Museus de SP apresentam projetos de acessibilidade

SÃO PAULO – Os projetos de ação educativa inclusiva de dois museus da Secretaria da Cultura podem ser vistos na mostra de reinauguração do Memorial da Inclusão em São Paulo, a partir desta quinta-feira, 24. Na exposição, estão sendo apresentadas as alternativas do Museu Casa de Portinari, de Brodowski, e da Pinacoteca do Estado de São Paulo, na capital, para tornar seu acervo acessível aos visitantes com deficiências físicas, sensoriais ou intelectuais.

Foto do governador e a secretária, Dra Linamara

Para o secretário da Cultura, Andrea Matarazzo, as ações de acessibilidade das instituições do Estado facilitam a compreensão dos ambientes e das obras, tornando o museu um espaço para todos. "Além de facilitar o acesso a pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, o museu precisa dar a eles a oportunidade de conhecer o acervo de maneira irrestrita", diz ele.

O Museu Casa de Portinari exibe duas maquetes táteis – uma com a arquitetura do imóvel, que permite ao deficiente visual conhecer a disposição espacial do museu, e outra da Capela da Nonna, com o relevo de santos pintados por Portinari para sua avó. Também apresenta o DVD portátil para surdos com visita guiada em Libras (Língua Brasileira de Sinais), que dá autonomia ao deficiente auditivo durante sua visita.

"Felizmente, muitas pessoas e instituições já estão trabalhando pela inclusão, abrindo e consolidando caminhos, provando que é possível, e o Museu Casa de Portinari sente-se honrado em fazer parte desse grupo", afirma a museóloga Angelica Fabbri, diretora do local.

Entre os materiais acessíveis do Programa Educativo para Públicos Especiais da Pinacoteca do Estado de São Paulo, foram selecionadas duas reproduções em relevo, uma pintura de Tomie Ohtake e outra de Arthur Timótheo da Costa, elaboradas em resina branca e borracha texturizada em alto contraste, além de um jogo articulado imantado com a reprodução da pintura de Tomie Ohtake, com o objetivo de aguçar a percepção dos deficientes visuais por meio da construção e desconstrução da obra.

"A nova museologia exige que o museu seja acessível a todos. O museu que pensa seu público tem de estar apto para dialogar seu acervo com todos os tipos de pessoas, inclusive as que possuem necessidades especiais", explica a museóloga Amanda Tojal, coordenadora do Programa Educativo para Públicos Especiais da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

A exposição fica em cartaz até o dia 24 de março. O Memorial da Inclusão está localizado na sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (av. Auro Soares de Moura Andrade, 564, portão 10 – Barra Funda). O horário de visitação, de segunda a sexta-feira, é das 12h às 18h.

Memorial da Inclusão

O Memorial da Inclusão resgata personagens, lutas e conquistas pelos direitos da pessoa com deficiência. Seu acervo principal, localizado na sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, na Barra Funda, foi inaugurado no dia 3 de dezembro de 2009 e reúne fotografias, documentos, manuscritos, áudios, vídeos e referências aos principais personagens, às lutas e às várias iniciativas que viabilizam conquistas e melhores oportunidades às pessoas com deficiência. O espaço cultural aborda cada uma das quatro deficiências – auditiva, visual, intelectual e física – e também mostra a unificação das lutas, conquistas e direitos adquiridos da pessoa com deficiência em geral.

Serviço:

Acessibilidade em museus: A experiência do Museu Casa de Portinari e da Pinacoteca do Estado
Período:
24/2 a 24/3/2011
Local: Memorial da Inclusão (av. Auro Soares de Moura Andrade, 564, portão 10 – Barra Funda)
Horário: de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h
Entrada: gratuita
Informações: (11) 5212-3700

Fonte: O Repórter

Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –


Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –