8ª Cinedocumenta incluiu filmes com audiodescrição

IPATINGA – A 8ª "Cinedocumenta", promovida com o patrocínio da Usiminas, ganha sequência no final de semana com uma extensa programação, que será desenvolvida simultaneamente em Ipatinga, Timóteo, Coronel Fabriciano e Santana do Paraíso.

A mostra de cinema, aberta na última segunda-feira sob o tema "Viva o Povo Brasileiro", vem atraindo grande e diversificado público. Pessoas de todas as idades, sexo, nível de escolaridade, profissionais das áreas mais variadas têm prestigiado a Cinedocumenta. Esse pluralismo tem tudo a ver com o título da mostra, que, como explica João Ubaldo Ribeiro, autor do livro homônimo, convida as pessoas a viverem o nosso povo, resultado de miscigenação.

A mostra foi aberta no início da semana com a exibição de uma entrevista de João Ubaldo, gravada em sua casa por Éderson Caldas e pelo cineasta Joel Pizzini, um dos oficineiros da Mostra. No vídeo, Ubaldo fala sobre o seu livro "Viva o Povo Brasileiro", e diz que a realidade é mais absurda que a ficção.

Sávio Tarso, curador da mostra, destaca que a Cinedocumenta, em sua 8ª edição, valorizou a diversidade de linguagens. "Nosso propósito é de formar público", disse.

CINEMA EFICIENTE

A Cinedocumenta integrou o Seminário de Inclusão da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da escola Altina Olívia Gonçalves, que aconteceu nesta semana no educandário, voltado a pessoas com deficiência.

Os alunos assistiram ao filme "Paratodos", um debate sobre a condição dos deficientes sob o ponto de vista de atletas paraolímpicos. Cerca de 150 alunos prestigiaram a sessão. Na quarta-feira, foram exibidos os filmes "Passeio pelo Invisível: encontros com a fotografia" e "Ver Além", que foi comentado por seus diretores, os designers gráficos Fabiana Temponi e Abrahão Lincoln, ambos de Governador Valadares.

"Ver Além" foi produzido com audiodescrição, para auxiliar a compreensão das pessoas com necessidades especiais visuais. Depoimentos como o da mãe que sente falta de ver o rosto dos filhos, de contemplar os girassóis, emocionaram o público.

A fim de reproduzir a sensação de quem tem problemas visuais, os produtores de "Ver Além" usaram filtros. Entre a transição de imagens de um e outro entrevistado, as cenas são desfocadas, outras vezes distorcidas ou escurecidas. "Tudo de acordo com a doença que levou a pessoa a perder a visão", detalha Fabiana. Segundo conta, a ideia do filme surgiu durante um congresso de Design Sensorial.

Satisfeita com o sucesso de "Ver Além", os diretores vêm enviando o filme para ser exibido em uma série de festivais. "Nosso filme está em Madri e Portugal", noticia Fabiana, que teve o trabalho prestigiado no Altina por toda a família, inclusive por parentes de Ipatinga. "Temos uma história com esta cidade. É daqui que saiu um de nossos professores, o cartunista João Marcos, o pai do Mendelévio, e um grande motivador nosso", completa Fabiana.

Mais sobre audiodescrição
Assistir as produções cinematográficas está cada vez mais ao alcance das mãos. Eu mesmo tenho
O Cine às Escuras: Mostra Erótica de Cinema Acessível realiza sua segunda edição nos dias
Um festival que pretende devolver aos mágicos as “luzes da ribalta”, promovendo um encontro entre


Mais sobre audiodescrição
Assistir as produções cinematográficas está cada vez mais ao alcance das mãos. Eu mesmo tenho
O Cine às Escuras: Mostra Erótica de Cinema Acessível realiza sua segunda edição nos dias
Um festival que pretende devolver aos mágicos as “luzes da ribalta”, promovendo um encontro entre