Linguagem, a mais humana das invenções

A linguagem, a mais humana das invenções ou de como os cegos podem nos ajudar a ver

Marta Gil (*)

Dizemos frequentemente que a inclusão é uma via de mão dupla. Dizemos, também, que aprendemos muito ao interagir com pessoas com deficiência.

Porém, nem sempre essa situação de troca e de aprendizado fica clara, nem sempre o “sinal invertido” aparece explicitamente.

As frases finais do livro "O olhar da mente", de Oliver Sacks[1], me trouxeram duas reflexões: uma sobre a importância da audiodescrição e outra sobre esse tal “sinal invertido”, ou seja, os ganhos que nós, pessoas sem deficiência, temos ao viver situações inclusivas.

O livro foi escrito em 2010 e a AD (audiodescrição) começou a ser utilizada nos Estados Unidos em meados da década de 80. Não há como saber se o Dr. Sacks a conhece, pois não a menciona no livro.

Mas leiam o que ele escreveu, a partir do depoimento de uma senhora, Arlene Gordon, assistente social, que perdeu completamente a visão:

Depois de ficar cega na casa dos quarenta, Arlene Gordon descobriu que a linguagem e a descrição eram cada vez mais importantes, pois estimulavam sua capacidade de lidar com imagens mentais mais do que antes e, em certo sentido, permitiam-lhe ver. "Adoro viajar", ela me disse. "Eu vi Veneza quando estive lá". Ela explicou que seus companheiros de viagem descreviam os lugares, e ela então construía uma imagem mental baseada nos detalhes que eles lhes forneciam, em suas leituras e em suas próprias memórias visuais. "Pessoas que vêem têm prazer em viajar comigo", ela comentou. "Faço perguntas, e elas então olham e vêem coisas que, se não fosse por mim, passariam despercebidas. É tão comum pessoas que têm visão não verem nada! É um processo recíproco – enriquecemos mutuamente os nossos mundos."

Temos aqui um paradoxo – delicioso – que não consigo resolver: se de fato existe uma diferença fundamental entre a vivência e a descrição, entre o conhecimento direto e o conhecimento mediado do mundo, por que então a linguagem é tão poderosa? A linguagem, a mais humana das invenções, pode possibilitar o que, em princípio, não deveria ser possível. Pode permitir a todos nós, inclusive os cegos congênitos, ver com os olhos de outra pessoa.

Esse trecho não descreve perfeitamente o trabalho do audiodescritor e a importância de estimular a capacidade de evocar (ou até mesmo criar) imagens mentais? Acho que essa é uma das melhores explicações sobre a audiodescrição e sua importância.

A segunda reflexão veio da constatação de Arlene sobre o prazer que seus companheiros de viagem tinham, ao viajar consigo. Nem ela se sentia um fardo e nem eles a viam como tal. Muito pelo contrário: todos ganhavam com a convivência mútua, todos enriqueciam mutuamente os seus mundos, nas palavras dela.

Sua presença, suas perguntas, sua curiosidade estimulavam o olhar, aquele olhar empenhado em ver de verdade, em desvendar, em entender.

Viva a linguagem, “a mais humana das invenções!”

(*) Socióloga, Coordenadora Executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas e consultora na área da Deficiência.

[1] Tradução de Laura Teixeira Motta, São Paulo, Companhia das Letras, 2010. p. 210. Dr. Sacks é médico, com especializações em Neurologia e Psiquiatria; escreveu diversos livros.

Mais sobre audiodescrição
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar
Um mundo sem imagem, mas não sem poesia! Estou sentado, sozinho, na sala escura. Uma


Mais sobre audiodescrição
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar
Um mundo sem imagem, mas não sem poesia! Estou sentado, sozinho, na sala escura. Uma