A REVOLTA DOS BRINQUEDOS ENCERRA MAIS UMA TEMPORADA COM SUCESSO

No último dia 24 de outubro, o espetáculo a Revolta dos Brinquedos encerrou a segunda temporada no Teatro Apolo. Com a inserção do intérprete de LIBRAS e da audiodescrição, a peça não só ampliou o público, como foi mais além, e se tornou um marco na história do teatro pernambucano. A iniciativa, pioneira no Estado, foi destaque na mídia local e atraiu a atenção de todo o público.

LIBRAS – Durante o espetáculo, mesmo os espectadores ouvintes , observavam curiosos o trabalho do intérprete de LIBRAS José Carlos Santos. Com dez anos de experiência , José Carlos apostou na idéia e encarou o desafio. "Foi uma experiência completamente diferente de todas que eu já tive. No início fiquei um pouco ansioso, mas a comunicação com o surdo, a troca de informações e a chance de oferecer um serviço tão importante , me deram a segurança que precisava", diz. Para traduzir o espetáculo, o intérprete assistiu a várias apresentações e estudou bastante o texto antes da estréia . "O trabalho foi muito gratificante, especialmente quando vemos a interação do espectador com os atores . É uma atividade que nos estimula a buscar mais estudo e aprimoramento , sempre no intuito de apresentar melhores resultados", acrescenta. Audiodescrição – Enquanto José Carlos traduzia todo o espetáculo, outro profissional posicionado na parte superior do teatro, fazia a audiodescrição da "revolta". Com a ajuda de um microfone, o audiodescritor Ernani Ribeiro passava informações preciosas ao público com deficiência visual. Detalhes do próprio teatro, dos personagens, do figurino, além de movimentos , tudo sem prejudicar as falas dos atores. Quem solicitou a audiodescrição, recebeu fones de ouvido sem fio na entrada do teatro e pode ter acesso ao serviço. Segundo Ernani Ribeiro, o recurso é essencial para a compreensão total do espetáculo . "As informações passadas pelo audiodescritor trazem elementos importantes para o entendimento da trama, por isso ,a falta de acessibilidade nos teatros acaba afastando o público com deficiência", acrescenta. Segundo o diretor da Revolta , José Francisco Filho, a idéia é manter a acessibilidade em todos os espetáculos. "A inclusão social já é uma característica da nossa companhia . Queremos divulgar ainda mais o trabalho para que ele sirva de modelo para outros grupos teatrais", diz. O casal de surdos Kilma e Bruno chegou acompanhado da filha ouvinte. Atentos ao espetáculo e à tradução do intérprete José Carlos, eles acompanharam toda a peça . Após o espetáculo, com a ajuda da atriz Regina Carmem, deixaram o recado : "A idéia é incrível pois permite ao surdo vir ao teatro e ter a compreensão de tudo . Isso mostra o respeito à pessoa com deficiência", disseram. Assim como os demais atores, Regina, que dá vida à "menina má", está aprendendo a LIBRAS. "Fomos orientados por Ernani Ribeiro e José Carlos Santos , isso nos facilita a interação com o público e a compreensão do universo das pessoas com deficiência", afirma. Ainda segundo o diretor José Francisco Filho , a Revolta dos Brinquedos continua as apresentações nas Escolas , instituições e eventos , sempre com ao inclusão social. E o grupo já está em fase de ensaios para o espetáculo "O Pirata Tubarão e as Esmeraldas do índio Xavante", com estréia prevista para 2011. Agora é aguardar! Contatos com o grupo : 81 99121225 Fonte: Circus nas Artes

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma


Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma