Pelo livre acesso ao projeto de lei do Ministério das Comunicações

Nota do Blog:

É muito importante as pessoas com deficiência também acompanharem as discussões a respeito do novo marco regulatório das telecomunicações no Brasil.

Nunca é demais lembrar que a legislação vigente nos garante recursos de acessibilidade como a audiodescrição, o closed caption e a interpretação em LIBRAS somente no sistema de televisão aberta, deixando de fora a televisão por assinatura. Além disso, conforme citado na manifestação que reproduzimos após esta nota, a regulação das produções cinematográficas sendo abarcada por esse novo marco regulatório, abre a possibilidade de incluirmos a acessibilidade também nesta área.

Não será fácil, os interesses de gigantescos grupos empresariais que dominam as telecomunicações no Brasil são enormes, por isso é muito importante não nos omitirmos nesta discussão.

Boletim Especial do Instituto Telecom – Nossa Opinião

Na sexta-feira, 21/01, a Momento Editorial divulgou na sua publicação semanal o que deve ser o documento base para discussão do novo marco regulatório das comunicações.

Bons Exemplos

Essa série de textos não vem apenas para apontar problemas. A luta do movimento das pessoas com deficiência e uma consciência social cada vez mais voltada para essa temática já tem produzido resultados importantes, e não tenho dúvidas em afirmar que esse é um caminho sem volta.

Morador de Braslândia é o primeiro cineasta cego do país

"O tempo é tão grande dentro de mim"… Essa é a primeira explanação do único cineasta cego do país João Júlio Antunes, ao relatar sua história para o Jornal O Grito. Aos 44 anos, Antunes que nasceu em Brasília, realiza um de seus maiores sonhos fazer um filme, "quando eu era pequeno me lembro da primeira cena de televisão que vi, foi uma parte da novela Irmãos Coragem (1970), a partir daí eu já sabia o que queria fazer da vida", relatou Antunes ao nos receber em sua casa na quadra 35 da Vila São José. Ele está morando em Brazlândia há um ano por conta de um tratamento de saúde.

Ciclo de Palestras Sobre Audiodescrição

Ciclo de Palestras sobre a Audiodescrição no Brasil Objetivos: – Conscientizar os Institutos, ONGs e Centros das Universidades públicas e privadas da cidade de Campinas, que trabalham com habilitação, reabilitação, educação e inclusão social e cultural de pessoas com deficiência visual, sobre a situação da Audiodescrição no Brasil. – Fazer um alerta da premência de uma ação conjunta para a viabilização do recurso da Audiodescrição nas televisões públicas e privadas no Brasil. – Discutir as leis e propor uma metodologia de ação. – Exibição de curta metragem com audiodescrição. – Esclarecer sobre a importância da autonomia intelectual e do empenho da pessoa cega no processo de uma ação coletiva. – Apresentar os projetos de acessibilidade de pessoas cegas e surdas e Cursos de Formação de Audiodescritores que estão em andamento em Campinas, coordenados por Bell Machado. – Apresentar os projetos já concretizados de parcerias com a Prefeitura Municipal de Campinas, bem como com empresas privadas.

São Paulo: uma cidade para todos

A maior cidade da América Latina está completando hoje seus 457 anos. Com cerca de seus 19 milhões de habitantes, sendo 1,2 milhões de pessoas com deficiência, a cidade de São Paulo é a mais populosa do Brasil. Pensando nisso a coordenadora de acessibilidade da avape, Associação para Valorização da Pessoa com Deficiência, Cristiane Ecker, faz algumas sugestões de atrações culturais cuja infraestrutura garante acessibilidade e tecnologia assistiva para pessoas com e sem deficiência. Mas fica a pergunta: a maior cidade da América Latina seria uma cidade para todos?

Rede Globo censura o termo audiodescrição?

Nota do Blog: Alguns dias atrás, militantes na luta pela implementação da audiodescrição na programação das emissoras de televisão protestaram indignadas contra matéria veiculada no jornal "Bom Dia Brasil", da Rede Glogo:

Nosso Lar: consegui!

Baseado na obra de Chico Xavier, o longa "Nosso Lar" chega às lojas e locadoras