ARTISTAS COM E SEM DEFICIÊNCIAS FAZEM OFICINAS NO ENCONTRO DE DANÇA

"1º Encontro de Dança Inclusiva. O que é isso?", promovido pelo Grupo X de Improvisação em Dança, reunirá artistas com e sem deficiência, pesquisadores em dança, profissionais das áreas de comunicação, educação, psicologia e produção para um debate interdisciplinar sobre a participação efetiva das pessoas com deficiência no processo de inclusão social tão divulgado e difundido nos últimos tempos, sobretudo no campo artístico da dança.

O projeto é coordenado por Fátima Campos Daltro de Castro, também palestrante, e tem como curador o dançarino, Carlos Eduardo Oliveira do Carmo. O evento acontece de 08 a 12 de setembro, no Espaço Xisto Bahia, localizado nos Barris, em Salvador. As apresentações artísticas serão abertas ao público com preços populares: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia).

A pergunta: "A dança é da deficiência ou do deficiente?" estará mediando reflexões para analisar, no contexto contemporâneo, quais estratégias de sobrevivência são engendradas por grupos e/ou dançarinos com deficiência, para acesso ao mercado de trabalho e ao campo artístico. O encontro tem como objetivo também estimular a discussão pública valorizando a multi e interdisciplinaridade em torno do tema e a valorização da diversidade de pensamentos sobre o corpo.

A programação conta com oficinas, debates, cirandões, performances, espetáculos, exposição de fotos e vídeos de dança e publicação na Revista da FACED.

Palestrantes

Alexandre José Molina – Mestre em Dança pelo PPG-Dança/UFBA (fev/2008). Diretor de dança da FUNCEB (DIMAC/FUNCEB).

Alexandre Baroni – Coordenador Executivo da Pessoa com Deficiência – CORDEF/SJCDH.

Anderson de Souza Leão – Coreógrafo, diretor e dançarino da companhia Gira Dança.

Angel Vianna – Ícone da dança brasileira e fundadora da Faculdade Angel Vianna.

Carla Leite – Doutora em Artes Cênicas UFBA.

Carolina Teixeira – Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFBA, bailarina, coreógrafa, diretora e Arte-Educadora.

Daniel Silva – Integrante da Cia Gira Dança (Natal/RN), atuando como dançarino profissional desde 2008. Atua, também, como propositor de oficinas e palestras, com participação em diversos eventos no âmbito nacional.

Edu O – Graduação em Artes Plásticas (UFBA). Especialização em Arte terapia (UCSAL). Integrante do Grupo X de Improvisação em Dança.

Eleonora Campos da Motta Santos – Doutoranda no PPGAC – UFBA, Mestre em Dança pelo PPGDANCA – UFBA (2008) e coordenadora e professora do projeto Poéticas da Diferença na Escola de Dança/UFBA.

Eliana Paes Cardoso Franco – Pós-Doutora em Tradução Audiovisual pela Universidade Autônoma de Barcelona (2007) e Doutora em Letras pela Universidade Católica de Leuven, Bélgica (2000). Coordena o grupo de pesquisa TRAMAD (Tradução, Mídia e Audiodescrição).

Fátima Campos Daltro de Castro – Doutora em Comunicação e Semiótica, PUC – São Paulo e Escola de Dança da UFBA. Mestrado em Artes Cênicas, UFBA, (2004). Coreógrafa e diretora do Grupo X de Improvisação em Dança.

Helena Tania Katz – Professora no Curso Comunicação das Artes do Corpo e no Programa em Comunicação e Semiótica, na PUC-SP. Exerce a função de crítica de dança desde 1977. Desenvolve a Teoria Corpomídia em parceria com a Profa. Dra. Christine Greiner.

Iara Cerqueira – Mestre em Dança pelo PGDANCA/UFBA. Especialista em Fisiologia do Exercício (UNEB/BA) e Instrutora da Técnica de Pilates, Polestar Education, USA. Atua como diretora e coreógrafa do Grupo HIS-Contemporâneo desde 1998.

Joceval Santana – Jornalista baiano escreve sobre a produção artística local e é editor e crítico de dança.

Lenira Peral Rengel – Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica, PUC/SP. Mestre em Artes/Dança pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP. Especialista na Arte de Movimento de Rudolf Laban e sua inserção no pensamento contemporâneo na Dança, nas Artes e no Ensino e Aprendizagem.

Lúcia Matos – Professor Adjunto da Escola de Dança da UFBA. Doutora em Artes Cênicas. Mestre em Educação/UFBA. Licenciada em Dança/UFBA. Representante do Nordeste no Colegiado Setorial de Dança da FUNARTE/ MINC (2004-2009).

Maria Teresa Taquechel Y Saiz – Possui graduação em Química pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1983) e tem experiência na área de artes. Atualmente é Diretora da Pulsar Cia. de Dança.

Neca Zarvos – Dançarina e atriz atuante no campo da Performance, do Cinema e da Produção, destacando-se as produções do "Projeto Danceability Brasil 2007", série de atividades com o coreógrafo e professor Alito Alessi em São Paulo, preparadora vocal e corporal para teatro.

Norberto Pena – Doutorado em Cinesiologia e Fisiatria pela Universidade de Buenos Aires. Especialização em Licenciatura em Cinesiologia e Fisiatria (Universidade de Buenos Aires) e Graduação em Cinesiologia.

Paulo Braz ator – Diretor teatral, cenógrafo e produtor cultural. É membro da Comissão Organizadora do FILO – Festival Internacional de Londrina.

Rogério Andreolli – Ator formado pela Faculdade da Cidade no Rio de Janeiro. Bailarino e assistente de coordenação da Pulsar Cia de Dança.

Teresinha Guimarães Miranda – Graduação em Pedagogia pela UCSAL. Mestrado em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (1993) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (1999). Coordenadora do Núcleo de Apoio à Pessoa com Deficiência (NAP/UFBA).

Programação

08/09

9h – Oficinas

Oficinas I – Cia Gira Dança (Processo Criativo)/RN

Oficina II – Curso de Audiodescrição com Dra. Eliana Franco/BA

14h – Oficinas

Oficina II – Curso de Audiodescrição com Dra. Eliana Franco/BA

15h – Debates

Mesa I – A mídia, as políticas públicas e a produção inclusiva.

Debatedores: Lúcia Matos, Helena Katz, Joceval Santana, Tereza

Taquechel, Alexandre Molina, Alexandre Baroni e Paulo Braz.

18h – Vestido curto na alma de dentro

O espetáculo dirigido pela coreógrafa e dançarina Fafá Daltro busca em sua essência mostrar o universo das lembranças e dos sonhos que ficam guardados em algum canto da alma humana. O universo do cotidiano é uma fonte de riqueza de material para dança e de grande poder de expressão que detém características peculiares e gestuais próprias do indivíduo. O conteúdo do trabalho é de cunho subjetivo, onde através de sua movimentação o dançarino/coreógrafo poderá traçar uma linha orgânica de ações que estão contidas neste universo, e que possam ser transformadas em representações na busca de uma comunicação humana poética. Esta linha de pensamento define o caráter informal e transitório deste espetáculo e da qualidade cênica que será articulada em quadros independentes, enfatizando o aproveitamento da vida cotidiana do homem urbano.

Criação: Grupo X de Improvisação em Dança

Intérpretes/criadores: Fafá Daltro, Victor Venas, Vivys Fontoura, Edu O, Hugo Leonardo.

Compositor/intérprete: Ricardo Bordini

09/09

9h – Oficinas

Oficina I – Cia Gira Dança

Oficina II – Neca Zarvos (Danceability)

15h – Debates

Mesa I – A formação do artista com deficiência Lenira Rengel, Angel Vianna, Carolina Teixeira, Terezinha Miranda, Fafá Daltro.

18h – Odete, traga meus mortos

Odete, traga meus mortos, fala do lugar do outro em nossas vidas, nossos mortos (pessoas, lugares, objetos e situações passadas) marcando nossos corpos e nosso estado.

O espetáculo vencedor do Prêmio Festival Vivadança 2010, traz como intérpretes e criadores Edu O. e Lucas Valentim, e a trilha sonora executada ao vivo por Som do Roque. Tudo reverberando em nós até mesmo quando a memória não é ativada. Durante os 40 minutos de apresentação, os artistas percorrem o universo das memórias compartilhando-as entre si e com o público de maneira que ora parecem brincar com as

situações, ora mergulham fundo nas sensações que as lembranças provocam, contaminando a todos, estimulando a platéia a também acessar as próprias lembranças.

Projeto: Edu O.

Intérpretes/criadores: Edu O. e Lucas Valentim

Trilha sonora: Som do Roque

Produção e Figurino: Nei Lima

10/09

9h – Oficinas

Oficina I – Danceability/SP

Oficina II – Grupo X de Improvisação em Dança/BA

15h – Debates

Mesa III – Dança Inclusiva. O que é isso?

Debatedores: Eleonora Motta, Lúcia Matos, Neca Zarvos, Anderson Leão,

Daniel Silva, Edu O.

18h – Warrior’s

Opaxorô Cia. de Dança e Percussão formada por jovens com e sem deficiência intelectual apresenta a Coreografia "Warrior’s" que representa o empenho com que as pessoas com deficiência intelectual vêm lutando para mostrar sua potencialidade e a capacidade de transpor barreiras do preconceito social, exercendo com dignidade sua autonomia e cidadania.

Intérpretes/criadores: Opaxorô Cia. de Dança

19h – Judite quer chorar, mas não consegue!

Judite quer chorar, mas não consegue!, idealizado pelo dançarino e ator Edu O, narra através da dança a história da lagarta Judite, que amedrontada diante das transformações naturais da vida, hesita em seguir o percurso da sua condição existencial e não quer se tornar uma borboleta. Este espetáculo singra as zonas de silêncio onde residem as emoções humanas, fazendo-nos refletir sobre nós enquanto indivíduos na vida, no mundo, sob o impacto da inexorável solidão que nos atormenta e apavora. Edu O. mostra reluzente talento ao ocupar os palcos em que se apresenta, ressignificando a ideia da dança, usando seu corpo, de modo sensível e delicado.

Intérprete/criador: Edu O.

11/09

9h – Oficinas

Oficina I – Carolina Teixeira/RN

Oficina II – Pulsar Cia. de Dança/RJ

15h – Cirandão I

Cirandão I – Carla Leite, Fafá Daltro, Norberto Pena, Ninfa Cunha e Janiere Almeida em um debate com o público participante e realização de atividades de criação artística e mostra aberta.

18h – Estudo para carne, água e osso

Embalar, empacotar, acondicionar e embrulhar, são algumas metáforas utilizadas para propor ao corpo que dança a experiência cinético-estética correlata a sensações/emoções implicadas à adaptação e ambiência, relativas ao estado em que o corpo se encontra ao ser colocado num ambiente restrito. Estratégias compositivas visam induzir fissuras no corpo para agenciamento de novas configurações, resultantes não alheias à presença do espectador, mas que abarca a relação corpo que dança/ambiente/espectador implicados entre si. Os estudos de Giorgio Agambem e Zygmunt Bauman referenciam essa pesquisa artística, propondo discussão que entrelaça corpo/carne e vida nua, associados à fragilidade dos vínculos que permeiam as relações contemporâneas. Estudo para Carne, Água e Osso é uma proposta que se desdobra de Partes sem Roteiros, trabalho do Grupo His Contemporâneo de Dança, Salvador/BA, com interesse em dar continuidade às investigações do grupo acerca do formato improvisacional de caráter processual, onde o corpo é o principal elemento propositor e construtor da obra/dramaturgia.

Criação: Grupo His Contemporâneo de Dança

Intérpretes/criadores: Iara Cerqueira, Douglas Gibran e Sandra Corradini

19h – Estudo para Indefinidamente Indivisível – 3

Bolas infláveis permitem que os corpos vivenciem a transformação e a imprevisibilidade do tempo e do movimento. O risco permanece, pois o erro é a parte viva do acerto: abre para o que pode vir a ser. Como afirma o filósofo Henri Bergson: "A mudança, se consentirem em olhá-la diretamente, sem véu interposto, bem rapidamente lhes parecerá como o que pode haver no mundo de mais substancial e mais durável. Sua solidez é infinitamente superior a de uma fixidez que não é mais que um arranjo efêmero entre mobilidades". A mudança é indivisível, o tempo – duração – é indefinidamente indivisível.

Criação: Pulsar Cia de Dança

Concepção, Direção e Coreografia: Teresa Taquechel

Intérpretes e Pesquisa de Movimentos: Angel Vianna, Andrea Chiesorin, Rogério Andreolli e Teresa Taquechel

Composição Musical: Bernardo Gebara

Desenho de Luz: Renato Machado

Pesquisa de Figurino: Dréa Nunes

Assistência de Direção: Elisa Peixoto

Preparação Corporal: Gabriela Alcofra, Camila Fersi, Teresa Taquechel

Professores Convidados: Angel Vianna (conscientização do movimento), Thereza Feitosa (eutonia), Esther Schor (feldenkrais), James Arêas (filosofia), Eraci Gonçalves (dinâmica muscular e ballet)

Orientação de Prevenção as Lesões: fisioterapeuta e bailarina Núbia Barbosa

Assistência Técnica: Fábio Rodrigues

12/09

9h – Oficinas

Oficina I – Carolina Teixeira

Oficina II – Pulsar Cia de Dança

15h – Cirandão II

Cirandão II – Lenira Rengel, Eleonora Motta, Iara Cerqueira, Rodas no Salão e Acessibilidade em Trânsito Poético – ACC 2010, debate com o público participante e realização de atividades de criação artística e mostra aberta.

18h – Braile

Escutas do que se não pode ver… do que… hein?

Vejas do que se não pode tocar… huumm!!

Pisas do que se não pode seguir adiante…tateias!!!

Intérprete/criadora: Líria Morays

19h – Cia Gira Dança/RN.

Mais sobre audiodescrição
O Coletivo Lugar Comum e a Cia. Etc. se encontraram no Instituto de Cegos Antônio
Dentro ou fora do palco, o Festival de Dança de Joinville é um evento consolidado
acaba de sair a mais nova edição do programa ACESSIBILIDADE JÁ, programa produzido por Lenon


Mais sobre audiodescrição
O Coletivo Lugar Comum e a Cia. Etc. se encontraram no Instituto de Cegos Antônio
Dentro ou fora do palco, o Festival de Dança de Joinville é um evento consolidado
acaba de sair a mais nova edição do programa ACESSIBILIDADE JÁ, programa produzido por Lenon