O novo cinema do Brasil no dia 23 em Brasília

A Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal, sob patrocínio da Petrobras, co-patrocínio da Terracap e apoio Sabin, Centro Cultural Banco do Brasil, BRB, Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual e Câmara Legislativa do Distrito Federal, realiza de 23 a 30 de novembro de 2010 a 43ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

A programação se espalha por vários pontos do Distrito Federal como Teatro Nacional Claudio Santoro (Sala Villa-Lobos, Sala Alberto Nepomuceno e Sala Martins Pena), Cine Brasília, Kubitschek Plaza Hotel, Museu Vivo da Memória Candanga, Centro Cultural do Banco do Brasil e Cinemark Píer 21.

Competitivo, o certame distribui este ano R$ 555 mil reais em prêmios oficiais além do troféu Candango. Além disso, outras instituições e empresas oferecem láureas aos competidores. Entre eles, a Câmara Legislativa do Distrito Federal, que há décadas oferece o prêmio Câmara Legislativa às produções realizadas no Distrito Federal. Curtas, médias e longas metragem em qualquer suporte concorrem este ano a um total de R$ 150 mil.

Este ano, cineastas de todo o país enviaram para a comissão de seleção 36 longas, 122 curtas 35 mm e 301 curtas digital. Só do Distrito Federal foram inscritos 108 filmes; 4 longas, 20 curtas 35 mm e 84 filmes no formato digital.

As produções selecionadas integram várias programações; Mostra Competitiva 35mm, Mostra Petrobras Revelando os Brasis, Festivalzinho, filmes restaurados e produções para a abertura e encerramento do festival.

Durante o Festival, o público poderá estabelecer contato com cineastas, técnicos e realizadores nos debates pós-sessão. Os da mostra competitiva 35 mm se realizam a partir das 11h do dia seguinte à exibição no Cine Brasília. Os da mostra digital, logo após a apresentação na Sala Martins Pena do Teatro Nacional. Outras formas de participação do espectador são os seminários, oficinas, palestras e lançamentos de filmes, livros e DVD, programados para as dependências do Kubitschek Plaza Hotel, e sempre com acesso livre.

Este ano, o Festival de Brasília presta homenagem a Carlos Reichenbach, um dos grandes realizadores brasileiros, muitas vezes presente ao evento ora concorrendo, ora na curadoria ou integrando a comissão de julgamento. Dele, será exibido dia 23, na abertura, na Sala Villa Lobos, o filme Lilian M: Relatório Confidencial, produção de 1974/1975. E, mantendo a tradição, haverá apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, sob a regência da Maestrina Elena Herrera. A sessão é para convidados.

Na quarta-feira, a programação começa às 10h, no Cine Brasília com o Festivalzinho que nos dias 24,25,26,29 e 30 apresenta para escolas agendadas o longa metragem Eu e o Meu Guarda-Chuva, de Toni Vanzolini. O mesmo filme será apresentado também no Centro Cultural Banco do Brasil, nos dias 27 e 28 de novembro.

Debates e mostras de filmes no suporte digital têm entrada livre e se realizam na Sala Martins Pena do Teatro Nacional de 24 a 29/11.

Já a Sala Alberto Nepomuceno do Teatro Nacional Claudio Santoro, às 14h30 e o Museu Vivo da Memória Candanga, 15h abrigam, também a partir do dia 24, a Mostra Petrobras Revelando os Brasis, entrada franca.

A primeira publicação a ser lançada no Festival, no Bamboo Bar do Kubitschek Plaza Hotel, 18h, é o livro Brasília Cinematográfica – 2a. Etapa, organizado pelo Instituto Dharma.

Sob coordenação de Tânia Montoro, o seminário Da juventude transviada à juventude plugada: (Re) atualização da linguagem cinematográfica e conquista de novos atores e públicos ocorre a partir das 14h, no Kubitschek Plaza Hotel, Salão Caxambu, acesso livre.

Participam do Seminário a cineasta Laís Bodansky falando sobre seus filmes: Bicho de Sete Cabeças e As Melhores Coisas do Mundo; Michel Peixoto, professor de cinema da UnB, falando sobre A autoria no jovem cinema brasileiro e André Klotzel que falará sobre seu longa Reflexões de Liquidificador, filme ainda inédito no DF.

Como de hábito, o projeto de José Damata, Cinema Voador, também integra a programação do Festival levando o cinema brasileiro a vários locais do DF sem equipamentos culturais, entre eles a Colônia Agrícola Basevi, em Sobradinho.

Outro evento que se realiza anualmente no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro é o Encontro do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro. Este ano, entre outros assuntos, ocorre, a partir das 10h, no Kubitschek Plaza Hotel, Salão Leopoldina, palestra de Myrna Brandão detalhando o processo de restauração do filme Rico ri à toa: Roberto Farias. Carlos Brandão e Solange Stecz, também participam do debate.

Dramaturgia do ator no cinema e nas mídias digitais é o título do Workshop de Interpretação para atores, coordenado por Luciana Martuchelli. As aulas, limitadas a inscritos previamente, ocorrerão no Salão Leopoldina do Kubitschek Plaza Hotel.

Já o Seminário: Acessibilidade no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – Audiodescrição e Legendas, ocorre no Salão Caxambu do mesmo hotel. No evento, coordenado pela professora Dolores Tomé, serão tratados temas relacionados à Implementação da Acessibilidade das pessoas cegas e surdas no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

O fotógrafo, filósofo e cineasta cego Evgen Bavcar é uma das estrelas do seminário falando sobre O verbo e a imagem, um equilíbrio impossível. Doutor em História, Filosofia e Estética pela Universidade de Sorbonne, na França, Bavcar vive em Paris e viaja o mundo, mostrando às pessoas que a imagem não precisa ser explicitamente visual. O cineasta Walter Carvalho, do premiado Janela da Alma, também participará do seminário.

O filme restaurado Rico ri à toa, de Roberto Farias, será exibido no Sábado, 27, 15h, no Cine Brasília, entrada franca.

Este ano a Cult Vídeo produziu e lança, dom, 28, Cine Brasília, o DVDs Curta Brasíllia – Volume 2 e Anima Brasília.

Ainda no domingo, 28, realiza-se no Bamboo Bar do Kubitschek Plaza Hotel, os livros: A Menina, a Guerra e as Almas, de Conceição Senna; Da Pedra ao Nada a Viagem da Imagem, de Paulo B. C.  Schettino; Manaus e Liverpool: Uma ponte marítima centenária, de David Pennington ; O Sonho de Dom Bosco, edição comemorativa dos 50 anos de Brasília, de Maria Letícia, Roberto Athayde e Mixel; O Cangaço no Cinema Brasileiro, de Marcelo Dídimo; 20 anos do Cine Ceará, de Firmino Holanda e Novos Monstros, de Newton Cannito.

O Seminário Cine diálogos, uma panorâmica sobre festivais terá como palestrantes: Adirley Queiroz, Bernadette Lyra, Alexandre Rangel, Umberto Martins, Brigitte Veyne, Pablo Gonçalo, Rejane Cantoni e Lauro Zavala, sob coordenação de Josiane Osório, do Festival Internacional de Filmes Curtíssimos.

Clássico, o filme O Leão de Sete Cabeças, de Glauber Rocha, em cópia recém restaurada será exibido, no Cine Brasília as 17h de segunda feira, 29/11.

A cerimônia de premiação dos vencedores do 43º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro ocorre a partir das 20h30, de terça feira, 30, na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional Claudio Santoro, quando será exibido o filme Os Deuses e os Mortos, de 1970, e dirigido Ruy Guerra, em sessão restrita a convidados.

Filmes

Filme de abertura: Lilian M: Relatório Confidencial
Escrito, fotografado e dirigido por Carlos Reichenbach
Ficção, 35mm, 120min, SP, 1074/1975

Mostra Competitiva 35mm – Longas Selecionados

A Alegria, de Felipe Bragança e Marina Meliande, 106min, RJ
Amor?, de João Jardim, 100min, RJ
O Céu sobre os Ombros, de Sérgio Borges, 72min, MG
Os Residentes, de Tiago Mata Machado, 120h, MG
Transeunte, de Eryk Rocha, 100min, RJ
Vigias, de Marcelo Lordello, 70min, PE

Mostra Competitiva 35mm – Curtas selecionados

A Mula Teimosa e o Controle Remoto, de Hélio Villela Nunes, 15min, SP
Acercadacana, de Felipe Peres Calheiros, 19min58, PE
Angeli 24 horas, de Beth Formaggini, 25min09, RJ
Braxília, de Danyella Neves e Silva Proença, 16min,30, DF
Cachoeira, de Sergio José de Andrade, 13min47, AM
Café Aurora, de Pablo Polo, 19min, PE
Contagem, de Gabriel Martins e Maurilio Martins, 18min02, MG
Custo Zero, de Leonardo Pirovano, 12min, RJ
Fábula das Três Avós, de Daniel Turini, 17min, SP
Falta de Ar, de Érico Monnerat, 21min, DF
Matinta, de Fernando Segtowick, 20min, PA
O Céu no Andar de Baixo, Leonardo Cata Preta, 14min59, MG.

Mostra Competitiva Digital

Com a Mosca Azul, de Cesar Netto, 15min, SP
Dalva, de Filipi Wenceslau, 15min20, BA
De bem com a vida – Carlos Elias e o Samba em Brasília, de Leandro Borges, 20min, DF
Do Andar de Baixo, de Luisa Campos e Otavio Chamorro, 13min, DF
Entrevãos, de Luísa Caetano, 19min50, DF
Esta Pintura Dispensa Flores, de Luiz Carlos Lacerda, 20min, RJ
Herói, de Thiago Ricarte, 20min, SP
Lendo no escuro, de Marcelo Pedrazzi, 16min, RJ
My Way, de Camilo Cavalcante, 7min, PE
Naquela Noite Ele Sonhou com Um Mar Azul, de Aristeu Araújo, 20min, PR
Negócios à Parte, de Juliana Botelho, 15min, DF
O Eixo, de Ricardo Movits, 7min30, DF
O Filho do Vizinho, de Alex Vidigal, 6min09, DF
O Gato na Caixa, de Cauê Brandão, 19min59, DF
O Silêncio do Mundo, de Bárbara Cariry, 10min, CE
Onde Você Vai?, de Victor Fisch, 14min36, SP
Queda, de Pablo Lobato, 14min35, MG
Queimado, de Igor Barradas, 19min, RJ
Só mais um filme de amor, de Aurélio Aragão, 18min, RJ
Tempo de Criança, de Wagner Novais, 12min, RJ
Traz Outro Amigo Também, de Frederico Cabral, 15min, RS
Últimos Dias, de Yves Moura, 15min, RJ

Mostra Brasília – Longas 35mm – Brasília

Filme Pirata, de William Alves, 60min, DF
Hollywood no Cerrado, de Armando Bulcão e Tânia Montoro, 85min, DF
O Mar de Mário, de Reginaldo Gontjo e Luiz F. Suffiati, 72min49, DF

Curtas 35mm – Brasília

A janela, de João Batista Melo, 9min, DF
A Menina Metalinguística e o Garoto Melancólico, de Guga Caldas, 11min, DF
A Obscena Senhora D, de Catarina Accioly, 15min, DF
Braxília, de Danyella Neves e Silva Proença, 16min,30, DF
De asfalto e terra vermelha, de Camila Freitas e Antoine
d’Artemare, 35min, DF
Eu não sei, de Luis Augusto Jugmann Andrade, 10min, DF
Falta de Ar, de Érico Monnerat, 21min, DF
I Juca Pirama, de Elvis Kleber e Ítalo Cajueiro, 15min, DF
Me Compre o Jegue e me Traga o Troco, de Ronaldo D’oxum, 8min, DF
Memória de Elefante, de Denise Moraes, 16min, DF
O Golpe no Mestre, de Claudio Moraes, 11min30, DF
Penca de Gente, de Cassio Barbosa Sader, 9min, DF
Procura-se, de Iberê Carvalho, 15min, DF
Profana Via Sacra, Alisson Sbrana, 25min, DF
Ratão, de Santiago Dellape, 20min, DF
Zé[s], de Piu Gomes, 15min, DF

Curtas digitais – Brasília

213?, de Elias Rodrigues, 20min, DF
A Brasilia’s Tale, de Thiago Moyses, 20min, DF
A Dois Palmos, de Pollyanna Carvalho e Rebeca
Tschiedel, 20min, DF
A Garagem Hermética de Constantinopla, de André Catuaba, 7min, DF
A menor distância entre dois pontos, de Breno Nina e Elias Guerra, 17min41, DF
A Última Gota, de Rogério Águas, 10min40, DF
Aconteceu no 42º Festival, de Betânia Victor, 15min, DF
Banheiros e Paixões, de Éverton Francisco Rosa, 4min48, DF
Bastar, de Gustavo Serrate Maia, 20min, DF
Benedito, de Adalberto Muller, 20min, DF
Biografia do Apelido, de Renato Rhugas e Gil Pedro, 15min12, DF
Brasília do Brasil, de Celina Cassal Josetti, 4min54, DF
Chorando na Chuva, de Lello Kosby, 3min15, DF
Confinado, de Rafael Lobo, 20min, DF
De bem com a vida – Carlos Elias e o Samba em Brasília, de Leandro Borges, 20min, DF
Desbravadores de Caminho – Uma Curta História do Povoado de São Jorge, de Betânia Victor e Zpdr, 15min, DF
Dissolução – Hipervazio e Solidões, de Julia Lucini e Lucas Venturim, 17min35, DF
Do Andar de Baixo, de Luisa Campos e Otavio Chamorro, 13min, DF
Dois de Junho eu Acordei Careca!, de Fernando Bola, 9min, DF
Duale, de Rodrigo Luiz Martins, 5min, DF
Embarazadas, de Bruna Martins, Lívia Oliveira, 10min, DF
Entrevãos, de Luísa Caetano, 19min50, DF
Escolhas, de Antonio Balbino, 10min, DF
Espelhos Partidos, Direção coletiva, 14min, DF
Estações da Cidade, de Jorge Martins Rodrigues, DF
Expedição Abrolhos, de Márcio Miranda e Érico Cazarré, 17min34, DF
Expresso, de João Lucas Braga e Raphael Cardoso, 12min, DF
Feira do Rolo, de Gil Pedro, 5min16, DF
Filhos( as) do Cerrado, de Gilney B. Ma, 20min, DF
Grande Amigo Santo Antônio, de Cecília Álvares, 13min10, DF
Ignácio, de João Rafael, 7min25, DF
KCrisis, de Thiago Moyses, 20min, DF
Licença Poética, de Andaime Cia de Teatro, 3min20, DF
Madame Quin Quin entre Budas, Punks, Orixás e Robôs, de Rogerio Quintão, 18min, DF
Mamulengo’s, de Agnaldo Moraes, 10min, DF
Maria Antonieta Faz Aniversario, de Ignacio Amaral, 19min, DF
Memorias de Un Recuerdo, de David Alves Mattos, 4min45, DF
Menarca, de Mariana Tesch, 7min40, DF
Mil Vezes, de Cleuberth Choi, 4min40, DF
Musica Roqueira Popular Brasileira, de Dillo Daraujo, 16min, DF
Na Casa ao Lado, de Naiara Rimoli, 6min25, DF
Negócios à Parte, de Juliana Botelho, 15min, DF
Nonato Azul, de Cleuberth Choi, 5min20, DF
O Egresso, de Fáuston da Silva, 19min59, DF
O Eixo, de Ricardo Movits, 7min30, DF
O Encontro, de Ivan Gajic, 11min, DF
O Filho do Vizinho, de Alex Vidigal, 6min09, DF
O forró daqui é melhor do que o seu, de Kleber Robson, 18min, DF
O Gato na Caixa, de Cauê Brandão, 19min59, DF
O Grito dos Filhos da Terra, de Constanza Ospina, 20min, DF
O Homem-pipoca, de Raoni Machado, 17min18, DF
O Ícone e o Reflexo, de Lucas Marques Sampaio, 16min50, DF
O Monstro do Lago, de Guilherme Barros, 20min, DF
O que as cartas não veem, de Marconi Martins de Araújo, 13min, DF
Percussucata, de Gil Pedro, 14min, DF
Procedimento Hassali ao alcance do seu bolso, de Saulo Tomé e Natália Pires, 15min15, DF
Profissão Gari – Invisibilidade visível, de Erasmo Salomão, 16min, DF
Próxima Distância, de Mateus Araújo, 11min10, DF
Quando Tudo Pode Mudar, de Marli Arboleia, 8min09, DF
Quitinete com Quintal, de Patrícia Saldanha, 14min, DF
Reverso, de Tiago Carneiro Rolim Esmeraldo, 13min, DF
Roda Mundo, de Antonio Francisco. Co-Direção: Alan Shvasberg, 16min40, DF
Salto Fino, de Pedro Valente, 12min, DF
Samba de Uma Nova Gente- Primeiro Piloto, de Chico Santa Rosa, 6min07, DF
Sandra, de Allex Medrado, 10min, DF
Sessão de Curta, de Rafael de Andrade, 15min15, DF
Só em Brasília – Capítulos do Um ao Seis, de Jacques Sanfilippo, 11min, DF
Solo do Silêncio, de Pako Chagas Rocha, 10min20, DF
Sydnei Possuelo – Uma vida Amazônica, de Roberto Stefanelli, 19min35, DF
Tempus Fugit, de Lino Meireles, 9min, DF
Tudo Aquilo Que Quis Ver Com Os Seus Olhos, de Leonardo Villas Braga, 4min35, DF
Uma Noite de Natal, de Jorge Sacramento, 17min, DF
Velho Mundo, de Armando Fonseca, 13min, DF
W.C., de Thaine Santos, 19min, DF.

Festivalzinho

Eu e Meu Guarda Chuva

Direção: Toni Vanzolini
Ficção, cor, 35mm, 78min, RJ, 2010

Filmes Restaurados:

Rico Ri à Toa

Direção: Roberto Farias
Ficção, p/b, 110min, 1957.

O Leão de Sete Cabeças
Direção Glauber Rocha
Ficção, cor, 35mm, 95min, Roma, Itália, 1970

Filme de encerramento:

Os Deuses e os Mortos
Direção: Ruy Guerra
Ficção, cor, 35mm, 95min, 1970, RJ

Endereços do Festival

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Secretaria de Estado de Cultura do DF
SCN, Via N2, Anexo do Teatro Nacional Claudio Santoro
270041-905 Brasília – DF
61 – 3325 7777/3325 3086
festivaldebrasilia@gmail.com

Cine Brasília
EQS 106/107
61 – 3244 1660

Teatro Nacional Claudio Santoro
Setor Cultural Norte, Via N2
61 – 3325 6239 e 3325 6240

Kubitschek Plaza Hotel
SHN Quadra 2 Bloco A
70 702-900 Brasília – DF

CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil
SCES Trecho 2 Lote 22
61 – 3310 7081

Cinemark do Pier 21
Pier 21, SCE/s, Trecho 2, Conjunto 32 e 33
61 – 3223 7506

Museu Vivo da Memória Candanga
Endereço: Via EPIA Sul, SPMS, Lote D – Núcleo Bandeirante – DF.
61 – 3301 3590

Fonte: Secretaria de Cultura do Distrito Federal

Mais sobre audiodescrição
A PUC Goiás e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas abriram oficialmente
Na próxima terça-feira, dia 14 de março, às 18h, o site do projeto Diversidade na
O 3° Encontro (Inter)nacional de Audiodescrição acontece de 26 a 29 de abril de 2017


Mais sobre audiodescrição
A PUC Goiás e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas abriram oficialmente
Na próxima terça-feira, dia 14 de março, às 18h, o site do projeto Diversidade na
O 3° Encontro (Inter)nacional de Audiodescrição acontece de 26 a 29 de abril de 2017