Gulbenkian viabiliza projeto de descrição de imagens para cegos

Imagine que está de olhos vendados e uma voz lhe descreve, pincelada por pincelada, um quadro emblemático, com o objectivo de lhe permitir ter as mesmas sensações que teria se estivesse a ver a pintura. Uma experiência que pode ser alargada a peças de teatro, filmes ou programas de televisão. A ideia é transformar as imagens em sons que se sentem no ouvido. É este o objectivo do projecto Ouço, logo vejo – uma iniciativa da Companhia Nacional de Actores que trabalha com audiodescrição para pessoas com deficiência visual e tem o apoio da Bolsa de Valores Sociais e do Museu gulbenkian.

E foi no Museu Calouste Gulbenkian que Rui Vilar, presidente da Fundação, se deixou guiar pela audiodescrição no quadro que escolheu: La Table Garnie, de Henri Fantin Latour. "Eu beneficio do facto de conhecer muito bem o quadro mas foi uma descrição muito rigorosa, de uma forma que qualquer pessoa podia segui-la", considerou o presidente da Fundação, após a experiência de audiodescrição.

Já Anaísa Raquel, audiodescritora, explica que o projecto foi criado em Janeiro de 2010 e entrou na Bolsa de Valores Sociais (BVS) em Março. A equipa é constituída por nove pessoas, sendo que duas são cegas ou com visibilidade reduzida e fazem, no fundo, o "controlo de qualidade dos textos".

A Gulbenkian, aliás, vai comprar as acções que sobram deste projecto na Bolsa de Valores Sociais. "A Fundação vai subscrever as mais de 15 mil acções que estão ainda em bolsa, para que o projecto Ouço, logo vejo possa voar", anunciou o responsável.

Questionado sobre se o Museu Gulbenkian iria adoptar este projecto, Rui Vilar disse apenas que essa questão "ainda terá de ser avaliada". O investimento rondará os 15 mil euros. Rui Vilar refere, contudo, a importância das boas práticas de gestão para o projecto manter o sucesso. "É preciso lembrar a importância das competências e esse é o maior desafio. Investir nas competências necessárias e utilizá-las para melhorar a eficácia".

Com a saída deste projecto da BVS entrará um novo, que está já em lista de espera. A Bolsa de Valores Sociais conta com "24 projectos ‘cotados’ em permanência e quando um é totalmente subscrito entra outro", explica Luísa Villar. A recém-eleita vice-presidente da entidade não disfarçava a satisfação com o anúncio do presidente da Gulbenkian. "Este é o primeiro projecto que apresento e sai logo o bingo! É muito importante para nós esta subscrição". A BVS funciona como uma réplica de uma bolsa de valores mas tendo em vista organizações sociais. Os projectos são apresentados a "investidores" que podem comprar acções, ou seja, fazer um donativo para o projecto. E, através da BVS, o investidor terá o acompanhamento do uso dos recursos financeiros doados.

Até ao momento a BVS já garantiu o financiamento a 100% de três projectos: o "Oiço, logo vejo", o projecto "Cozinhar o Futuro", direccionado para mães adolescentes e a Unidade Móvel de Apoio, com a assinatura da fundação Gil, para crianças com doenças crónicas. Estes dois projectos angariaram um financiamento de 215 mil euros.

Cátia Simões

Fonte: Jornal Econômico-SAPO.PT

Mais sobre audiodescrição
Norma americana, divulgada pela Divisão de Direitos Civis do Departamento de Justiça dos EUA exige
Existem na Espanha mais de dois milhões de pessoas com deficiência auditiva ou deficiência visual
Nós, os participantes do foro regional América Acessível: Informação e Comunicação para Todos, realizado em


Mais sobre audiodescrição
Norma americana, divulgada pela Divisão de Direitos Civis do Departamento de Justiça dos EUA exige
Existem na Espanha mais de dois milhões de pessoas com deficiência auditiva ou deficiência visual
Nós, os participantes do foro regional América Acessível: Informação e Comunicação para Todos, realizado em