Projeto Pra Lá de Lendas – CCSP

O Centro Cultural São Paulo, por meio da curadoria de teatro infanto-juvenil, promove, em consonância com o eixo curatorial, um diálogo entre as áreas, tendo como fio condutor o espetáculo Amazônia adentro, dedicado ao público infanto-juvenil, cuja temática propicia esse diálogo e ainda permite inventar, criar possibilidades a partir do fazer artístico, tanto do teatro como do cinema ou da arte de contar histórias, promovendo o espírito lúdico, a diversão e, sobretudo, a informação educacional e cultural.

Mais sobre audiodescrição
O Coletivo Lugar Comum e a Cia. Etc. se encontraram no Instituto de Cegos Antônio
Dentro ou fora do palco, o Festival de Dança de Joinville é um evento consolidado
acaba de sair a mais nova edição do programa ACESSIBILIDADE JÁ, programa produzido por Lenon

Museu de Arte Sacra apresenta roteiro para deficientes visuais e auditivos

Contemplando o tema da 8ª semana nacional de museus: "Museus para a Harmonia Social", o Museu de Arte Sacra de São Paulo iniciou no dia 18 de maio, ao atendimento voltado para pessoas com deficiência visual e auditiva.

Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –

Organização de pessoas cegas delibera novas ações na luta pela audiodescrição

A implementação da audiodescrição em programas televisivos, preocupação que norteou muitas das ações da Organização Nacional de Cegos do Brasil no ano de 2009, continuará na ordem do dia da entidade, para suas lutas em 2010.

Mais sobre audiodescrição
Para responder a pergunta como se produz audiodescrição na televisão, te convido a percorrer uma
Já teve curiosidade de saber como são feitos os recursos de acessibilidade hoje presentes em
Tendo como moderador Edson Moura, a seção das 15h30 da sala 17 do Congresso da

Produção de Roteiros: Introdução

Índice: 1. Introdução 2. Definições 3. Considerações Gerais 4. Seis passos para o roteiro

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série

Produção de roteiros: Definições

Índice:

1. Introdução

2. Definições

3. Considerações Gerais

4. Seis passos para o roteiro

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial

Produção de Roteiros: Considerações Gerais

Índice:

1. Introdução

2. Definições

3. Considerações Gerais

4. Seis passos para o roteiro

Considerações Gerais sobre o Roteiro:

1. Mídias e Veículos:

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série

Produção de Roteiros: Seis Passos Para Um Roteiro

Índice:

1. Introdução

2. Definições

3. Considerações Gerais

4. Seis passos para o roteiro

Primeiro Passo: Desenvolver uma Idéia.

Todo roteiro – assim como toda obra literária e toda obra de arte – começa sempre a partir de uma Idéia. Idéias valem ouro!

A criatividade pode ser alimentada pela observação e interpretação da realidade, muita leitura, pesquisa, vivências do autor, brainstorms com amigos e parceiros, etc. O importante é que cada um desenvolva seu próprio processo criativo, como por exemplo, métodos de relaxamento ou rituais simples para instigar a imaginação e despertar a intuição. No entanto, a transpiração é tão importante quanto a inspiração.

Segundo o dramaturgo Doc Comparato "Escrever um roteiro é como se tivéssemos uma câmera atrás do olho e ainda mais, pois a câmera tem maior acuidade visual do que o olho e isso a aproxima da imaginação".

Segundo Passo: Determinar uma Story Line.

Definir o Conflito (O que).

Traduzir a Idéia em um Conflito essencial e condensar este Conflito em palavras. O Conflito é a matéria prima da dramaturgia e pode confrontar diversas forças. Por exemplo: O ser humano contra outros seres humanos, o ser humano contra as forças da natureza, o ser humano contra ele mesmo, etc. Todo o bom roteiro tem um conflito essencial e pode ser resumido em uma única frase.

Terceiro Passo: Criar uma Sinopse (ou Argumento).

Definir as Personagens (Quem).

Determinar quem viverá o Conflito básico e definir o Perfil das Personagens. Uma ferramenta interessante para a criação de personagens consistentes é criar uma ficha, contendo informações diversas sobre cada uma delas, como por exemplo, seus dados, seus hábitos e costumes, religião, situação financeira, dados biográficos, perfil psicológico, crenças religiosas, filosóficas, etc.

Além das personagens, a Sinopse deve definir a localização da ação, em que época ela acontece e descrever o decurso da Ação Dramática, a estrutura da ação, descrita no próximo passo.

Quarto Passo: Elaborar uma Estrutura (ou Escaleta).

Organizar uma Ação Dramática (Como).

Definir de que maneira as personagens viverão o Conflito, ou seja, de que forma a história será contada. Para isso é importante definir o Plot da ação, ou seja, a parte central da Ação Dramática, a espinha dorsal do roteiro.

A Estrutura é a divisão da Sinopse em partes e a forma, ou seja, como a trama vai evoluir até o desfecho. Uma estrutura clássica é conhecida como Ternário (divide-se em três partes). Na Estrutura é preciso definir também o Formato do audiovisual. Para tanto, o primeiro passo é determinar a mídia ou o veículo para o qual se destina o roteiro e depois, fixar o Formato de acordo com a mídia alvo.

Quinto Passo: Elaborar o Pré-Roteiro (ou Roteiro Literário).

Incluir os Diálogos (falas ou locução) que são o fator determinante do Tempo Dramático das cenas ou seqüências. Definir as palavras que serão usadas pelas personagens que viverão o Conflito.

As Rubricas (ou indicações) devem acompanhar as falas descrevendo o estado de ânimo ou atitudes das personagens para orientar o diretor e os atores com relação ao clima de cada fala e de cada cena.

Os principais aspectos para a criação dos diálogos são a coerência e o conteúdo das falas, e a maneira como se fala.

No pré-roteiro, a narrativa, que até aqui é vista como um todo, será dividida em cenas, ou seqüências. Cada cena deve estar integrada ao todo e o desenrolar das cenas deve ter um Ritmo que resulte num tempo ideal. A harmonia do Ritmo determinará a harmonia do conjunto da obra. O Pré-roteiro é também a fase de fazer Leituras Dramáticas do texto, fazer revisões, ouvir feedbacks, refletir sobre o texto e reescrever as cenas e seqüências quantas vezes isso for preciso.

Sexto Passo: Participar do Roteiro Final (ou Roteiro Técnico).

Manejar as cenas e criar uma Unidade Dramática para o audiovisual.

O roteiro final é um trabalho de equipe que requer a interação do roteirista com o diretor, a equipe de produção e até com o elenco. É hora de corrigir imperfeições e trabalhar as imagens mais a fundo, incluindo os Movimentos de Câmera e Planos de Filmagem. Aqui também serão incluídos a Iluminação, a Trilha Sonora, o Elenco e outros detalhes de produção. Ao final deste trabalho o roteiro deve estar pronto para ser gravado.

Doc Comparato acredita que "Compete ao diretor e à sua equipe, converter o roteiro literário em roteiro técnico… Elaborar o roteiro final significa converter o Primeiro Roteiro – um texto – em uma ferramenta de trabalho que será entregue à equipe de produção para ser traduzida em imagens e sons".

Fonte: WWB – WebWrittersBrasil

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série

Teatro Amazonas: tradição e audiodescrição

No centro histórico é possível fazer uma viagem no tempo e retornar a um período em que a cidade ostentava muita riqueza. Graças ao breve e abastado ciclo da borracha Manaus se desenvolveu com status de capital européia, que na época lhe rendera o altivo apelido de "Paris dos trópicos".

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma

BLECAUTE: será encenada neste sábado, no Teatro VIVO, com audiodescrição

MOSTRA VIVO ENCENA DE TEATRO JOVEM APRESENTA NESTE SÁBADO, DIA 24/07, A PEÇA "BLECAUTE" COM AUDIODESCRIÇÃO.

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma

Áudio para todos Sentidos lança versão em áudio de sua revista mensal

Áudio para todos: neste mês, a editora Escala lançou uma versão em áudio da revista Sentidos, voltada para o público com deficiência visual. O CD que terá o mesmo preço da revista conterá todo o assunto da revista, incluindo os anúncios. A iniciativa, feita em colaboração com a Fundação Dorina Nowill para cegos é a primeira empreendida pela própria editora.

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série