Universidade em Madrid lança o 1º curso de acessibilidade ao cinema

A Universidade Carlos III, em Madrid – Espanha, lançou o primeiro curso prático de acessibilidade ao cinema, subtitulado para surdos e audiodescrição, um programa posto em marcha com vista à enorme demanda de profissionais que gerou a nova Lei dos Audiovisuais em Espanha.

O curso é coordenado por Ángel García Crespo, responsável pela sensibilização social do Centro Espanhol de Subtitulação e Audiodescrição (CESyA), começará em Outubro de 2010, terá a duração de quatro meses e as inscrições já estão abertas.

O programa do curso será de carácter semipresencial, facto que permitirá a qualquer pessoa do território espanhol efectuar o curso. O objectivo é ter em conta os mais de dois milhões de pessoas que em Espanha têm alguma deficiência sensorial, seja visual ou auditiva.

A Lei Geral Audiovisual espanhola, recentemente aprovada, impõe que as televisões tornem acessível grande parte da sua emissão. A norma estabelece que as pessoas com deficiência auditiva ou visual "têm o direito a que a comunicação audiovisual televisiva subtitule 75% dos programas e conte ao menos com duas horas semanais de interpretação com língua de sinais e programas audiodescritos; estas cifras aumentarão até 90% e dez horas semanais de interpretação com língua de sinais e audiodescrição no caso das televisões de sinal aberto e cobertura estatal ou autónoma".

A subtitulação e a audiodescrição são dois serviços chamados a ser os protagonistas dos filmes acessíveis do futuro mais imediato. O curso incluirá visionamentos de filmes acessíveis dentro dos passos regulares programados pela Academia.

Isto irá permitir que o aluno detecte as necessidades que têm as pessoas com deficiência sensorial. Além disso, o programa do curso incluirá um módulo para o fomento da igualdade de género no sector audiovisual e cinematográfico.

Saiba mais sobre a acessibilidade na televisão da Espanha:

Fonte: Portal AJUDAS.COM

Mais sobre audiodescrição
Pelas redes sociais, cegos e surdos reclamam contra decisão da Ancine. As pessoas cegas ou
Jamais esquecerei opresente que ganhei do Papai Noel em 2016. Era 25 de dezembro, à
Pelo segundo ano consecutivo, o espetáculo de Natal apresentado no Palácio Avenida, em Curitiba, contou


Mais sobre audiodescrição
Pelas redes sociais, cegos e surdos reclamam contra decisão da Ancine. As pessoas cegas ou
Jamais esquecerei opresente que ganhei do Papai Noel em 2016. Era 25 de dezembro, à
Pelo segundo ano consecutivo, o espetáculo de Natal apresentado no Palácio Avenida, em Curitiba, contou