Deputada Rosinha defende acessibilidade no lançamento da Frente Parlamentar Pelo Direito À Comunicação

Foi lançado nesta terça-feira (19) pela Câmara dos Deputados e Sociedade Civil (FRENTECOM) no Auditório Nereu Ramos em Brasília, a Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e pelo Direito à Comunicação. A deputada Luiza Erundina foi eleita por unanimidade como Coordenadora do movimento, que já reúne mais de 70 entidades civis. O evento que durou das 14h ás 17h, contou com a presença da Abraço, representantes de organizações, e deputados que fazem parte da Frente. Em questão, estavam o Marco Regulatório da Mídia e a Democratização da Comunicação.

Ao dar início à sessão, Luiza Erundina afirmou que a Frente é um passo amplo para o diálogo permanente sobre os temas de comunicação social no Brasil. "O marco atual está defasado e é preciso fazer um mutirão democrático sobre um tema tão importante que é a comunicação", disse a deputada. Em seguida, o jornalista e membro do comitê central do PC do B, Altamiro Borges, leu o manifesto da Frente Parlamentar. A mesa, composta também pela Secretária Nacional de Comunicação da CUT, Rosani Bertoti, deu sequência ás considerações de Deputados e representantes civis.

O Deputado Paulo Teixeira, líder da bancada do PT, foi o primeiro a declarar sobre o tema. "A Constituição diz para preservarmos o direito a comunicação e livre expressão, e esse direito é fruto da luta do povo contra a ditadura", manifestou o parlamenta que ressaltou ainda, a importância dos Blogs como meio alternativo de liberdade de expressão. Ivan Valente do PSOL-SP, lembrou que a Frente é composta principalmente da sociedade civil organizada e que o plano nacional de Banda Larga é um direito de comunicação, e não empresarial. "Queremos universalizar e não massificar", completou o deputado.

>Os parlamentares frisaram também a importância da pressão popular para que se concretize o Marco Regulatório das Mídias. Para o Emiliano José (PT-BA), não se pode existir uma mídia partidária nas mãos de poucas famílias para distorcer a realidade. Fátima Bezerra (PT-RN), Jandira Feghali (PC do B-RJ) e João Arruda (PMDB), criticaram a censura que a grande mídia impõe na sociedade.

>Já a Deputada Rosinha Adefal (PT do B-AL) falou sobre a importância do acesso à comunicação para deficientes auditivos e visuais, devendo existir instrumentos de audiodescrição e legendas em tempo real.

O Coordenador Executivo da Abraço, José Luiz Sóter cumprimentou todos os radialistas e disse que este é um fato inédito em uma casa parlamentar. "Nós somos o exemplo e o fruto na luta pela democratização. Estamos participando ativamente da regulamentação da liberdade de expressão", disse o Coordenador. Sóter falou ainda sobre o Plano Nacional de Outorgas para as rádios comunitárias, e que a Frente precisa ser protagonista do marco regulatório para se fazer "a revolução das muitas vozes".

>Ainda falaram sobre o tema, representantes das entidades: FITERT (Federação Internacional dos Radialistas), SINRAD (Sindicato dos Radialistas no DF), FITERT ( Federação Interestadual dos Trabalhadores em Empresa de Radiodifusão e Televisão) e ENECOS Nacional (Executiva dos Estudantes de Comunicação Social).

Ao fim da reunião, a Coordenadora eleita Luiza Erundina agradeceu a todos, e os integrantes da Frente seguiram para reunião interna. Os componentes vão se encontrar nesta quarta-feira (20) com o Ministro das Comunicações Paulo Bernardo para falar sobre o novo marco regulatório do setor.

Bruno Caetano

Da Redação

Fonte: Agência Abraço

Mais sobre audiodescrição
Sob a coordenação da Secretaria de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial,
A 21ª Semana da Pessoa com Deficiência do Estado do Rio Grande do Sul abordou
O Intervozes foi à Argentina para entender o que mudou por lá com a lei


Mais sobre audiodescrição
Sob a coordenação da Secretaria de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial,
A 21ª Semana da Pessoa com Deficiência do Estado do Rio Grande do Sul abordou
O Intervozes foi à Argentina para entender o que mudou por lá com a lei