Apesar das dificuldades, entidade quer manter audiodescrição para seus associados

Na semana passada, ventilou-se a informação do possível fechamento da Associação dos Deficientes Visuais de Brusque (ADVB). No entanto, segundo o coordenador da entidade, Sidnei Pavesi, a informação repassada à imprensa foi equivocada e partiu de dentro da própria diretoria após reunião onde se colocou os problemas financeiros enfrentados pela Associação.   Num primeiro momento, o que poderá ocorrer é a mudança de local devido ao alto custo no aluguel e condomínio do imóvel. Os custos, de acordo com Sidnei Pavesi, chegam a quase R$ 700/mensais. A prefeitura ofereceu algumas alternativas para a instalação da sede. Entretanto, nenhum dos locais apresentou as condições necessárias para acomodar as ações desenvolvidas, bem como, apresentam difícil acesso aos portadores de deficiência visual. A solução seria um espaço na região central, que possibilitaria fácil locomoção até o Terminal Urbano de ônibus. O coordenador afirma que, apesar das dificuldades enfrentadas, as atividades continuam. Dentro da sede, os associados tem a disposição xadrez e computador adaptados, descontos em serviços de massagem e fisioterapia (oferecidos pelo fisioterapeuta Dr. Sidnei Pavesi), além de uma série de atividades. Entre elas, a exibição de filmes com audiodescrição. Pavesi explica que, durante a sessão, um narrador relata o que ocorre na telona e orienta o deficiente visual. A ideia é possibilitar a exibição de um destes filmes no cinema em Brusque para que as pessoas possam acompanhar este trabalho, destinado ainda há poucas entidades do Brasil através de projetos da Petrobras e Governo Federal. Sidnei Pavesi agradece a comunidade que auxilia na manutenção da ADVB e lembra que ainda neste primeiro semestre será realizado o Troco Solidário da Associação. Quem puder ajudar pode entrar em contato através do telefone (47) 3355-6194 no período da tarde ou ainda pelo seu celular (47) 9993-2914. Hoje, a ADVB está localizada na Rua Adriano Schaefer, no edifício Erico Habztreuter, sala 300. Fonte: Rádio Araguaia

Mais sobre audiodescrição
Cerca de 60 pessoas acompanharam a exibição do filme ‘Colegas’ na tarde de quarta-feira (7),
Meu nome é Estefany, moro em Belém, tenho 10 anos, sou cega e adorei ir
O portal Mundo Cegal e a Organização Nacional de Cegos do Brasil - ONCB, convidam


Mais sobre audiodescrição
Cerca de 60 pessoas acompanharam a exibição do filme ‘Colegas’ na tarde de quarta-feira (7),
Meu nome é Estefany, moro em Belém, tenho 10 anos, sou cega e adorei ir
O portal Mundo Cegal e a Organização Nacional de Cegos do Brasil - ONCB, convidam