Lívia Motta apresenta seu site/blog sobre audiodescrição

Bem vindos ao BLOG VER COM PALAVRAS!!! Sou Lívia Motta, mineira que gosta de doce muito doce, filha de pai poeta e, como ele, apaixonada pelas palavras. E não é que agora eu vejo com palavras!!!! Audiodescrever é ver com palavras.

Desenho com caneta preta do rosto de  Lívia sorridente, cabelo chanel curto, brincos e colar, blusa com babados em torno do pescoço.

O envolvimento e porque não dizer a paixão pela audiodescrição começou em 2005, ajudando a amiga Jucilene em um trabalho para a faculdade e, um pouco mais tarde, preparando um projeto de acessibilidade cultural para o Instituto Vivo, com a sobrinha Isabela. A identificação com a atividade foi imediata. Pesquisei, estudei, busquei mais e mais informações e, finalmente, comecei a preparar filmes com audiodescrição.

A princípio para alguns amigos cegos que iam assistí-los em casa: Roger, Jucilene, Roseli. Depois, comecei a exibir alguns filmes em instituições. No CADEVI, apresentei um filme com audiodescrição, pela primeira vez, para os amigos Paulo Romeu, Laércio Santana e Lothar Bazzanella, que eu costumo chamar de "tropa de choque" da audiodescrição.

Na LARAMARA, onde trabalhei como voluntária por muitos anos, ensinando inglês, foram muitos os filmes exibidos com audiodescrição de lá para cá. Fazer roteiros, apresentar e escutar as impressões sobre o uso do recurso, tudo isso tem sido determinante para expandir e aprofundar teoria e prática.

O aprendido até aqui tem sido compartilhado em cursos. O primeiro curso de audiodescrição na Vivo, coordenado pelo Eduardo Valente que, tanto quanto eu, era entusiasmado pelo recurso, preparou audiodescritores que continuam até hoje no Teatro Vivo, formando junto com aqueles que participaram de outros cursos, um time engajado e preocupado em fazer sempre o melhor. A Vivo com seu Programa Cultural Vivo Encena, certamente, muito tem contribuído para a divulgação no recurso no Brasil. Desde a apresentação do Santo e a Porca de Ariano Sussuana, em 2006, até aqui, muitas foram as peças, filmes, documentários e óperas apresentados nos mais diversos cantos do Brasil e muitas foram as pessoas com deficiência visual que puderam alargar seus horizontes culturais assistindo aos espetáculos.

Quanto mais espetáculos assisto, visitas a museus faço, em sites navego, jornais e revistas leio, mais penso sobre a falta que o acesso ao mundo das imagens faz, sobre o quanto a leitura das imagens estáticas ou dinâmicas pode contribuir para ampliar o entendimento sobre o assistido, visitado ou lido. São inúmeras as possibilidades de aplicação e as oportunidades de aprendizagem que a audiodescrição pode trazer, enriquecendo a vida cultural, alargando horizontes e abrindo janelas.

Foi pensando em todas estas questões de acessibilidade cultural e comunicacional, da aplicabilidade da audiodescrição, que resolvi, com o empurrão do amigo Paulo Romeu, inicialmente, começar um blog. Parecia tão simples… E aí foram surgindo tantas outras coisas, tantas novidades e necessidades: o registro do domínio, a idealização e identidade do site, o conteúdo a ser organizado, o conhecimento de outras ferramentas como: twitter, facebook, YOUTUBE. E o simples blog foi ficando tão demorado e complicado… E os meses passando… Enfim chegou o tão aguardado momento. Está pronto o site!!! O blog em eterna construção…. Que este possa ser, portanto, lugar para discutir e comentar as diversas aplicações da audiodescrição, postar notícias, divulgar eventos. Mostrar como é ver com palavras. Que este espaço possa colaborar para a consolidação da audiodescrição como recurso de inclusão cultural, escolar e social!!! E que possa ser também um canto para registrar minhas tentativas de ser poeta, deixar a imaginação voar, correr solta.

Ser audiodescritor é poder brincar com as palavras, Ordená-las, trocá-las, combiná-las E escolher aquelas que melhor expressem isso ou aquilo,
Que caibam aqui e acolá
E não é que isso vira mania,
Brota que nem flor no jardim
Audiodescrição e poesia,
Será que alguma rima posso encontrar?

Fonte: Blog Ver Com palavras

Mais sobre audiodescrição
Era o último dia da Campus Party. Cega, Sarah Marques foi convidada por um grupo
A estudante do curso de Comunicação Social - habilitação em Jornalismo da Universidade de Santa
Preconceito, falta de informação, desinteresse, desconhecimento, descaso e abandono. Neste sábado, 21, quando celebramos o


Mais sobre audiodescrição
Era o último dia da Campus Party. Cega, Sarah Marques foi convidada por um grupo
A estudante do curso de Comunicação Social - habilitação em Jornalismo da Universidade de Santa
Preconceito, falta de informação, desinteresse, desconhecimento, descaso e abandono. Neste sábado, 21, quando celebramos o