Livro infantil de audiodescrição trata de diferenças e inclusão

Compreender as diferenças e viver com elas. Essa visão especial levou a escritora Monica Picavêa a escrever o livro Simplesmente Diferente, considerado o primeiro de audiodescrição destinado ao público infantil com deficiência visual. A ideia surgiu da convivência com as pessoas com deficiência e também para que as filhas gêmeas, hoje com 2 anos, encarassem essa relação como algo natural. De acordo com a autora, "é o livro de uma pessoa que não tem ninguém na família com deficiência, para crianças que não têm deficiência, mas também para as que têm, enfim, para criar um mundo onde a inclusão seja uma coisa natural". Mônica disse que a publicação, que vem acompanhada de um CD, não deve ser confundida com o audiolivro, em que uma pessoa lê a história para outros. Na audiodescrição, todas as imagens são descritas de forma a serem compreendidas pelas crianças com deficiência visual. É descrito aquilo que compreendemos visualmente e que não está contido nos diálogos, como expressões faciais e corporais. "As ilustrações do livro, de Hugo Serra, estavam ficando tão bonitas que era necessário ir um pouco além". A ideia de audiodescrição é da especialista Lívia Maria Villela de Mello Motta. "A gente estava fazendo um livro sobre inclusão, onde a criança com deficiência visual poderia saber a história, mas não poderia ver, foi quando a professora Lívia sugeriu a audiodescrição. Ela disse que não tinha conhecimento de nenhum livro infantil com audiodescrição. Esse é o primeiro". Simplesmente diferente é uma coletânea de sete historinhas rimadas, inspiradas em pessoas reais e ensinam a enxergar a diversidade com mais naturalidade. O livro é editado pela J.J Carol e pela Fundação Stickel. No Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem aproximadamente 16,5 milhões de pessoas com deficiência visual total e parcial. A atriz Roseli Behaker Garcia inspirou uma das histórias de Simplesmente Diferente: Que nem Pipoca!, onde tia Rô não pode enxergar e mesmo assim vive no palco a atuar. "A Mônica quis dizer para as crianças que é possível trabalhar em grupo e que cada um, com sua diferença, pode ter uma função no grupo que está. Ela faz uma analogia da pipoca, que é milho e tem que conviver com a transformação." Roseli diz que a ideia da escritora de fazer histórias com pessoas do cotidiano, que têm uma deficiência, é uma grande iniciativa. "O fato dela ter lembrado de mim em uma das histórias me deixou muito feliz". Mônica explicou que o motivo do livro, a inclusão, tem funcionado com suas filhas. "Para elas é natural, tanto a cadeira de roda, quanto as pessoas com deficiência visual ou qualquer outro tipo". Fonte: Agência Brasil

Mais sobre audiodescrição
No livro Audiodescrição na Escola: Abrindo Caminhos para Leitura de Mundo, Lívia nos conduz pelo
O livro Audiodescrição: Práticas e Reflexões nasce do desejo e da necessidade de observarmos o
O cinema, essa máquina de produzir imagens e fomentar a imaginação, é um ambiente que


Mais sobre audiodescrição
No livro Audiodescrição na Escola: Abrindo Caminhos para Leitura de Mundo, Lívia nos conduz pelo
O livro Audiodescrição: Práticas e Reflexões nasce do desejo e da necessidade de observarmos o
O cinema, essa máquina de produzir imagens e fomentar a imaginação, é um ambiente que