Abertura Paralela 2010 – A Contemplação do Mundo

Ontem, dia 22, quarta-feira, aconteceu a abertura da Paralela 2010//A Contemplação do Mundo. O vernissage contou com a presença desde ícones populares a importantes donos de galerias de diversas partes do mundo.

Arnaldo Antunes

Piano

Obras como o piano que chora (“Estudo nº1″, Laura Vinci, 2010) e o manifesto à liberdade (“Atrás da liberdade”, Rosana Ricalde, 2010) captaram o olhar dos convidados, mas o grande destaque da noite ficou para duas obras que tentam se aproximar da realidade das ruas: o “barraco” (“Puxadinho”, Lucas Bambozzi, 2010), cujas portas e janelas tentam ser abertas freneticamente, causando uma sensação desesperadora; e a performance de dois artistas interpretando moradores de rua que interagiram com o espaço e o público.

Liberdade

O ápice desta “vanguarda” ocorreu quando uma criança começou a brincar com carvão e desenhar no chão. A união por meio dos personagens dos artistas e a menina firmou um pouco mais a realidade contrastante entre o que estava ocorrendo ali no galpão do Liceu de Artes e Ofícios e as ruas. Foi realmente impressionante a ruptura da exposição.

Puxadinho

Performance

Menina

Quanto às críticas, os convidados parabenizaram a arquitetura do local por ser espaçoso, com obras bastante expressivas muito bem distribuídas e organizadas entre as diversas alas, embora para alguns houvesse uma quebra na expectativa de encontrar algo mais comprometido com a loucura, com o surreal. Um dos grandes diferenciais do evento, foi a acessibilidade a todos os tipos de público. Pessoas com deficiências, em especial cegos e cadeirantes foram alguns dos convidados que prestigiaram a abertura e puderam contemplar a as obras atráves do tato e da audiodescrição de monitores especialmente preparados. Para alguns desses visitantes, a falta de um piso podo-tátil diminuiu a autonomia de pessoas com deficiencia visual pelo espaço e a ausência de descrições em braile. Sobretudo,  a equipe de produção e a monitoria foram bastante elogiadas pelo trabalho ousado e, sendo comparada a última Paralela realizada em 2008, houve mais inovações, organização tanto estética quanto espacial e conforto.

Deficientes

O sucesso da exposição ontem e a interatividade “público X obra” mostra que a arte está cada vez mais acessível, e este quadro favorável à cultura poderia ser aproveitado e complementado por órgãos públicos responsáveis, que trouxessem mais incentivos do Estado.

Por Natália Garcêz e Rubens Takamine (alunos do Liceu de Artes e Ofícios)

Fonte: Paralelas 2010 – A Contemplação do Mundo

Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –


Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –