Audiodescrição em jornais?

Estava com 17 anos e me preparava para prestar vestibular, ainda enxergava naquela época. Foi assim que adquiri o gosto e o hábito pela leitura diária dos jornais porque as provas de todas as universidades continham perguntas sobre temas da atualidade.

Depois que perdi a visão, o gosto permaneceu, mas o hábito foi reprimido pela falta de acessibilidade, uma vez que na década de 1980 ainda não existiam a Internet, nem os softwares leitores de telas (programas usados por pessoas cegas para auxiliar no uso do computador), nem as versões online dos jornais.

Passaram-se vários anos até que estes problemas fossem resolvidos e eu pudesse retomar o antigo hábito.

As versões digitais de alguns jornais, como a Folha de São Paulo, são bastante acessíveis, nos permitindo acessar com facilidade os textos dos editoriais, os artigos dos colunistas, suplementos e demmais notícias.

Mas, hoje, li um artigo que Lívia Motta publicou em seu blog intitulado – A Tristeza do Japão – (não deixe de acessar), que me fez lembrar do quanto me divertia, as vezes, como neste caso da charge sobre a tragédia ocorrida no Japão, ficava soturno com as charges publicadas nos jornais. Me dei conta de que, além da necessidade de seguir as recomendações de acessibilidade digital para os textos, as versões online dos jornais também poderiam conter uma pequena descrição das charges, fotos e demais elementos gráficos para que se tornem 100% acessíveis para os leitores com deficiência.

Não me refiro àquelas descrições em “linha fina” que informam apenas o nome do fotógrafo, ou o nome da personalidade na foto. Falo de descrições bastante sucintas, mas que permitissem a pessoas com deficiência visual ter conhecimento do que existe naquelas imagens. Estas descrições poderiam estar presentes nas versões online dos jornais, e ainda poderiam ser publicadas de forma que fossem percebidas somente pelos leitores cegos, visto que podem ser desnecessárias para os leitores que enxergam.

No artigo citado, Lívia Motta exemplifica como isso poderia ser feito. "Passe o mouse sobre a charge abaixo para entender como funciona".

Audiodescrição em jornais: a charge de Jean mostra a bandeira do Japão: círculo vermelho em fundo branco, e sobre o círculo, do lado direito, uma lágrima.

Charge de Jean, publicada na Folha de São Paulo de 13/03/11

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série


Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série