Lúcia Batezat Duarte
Maria Lúcia Batezat Duarte

Relato de Experiência

Como a Falta de Acessibilidade Comunicacional Exclui e Como a Inclusão é Alcançada Quando se Tem a Áudio-descrição
Gustavo Tavares Dantas

Foto-descrição

As Imagens nos Livros Didáticos de Língua Estrangeira
Fabiana Tavares dos Santos Silva

Contribuições da áudio-descrição no ensino de Artes
Fabiana Tavares dos Santos Silva

HQ Acessível
Isis Carvalho

Figura Ambígua
Isis Carvalho

ÁUDIO-DESCRIÇÃO DE FOTOGRAFIA DO ESPETÁCULO LEVE, PRIMEIRO ESPETÁCULO DE DANÇA ÁUDIO-DESCRITO EM RECIFE
vinícius nóbrega arruda

UMA TIRA ÁUDIO-DESCRITA
Elisangela Viana da Silva

Capa: Estátua de mulher alva
Paulo André de Melo Vieira.

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial


Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial