Kika de Castro: agência de modelos com deficiência

Retomamos nossos posts e, nesse período de semana da moda carioca com três grandes eventos acontecendo, abriremos o ano falando sobre a Agência da Kika de Castro.

Temos acompanhado os desfiles (amamos as semanas de moda!!), as novas tendências, o artesanal que tem sido levado para as passarelas (vamos postar sobre), mas, ainda sentimos demais o fato de que a moda ainda não faça uso de uma linguagem abrangente, sem barreiras, acessível – pessoas cegas ainda não tem a audiodescrição nos desfiles e, na cobertura de sites, não há descrição de imagens nas fotos para que tenham acesso pleno às tendências da próxima estação.

O casting dos desfiles apresenta um padrão de beleza que não foca em momento algum a moda inclusiva e real – plus size, pessoas com deficiência ou qualquer outro padrão que não seja compatível com o que as passarelas ditam.

Assim Luciana Jordão, criadora do Blog Duas Moda e Arte, iniciou seu artigo com uma excelente entrevista da fotógrafa Kika de Castro.

Inclusão das pessoas com deficiência na moda, nos desfiles, e até na web (todas as fotos possuem descrição em texto), são os assuntos abordados nesta entrevista imperdível que recomendamos fortemente para nossos leitores.

A entrevista de Kika de Castro:

Fizemos uma entrevista com a fotógrafa Kika de Castro em dezembro e, decidimos postar justamente numa das semanas de moda mais importantes do país: Fashion Rio, Rio Fashion Business. Para que? Simplesmente para refletir sobre nossa realidade, sobre os conceitos de padrão de beleza pregados, sobre o direito que todos tem de se expressar através da linguagem da imagem – a MODA, que a semelhança de tudo na vida, deveria ser acessível.

Conheça a agência da Kica, focada na diversidade e na inserção de modelos com algum tipo de deficiência no mercado de trabalho. Em 2008, a fotógrafa firmou parceria com uma agência em Berlim, a Visable e, tem feito desfiles por todo o país.

Logotipo da Agência Kika de Castro

Descrição de Imagem -A logomarca da agência de modelos – em primeiro plano seu nome escrito do lado esquerdo : Kica de Castro. Em segundo plano, desenho em preto e branco de uma máquina fotográfica ao lado direito do nome, traços finos e, a letra “o” do sobrenome da fotógrafa é substituída pelo desenho da lente da máquina fotográfica.

Duas Moda e Arte: Kica por Kica:

Kika de Castro: Vamos lá: nasci no dia 11 de março de 1977. Agora em 2011 vou completar 34 anos. Sou de São Caetano do Sul, grande ABC de São Paulo. Sou graduada em comunicação social com ênfase em publicidade e propaganda e pós graduada em fotografia. Sou bem tranqüila, e não gosto de ver injustiça. Quando estou certa, luto pelo que acho justo. Não mando recado, falo o que penso e quando não gosto não sei disfarça. Quando estou no trabalho, me foco nos objetivos. Sou caseira e amo a minha família. Amo ficar em casa com eles e amigos. Sempre morei em São Paulo. No futuro quero ir para o interior, de São Paulo mesmo, para ter ar puro e tranqüilidade. Sair do caos na aposentadoria é um dos meus objetivos. Gostaria de viver até uns 100 anos para acompanhar toda uma evolução da humanidade que esta por vir. Só espero que o preconceito não demore muito para acabar. Essa com certeza vai ser a grande evolução da humanidade.

Duas Moda e Arte: Defina seu trabalho para nossos leitores…

Kika de Castro: Sou fotógrafa e tenho uma agência de modelos para pessoas com alguma deficiência. Em 2003 fazia fotos para resgate da auto estima, hoje estamos profissionalizando os agenciados para esse mercado.

Duas Moda e Arte: Beleza para as lentes de Kica de Castro é…

Kika de Castro: Ser o mais natural possível. Não gosto e nem uso photoshop nas fotos de meus modelos. Tenho o maior orgulho quando recebo um elogio falando da beleza das modelos, pois sei que estão sendo reconhecidas pela beleza real e não por um padrão que a sociedade impõe por computação gráfica. Um padrão que só existe virtualmente.

Modelo Maraísa Proença

Descrição de imagens: Modelo Maraísa Proença. Foto em preto e branco, a modelo morena está em pé, cabelos presos, brincos grandes em formato de argola, trajando vestido com decote que valoriza seu colo. Suas mãos seguram uma espécie de rede que fica em primeiro plano fazendo todo o cenário da foto. A mão direita abre parte da rede mostrando seu rosto. Maraísa é amputada.

Duas Moda e Arte: Como foi o processo até você iniciar a arte da fotografia focando PcD?

Kika de Castro: Durante alguns anos atuei como publicitária. Entre 1995 a 2000. No ano de 2ooo, após a minha formatura resolvi investir no que até então era apenas uma paixão, fotografias. Comecei fazendo registros sociais (casamentos, batizados, aniversários, books …) e corporativos. No ano de 2002 recebi o convite para ser chefe do setor de fotografias de um centro de reabilitação para pessoas com alguma deficiência física. Literalmente caí de pára-quedas. Os três primeiros meses foram os mais complicados, não tinha experiência e nem alguém para orientação. Aprendi ali no dia a dia, estudando termos científicos e perguntando ao corpo clinico e terapeutas. No inicio o foco eram só fotos com caráter cientifico, para prontuário medico e artigos científicos. Fotos de frente, costa e as duas laterais, ao lado uma placa com o número do prontuário. Os pacientes não gostavam, afinal além de remeter para fotos de “presidiários” era muito invasivo na privacidade, uma vez que as fotos eram na grande maioria apenas com peças intimas focando a deficiência. Para o corpo clinico esse registro é muito importante, mas não ajudava nada na auto-estima. No ano de 2003 resolvi resgatar essa auto-estima com fotos. Levei para o setor acessórios: bijuterias, espelho, maquiagem, pente, gel… transformei aquele setor em um estúdio fotográfico. O gelo foi quebrado e os pacientes ficavam mais soltos. Eles começaram e me procurar de forma particular para fazer book, no qual eu cobrava apenas o preço de custo. Motivados com o book, questionaram sobre oportunidades no mercado de trabalho como modelos. Incentivei a procurarem as agências de modelos. Para a minha surpresa, ou melhor, não foi nenhuma surpresa, todas as respostas eram negativas e desmotivadoras … “não temos nada para o seu perfil, creio que não existe mercado para pessoas com esse perfil”… Fiquei chocada com o preconceito. Comecei uma pesquisa e muitos resultados achei na Europa. Alemanha concurso de beleza, “A mais bela cadeirante”. Não é totalmente inclusivo, afinal cadê as demais patologias e o sexo oposto, mais já era um começo. Na França e Inglaterra, reality show, estilo BBB e No Limite, só com pessoas que tenham algum tipo de deficiência, bem mais inclusivo, mais ainda faltavam as pessoas sem deficiência para a interação. Motivada com esses resultados e a empolgação das meninas , em 2007 resolvi sair do centro de reabilitação e abri uma agência de modelos só para pessoas com alguma deficiência, considerada até hoje a única do Brasil. Desde então, começamos a ter mais oportunidades dentro desse mercado de trabalho, pessoas com deficiência sendo reconhecidas pela sua beleza e sensualidade e se é para falar de inclusão, que seja num todo. E a beleza faz parte da inclusão, não pode ficar de fora.

Carina Queiróz e Jane Freitas

Modelos na passarela: Carina Queiróz, de Salvador, paraplégica, 30 anos, recém casada, na agência de Kica desde 2009 e, Jane Freitas, de Goiânia, amputada, casada, jogadora de vôlei sentada e pela primeira vez subiu a passarela pela agência de Kica, que destacou seu belíssimo desempenho em postura e beleza.

Descrição de imagens: Na foto do desfile as duas modelos aparecem em primeiro plano, numa passarela. Do lado esquerdo da foto, em sua cadeira de rodas Carina, trajando vestido preto, cabelos loiros, longos e elegantemente presos com um arranjo vermelho, nos pés polainas rosas e sacarpins amarelos. As cores dos acessórios trazem alegria para o vestido preto básico. Ao seu lado, em pé, com a mão direita na cintura, a modelo Jane usa vestido tomara que caia azul, amplo, deixando sua prótese aparente, combinado com um colar vermelho. Nos pés, sapatilhas rasteiras na cor bege e meias coloridas (rosa no pé direito e verde na prótese) conferindo um look irreverente. Os cabelos loiros estão presos com arranjo vermelho.

Duas Moda e Arte: Hoje sua agência é a única no Brasil com esse foco. Como sua proposta tem sido recebida pelo mercado?

Kika de Castro: No começo o preconceito foi muito grande, mas hoje conseguimos provar com as fotos e profissionalismo que as modelos da agência não deixam a desejar para nenhuma das modelos ditas normais. E que existe beleza na diversidade. Tem uma frase do Dr. Ivo Pitanguy e acho que ela resume bem a nossa proposta: “ a beleza não sei definir, mas a reconheço quando vejo”.

Duas Moda e Arte: Como é o processo de seleção dos seus modelos? Quais os quesitos para compor seu casting?

Kika de Castro: Não são diferentes dos convencionais, de uma agência para pessoa sem deficiência. A pessoa com deficiência precisa estar qualificada para esse mercado: curso de postura, expressão corporal, etiqueta, auto maquiagem … Tenho esses profissionais que são parceiros da agência para qualificar. É obrigatório a pessoa ter o estudo de acordo com a idade. No mínimo a pessoa tem que chegar ao 2 grau. Estudar é fundamental para entrar na agência. Cuidados com a saúde e alimentação. A pessoa tem que ser vaidosa, ter uma atividade física, cuidar do corpo é muito importante. O esporte além de ajudar o físico ajuda o mental. Dentro da agência existem as classificações: modelo de passarela, modelo fotográfico, promotoras de evento … Dentro dessas classificações a pessoa precisa fazer o curso para entrar no mercado. Quando o candidato entra na agência, existem regras a serem cumpridas: beber com moderação, de preferência não fumar, se fumar ter um dentista para futuras clareações … Cortar o cabelo e tatuagem tem que ser avisado antes, para poder tirar as fotos de circulação antes de fazer esse processo. Isso é importante ressaltar, afinal se o cliente aprova o perfil por foto e mandei a mesma com uma determinada aparência física, não posso mandar para um teste o oposto do que foi aprovado por foto.

Caroline Marquies

Descrição de Imagens: na passarela com sua cadeira de rodas a modelo Caroline Marques, morena, pernas cruzadas, cabelos presos em coque elegante, brincos compridos, vestido todo branco, curto, com babados delicados e nos pés, sacarpins brancos. A modelo está sorrindo.

Duas Moda e Arte: O que considera como a maior dificuldade para inserção desses modelos no mercado de trabalho atual?

Kika de Castro: Ainda enfrentamos muito o preconceito. Existem no Brasil cerca de 30 milhões de pessoas com alguma deficiência e o mercado ainda não vê essas pessoas como consumidores.

Duas Moda e Arte: Você, como fotógrafa, consegue viver só do retorno financeiro da agência?

Kika de Castro: Infelizmente não. Faço muitos eventos sociais e corporativos, minha demanda são casamentos e corporativos, também os book de modelos sem deficiência.

Duas Moda e Arte: E um modelo com deficiência, consegue manter-se só como modelo no mercado atual?

Kika de Castro: Tenho pouquíssimos casos de modelos que vivem tão exclusivamente desse mercado. Por isso que incentivo a pessoa a ter outra profissão. Ainda tenho que trabalhar com modelos free lancer “um bico”, mas isso está mudando aos poucos. A questão da beleza e sensualidade da pessoa com deficiência não tinha sido explorada antes do surgimento da agência e, como de uma certa forma a agência é recente, os resultados não aparecem imediatamente. Mesmo com pouco tempo, temos resultados bem gratificantes, como alguns desfiles inclusivos (pessoas com e sem deficiência) na mesma passarela. Alguns desfiles de moda inclusiva, que são roupas adaptadas.

Duas Moda e Arte: Em trabalhos realizados, inserindo os modelos de seu casting, você percebe inclusão total e de fato? Há realmente igualdade nas oportunidades – cachê, visibilidade, exposição de nome do modelo e agência, acessibilidade nas instalações?

Kika de Castro: Faltam muitas coisas para conquistar nas questões de acessibilidade, buracos nas ruas, falta de rampas … As oportunidades ainda não são de igual para igual. A quantidade de modelos com deficiência na passarela não é na mesma proporção que modelos sem deficiência. A porcentagem é bem menor. Na maioria, temos nos desfiles inclusivos entre dois e um modelo com deficiência no meio de 30 sem deficiência. Mas isso está mudando. Algumas mídias não valorizam o modelo com deficiência e sim, a patologia. Muito comum ver: Foi realizado um desfile com pessoas com necessidades especiais … ou ainda … desfile de portadores de deficiência. Primeiro que essas terminologias não são corretas. O correto é usar o termo “Pessoas com deficiência” (PcD). Muito raro ver o nome desses modelos na mídia. Um exemplo: em um desfile recente, foi publicado o nome do artista e a patologia do modelo. O ator “X” na passarela com a menina cega. Achei isso um absurdo! Mesmo por que o evento teve a preocupação de chamar o modelo com deficiência à passarela pelo nome e tinha um telão onde constava o nome do mesmo por escrito. Achei isso um tremendo pouco caso e falta da valorização da pessoa com deficiência como profissional. Existem pessoas que organizam eventos valorizando o assistencialismo e não pelo profissionalismo. Pegam a pessoa com deficiência e colocam na passarela, isso é errado. A pessoa com deficiência quer igualdade e respeito, ser reconhecida pelo seu talento e para isso eles correm atrás das oportunidades. Isso eu cobro: objetividade, determinação e organização.

Duas Moda e Arte: Existe uma linha muito tênue entre inclusão de fato e ação de marketing para divulgação de uma marca ou, puro assistencialismo. É possível definir no decorrer de uma negociação se o trabalho contratado está realmente focando numa inclusão real e total? Qual é sua postura em relação a isso?

Kika de Castro: Não podemos negar que muitas das oportunidades surgem com campanhas sociais e de “responsabilidade social”. Nossa única preocupação é fazer uma campanha que não seja voltada para vulgaridade e que de fato valorize a pessoa com deficiência como ser humano e profissional.

Duas Moda e Arte: Fotografia e auto estima, qual a relação?

Kika de Castro: Mesmo que seja para um registro pessoal, a pessoa tem todo um cuidado, um contato maior com a sua vaidade, estar bem vestido, penteado e maquiado. Ter esses minutos de vaidade antes da foto, faz a pessoa de sentir bem, mais confiante e bonita. Após ver o resultado do registro fotográfico, a pessoa fica feliz. E a felicidade reflete na beleza. A melhor maquiagem que o ser humano pode ter é o sorriso, ele transforma o físico, emite um brilho no olhar que reflete na pele… isso aumenta a estima.

Duas Moda e Arte: Quais as técnicas e inspiração usadas num trabalho tão diferenciado e que faz você se destacar?

Kika de Castro: As técnicas fotográficas são as mesmas utilizadas por outros fotógrafos. Simplesmente retrato as pessoas como elas são. Nos books a maquiagem é a mais natural possível, procuro um figurino adequado para cada perfil e uso os aparelhos ortopédicos (muletas, cadeira de rodas, próteses, bengalas…) como acessórios de moda. Exploro ângulos e poses.

Paola Klokler

Modelo: Paola Klokler, MFC (má formação congênita). Nasceu sem um membro inferior (perna). É atleta de basquete em cadeira de rodas, dançarina do ventre e modelo fotográfico da Agência de Kika. Suas fotos fazem parte do Casting internacional, fruto da parceria com a agência de Berlim Visable

Paola Klokler

Descrição de imagens: Na primeira foto a modelo loira, pele clara e olhos claros está sentada, trajando vestido com estampa estilo tribal, predominando os tons de azul, laranja e cinza, pés descalços, com o cotovelo esquerdo apoiado em sua prótese, mão no rosto e mão esquerda também na prótese, projetando o corpo para frente. Na segunda foto a mesma modelo está sentada no chão, sobre a perna direita, trajando roupa azul royal característica de dança do ventre, a prótese que substitui a perna esquerda está a frente, dobrada, com a mão direita apoiada sobre ela.

Duas Moda e Arte: Que momento de sua trajetória você eternizaria (ou eternizou) em uma fotografia?

Kika de Castro: Na história da humanidade, a evolução é algo que existe de fato. Em todos os requisitos: tecnologia, medicina e claro a beleza. Estou eternizando justamente essa parte da história – a pessoa com deficiência sendo referência de beleza e sensualidade.

Duas Moda e Arte: Claro que antes de entrevistar uma pessoa especial, procuramos saber mais sobre ela… (rsrs) Pode apresentar a Malu para nossos leitores?

Kika de Castro: A Malu vai comigo para tudo que é canto, sempre estou com ela. Uma companheira fiel, digamos que minha filha mesmo (rs). Quando gostamos de alguma coisa, damos nome, eu pelo menos sou assim, dou nome para tudo que gosto. Sendo assim, a minha câmera fotográfica recebeu o nome de Malu (rs). Não deixo ninguém “nem respirar” perto dela, não vendo, não empresto … Só eu a uso. Nem adianta insistir!

Duas Moda e Arte: O céu é o limite? Qual é o céu da Kica? Onde ela quer chegar?

Kika de Castro: Quero a galáxia (rs). Um dos meus objetivos e conseguir a capa da Playboy. Ver uma das meninas sendo ali retratada, não necessariamente eu como fotógrafa. Se isso acontecer de fato a palavra inclusão vai ter o seu sentido mais amplo.

Duas Moda e Arte: Planos para o futuro, pode compartilhar conosco?

Kika de Castro: Estou com um projeto bem bacana com uma amiga de Goiânia, a Rafaela. Mais todos vão ter que esperar um pouquinho (rs).

Duas Moda e Arte: Algo que não perguntamos e que gostaria de falar?

Kika de Castro: Tive a oportunidade com essas perguntas de expor todos os meus pensamentos e objetivos. Grata pela oportunidade. E vamos que vamos!

Eu, Lu, Editora do Blog, amante de uma moda que comporta todo o exposto acima, fiquei extremamente feliz pela oportunidade de entrevistar a Kica. Esse já era um desejo desde esta matéria aqui. Suas respostas nos fazem acreditar numa sociedade mais humana, profunda, nos fazem ver a beleza como ela deve ser vista: sem paradigmas , preconceitos, formatos prévios ou padrões estabelecidos que tendem a nos tornar limitados, equivocados…

Quero encerrar a matéria com a frase mencionada por Kica do Dr. Ivo Pitanguy : “A beleza não sei definir, mas a reconheço quando vejo” . Veja o belo com as bases da inclusão – além dos olhos, com o compartilhar permitido pela descrição de imagens atentando para detalhes, com o coração voltado para entender outras realidades, com os ouvidos, com os aromas. Vamos exercitar mais nossos sentidos! Sair do superficialidade que os padrões ditados nos condicionam… E se isso ainda for pouco (o que não acredito) vamos cumprir leis, tornando a sociedade mais justa, inclusiva, acessível e melhor para se viver.

Kica, obrigada por compartilhar conosco e tenha o Duas Moda e Arte como parceiro na divulgação da Moda Inclusiva.

Contatos:

Kica de Castro
Site:http://kicadecastro.blogspot.com/
E-mail: kicadecastro@gmail.com
Telefone: + 55 11 8131-0154

por Lu Jordão

Fonte: Duas Moda e Arte

Mais sobre audiodescrição
Carla Diacov nasceu em São Bernardo do Campo, SP, Brasil, 1975. Formada em Teatro. Estreia
A audiodescrição está entre as melhores formas de inclusão da pessoa com deficiência visual. Além
Quando receberam o convite do festival Palco Giratório, do Sesc, e da audiodescritora Andreza Nóbrega


Mais sobre audiodescrição
Carla Diacov nasceu em São Bernardo do Campo, SP, Brasil, 1975. Formada em Teatro. Estreia
A audiodescrição está entre as melhores formas de inclusão da pessoa com deficiência visual. Além
Quando receberam o convite do festival Palco Giratório, do Sesc, e da audiodescritora Andreza Nóbrega