CURSO DE AUDIODESCRIÇÃO EM CAMPINAS

Estão abertas as inscrições para o curso de Formação de Audiodescritores– Recurso de acessibilidade para teatro, cinema e televisão, oferecido pelo- Canal 8, com a professora Bell Machado.

Custo: R$ 150,00 por mês.
Duração: 3 meses.
Público Alvo: Pessoas que atuem na área da cultura, educação, comunicação, cinema, artes cênicas e visuais.
Carga horária: 40 horas divididas em aulas presenciais (8 encontros) e não presenciais (ambiente virtual).
Horário: 5ªs feiras das 19h00 às 21h30.
Local: Canal 8.

A audiodescrição é um recurso de acessibilidade que permite a inclusão de pessoas com deficiência visual em cinema, televisão e espetáculos de um modo geral, além da acessibilidade aos produtos audiovisuais disponíveis na mídia da internet. Ela é feita pelo audiodescritor, no intervalo entre as falas, por meio da descrição oral dos conteúdos visuais. Essas informações podem ser sobre o cenário, paisagens, arquitetura da cidade, ruas, figurinos, expressões faciais, linguagem corporal, quantidade de pessoas nas cenas, movimentação de personagens, de câmeras e também as referências de mudança de tempo e espaço. A audiodescrição visa ajudar a pessoa com qualquer tipo ou grau de deficiência visual a ampliar seu entendimento da narrativa e melhor elaborar suas ideias ao assistir eventos, sejam culturais como cinema, espetáculos de teatro, dança, musicais, óperas, desfiles, exposições de arte, mostras de fotografia; turísticos, como passeios em cidades ou no campo, museus e zoológicos, esportivos, como jogos, competições; acadêmicos, como palestras, seminários, congressos, aulas; e sócio-culturais como, feiras culturais e de ciências. Desse modo, a pessoa com deficiência visual poderá, além de estimular seus sentidos e fazer com que seu conhecimento atinja outras esferas, frequentar, com liberdade e independência, os espaços com eventos audiovisuais e participar de modo igualitário das atividades culturais disponíveis em nossa sociedade, mas que infelizmente, até os dias de hoje, são restritas àqueles que enxergam. Conteúdo Programático Detalhado:

  • Conceito de Audiodescrição;
  • Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência;
  • O problema da falta de acesso das pessoas com deficiência visual aos bens culturais;
  • Leis e decretos, protestos e processos a respeito da audiodescrição;
  • A audiodescrição aplicada à área da educação; O professor inclusivo como promotor de possibilidades para a eliminação das barreiras atitudinais entre alunos e ações coletivas de audiodescrição dentro do espaço escolar;
  • A maneira pela qual são estabelecidas as relações estéticas e morais;
  • Estudo dos conceitos de percepção e formação de juízos sobre o belo para o deficiente visual;
  • Audiodescrição – O delírio poético das imagens traduzidas – Interpretar ou descrever? A questão da subjetividade, objetividade e liberdade;
  • O espaço que a poesia, intrínseca na imagem, ocupa no processo de audiodescrição;
  • Cinema para cegos: uma linguagem audiodescritiva, pretensiosamente objetiva ou racionalmente interpretada;
  • Os sentidos como fonte essencial na construção do conhecimento;
  • Texto de apoio: “Não há nada no intelecto que não esteja primeiramente nos sentidos” (Aristóteles) em: Machado, Isabel. "Leitura comentada da Carta sobre os cegos";
  • Formas de audiodescrição;
  • Formas de locução – utilização de tempos verbais e entonação de voz;
  • Preparação de roteiro para audiodescrição simultânea, ao vivo e pré-gravada;
  • O filme pronto e a audiodescrição como intervenção de fragmentação, no sentido de reconstrução de um roteiro no que se refere às descrições de cenas e sequências – O que dirá o roteirista original do filme após ouvir sua audiodescrição;
  • Atividades práticas: exercícios de audiodescrição simultânea e ao vivo com curtas-metragens;
  • Ensaios de gravação;
  • Elaboração de trabalhos individuais: roteirização e exibição de filmes audiodescritos pelos alunos no final do curso

Bell Machado é Bacharel em Filosofia pela Unicamp e professora de História do Cinema no MIS – Museu da Imagem e do Som de Campinas. Fez faculdade de Fonoaudiologia, na PUCC e estudou Agronomia na Universidade de Padova, Itália. Em 2000, na Unicamp, iniciou seus estudos sobre filósofos iluministas que investigaram as metáforas óticas e a construção do conhecimento por meio dos sentidos. Foi então convidada para fazer audiodescrição de filmes para pessoas com deficiência visual e organizar debates, assim como estudar com elas textos filosóficos referentes a essa temática. Coordena desde 2005 o projeto de inclusão social e digital do Ministério da Cultura: Ponto de Cultura – Cinema em Palavras, no Centro Cultural Braille. Em 2006 o Projeto "Cinema Para Cegos" foi agraciado com o Prêmio Cidadão RAC-CPFL . É professora do curso "Introdução à formação de audiodescritores", oferecido para professores da Rede Municipal de Ensino da Prefeitura de Campinas. Como audiodescritora, participou de importantes ciclos e mostras de cinema com acessibilidade, como a 1ª e 2ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul, em 2006 e 2007. É agente cultural do Projeto apoiado pela Petrobrás, Cinema BR em Movimento, no qual exibe filmes brasileiros com audiodescrição. É audiodescritora da ONG Vez da Voz. Fonte: CANAL 8

Mais sobre audiodescrição
A Universidade Estadual do Ceará (UECE) e a Universidade Aberta do Brasil (UAB) oferecem cursos
O Itaú Cultural promove em dezembro a segunda edição do "Entre Arte e Acesso", evento
Objetivos: o curso de audiodescrição Da Imagem Estática a Palavra Falada tem por objetivo fornecer


Mais sobre audiodescrição
A Universidade Estadual do Ceará (UECE) e a Universidade Aberta do Brasil (UAB) oferecem cursos
O Itaú Cultural promove em dezembro a segunda edição do "Entre Arte e Acesso", evento
Objetivos: o curso de audiodescrição Da Imagem Estática a Palavra Falada tem por objetivo fornecer