Centro Cultural Banco do Brasil convida para o Festival Assim Vivemos – versão Brasília

Provocar reflexão sobre temas e formas é um objetivo comum entre os festivais de cinema. Mas há aqueles que vão além dessa meta e instigam a ação: inspiram o espectador a tomar partido e narrar as suas próprias histórias. Esse efeito de sedução se nota em mostras brasileiras como o É Tudo Verdade (de documentários) e o Anima Mundi (de animação). E é o que também acontece com o Assim Vivemos — Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência, que chega à quinta edição a partir desta terça-feira (13/9) no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, com entrada franca.

Aloha - filme

Cena do filme Aloha: 15 minutos de energia sobre o cotidiano de surfistas brasileiros com deficiência

Desde a estreia do evento, que é realizado a cada dois anos, aumenta o número de filmes brasileiros que retratam as experiências de pessoas com deficiências. Não por coincidência, na opinião da diretora da mostra, Lara Pozzobon. “O festival estimula a aproximação do tema. Os cineastas passam a ter um olhar mais possível, mais próximo. Nos primeiros anos da mostra, essa tentativa se dava com mais distanciamento, como se os próprios diretores não estivessem à vontade para mostrar os personagens. Hoje, os filmes estão mais à vontade e melhores”, compara. A participação do Brasil no festival, por consequência, nunca foi tão expressiva: são oito curtas.

Um deles, Aloha (de Paula Maia dos Santos), retrata o cotidiano de um grupo de surfistas que rasgam as ondas sob pranchas adaptadas. No delicado Dois mundos (de Thereza Jessouroun), a narrativa revela o contato dos surdos com o universo sonoro, graças aos implantes cocleares. Exibido fora da competição, o documentário História do movimento político das pessoas com deficiência no Brasil, de Aluizio Salles Júnior, promete um diálogo raro na sala de cinema: personagens do filme são convidados para conversar com a plateia, ao fim da projeção. No Rio de Janeiro, onde a mostra foi exibida entre 16 e 28 de agosto, a novidade foi bem recebida pelo público, com sessões lotadas.

Protagonismo

No total, serão exibidos em Brasília 28 filmes de 12 países. O critério da curadoria da mostra é destacar títulos que garantem papel de protagonista à pessoa com deficiência. “São filmes em que elas estão em primeiro plano mesmo. E valorizamos não apenas a qualidade técnica, mas a criatividade e narrativa. Analisamos os filmes num sentido mais amplo”, afirma Lara. O próprio festival foi criado quando se observou que, no exterior, havia uma safra já madura de longas e curtas sobre deficiência. Nas sessões, eles são exibidos com audiodescrição (para pessoas com deficiência visual) e com legendas “closed caption” (para pessoas com deficiência auditiva). Há versões em braille dos catálogos.

Na seleção internacional, as abordagens do tema são as mais abrangentes. O britânico Tempo de suas vidas, de Jocelyn Cammack, mostra o modo bem-humorado como mulheres octagenárias e nonagenárias lidam com os incômodos naturais da velhice. No moçambicano De corpo e alma, o diretor Matthieu Bron flagra o dia a dia de três jovens com deficiência. Como complemento à exibição dos filmes, serão realizados quatro debates. “Nós temos um ônibus para escolas e instituições que queiram comparecer às sessões, sempre com lotação esgotada”, informa Lara. Prova de que o Assim Vivemos, como acontece com os melhores festivais temáticos, já encontrou um lugar no mundo.

Tiago Faria

Fonte: centro Cultural Banco do Brasil

Mais sobre audiodescrição
O Cine às Escuras: Mostra Erótica de Cinema Acessível realiza sua segunda edição nos dias
Um festival que pretende devolver aos mágicos as “luzes da ribalta”, promovendo um encontro entre
Produtores e realizadores já podem inscrever seus curtas-metragens com audiodescrição para concorrer no IV VerOuvindo


Mais sobre audiodescrição
O Cine às Escuras: Mostra Erótica de Cinema Acessível realiza sua segunda edição nos dias
Um festival que pretende devolver aos mágicos as “luzes da ribalta”, promovendo um encontro entre
Produtores e realizadores já podem inscrever seus curtas-metragens com audiodescrição para concorrer no IV VerOuvindo