Defendidas 2 Dissertações em áudio-descrição

A ciência se esmerou em produzir dois trabalhos que, certamente, somarão aos esforços de seus pares na busca por uma sociedade mais inclusiva e menos excludente, em que a acessibilidade comunicacional vem como um instrumento para o empoderamento da pessoa com deficiência.

Trato das pesquisas de Ernani Ribeiro e Paulo Vieira, cujos trabalhos ("O PAPEL DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO NA ELIMINAÇÃO DE BARREIRAS COMUNICACIONAIS NO MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO MÉDIO" e "A IMAGEM NA RELAÇÃO DE EXPRESSÃO COM O TEXTO ESCRITO EM LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA – contribuições para a aprendizagem do aluno surdo"), defendidos na Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, foram inéditos por, de um lado, versarem no campo da áudio-descrição de imagens no livro didático; de outro, por trazerem a áudio-descrição como ferramenta de benefício comunicacional aos indivíduos surdos.

Com tradução para Libras, leitura dos slides e descrição dos eventos visuais contidos na apresentação, as defesas das dissertações foram, ainda, um exemplo de que a pessoa com deficiência, uma vez respeitada, pode exercer os mais diversos papéis sociais e laborais a que desejar.

O orientador dos trabalhos e presidente da banca, prof. Francisco Lima, conduziu os trabalhos, partilhando a arguição com os Doutores Jefferson Fernandes, Tícia Ferro, Rafaela Asfora e Wilma Pastor, pesquisadores na área da inclusão, da fotografia e teatro e a pessoa com deficiência visual, na psicologia cognitiva, nos estudos da Língua de Sinais e áreas afins.

Ambos os trabalhos serão, após os ajustes de praxe, destinados à publicação na forma de artigos e de dissertação propriamente dita.

Com o estudo aprofundado da literatura estrangeira e doméstica, os trabalhos examinaram as diretrizes de países como Alemanha, França, Espanha, Inglaterra e Estados Unidos.

Muitas páginas foram traduzidas e muitas mais produzidas, a partir da literatura examinada.

As dissertações trazem, assim, contribuições para o estudo da áudio-descrição, tanto quanto para a efetivação dela nos meios audiovisuais e no material didático usado por pessoas com deficiência e seus pares sem deficiência.

Considerando os trabalhos que os autores fizeram em livro de história e de língua portuguesa, os agora mestres Paulo e Ernani respeitaram o sentido da pesquisa inclusiva ao trazerem para ela a participação de Sujeitos surdos, cegos e com baixa visão, os quais foram participantes nas pesquisas e não apenas informantes para um estudo.

A investigação científica diminuta trouxe conclusões incontestáveis a respeito do benefício da áudio-descrição para o aprendiz com deficiência visual e auditiva.

Dados intrigantes deram a saber que os livros trazem erros que vão do uso de um navio chinês do século XVI, ao tratar das navegações portuguesas do século seguinte, até o uso de imagens meramente ornatas que não comunicam adequadamente ao estudante.

Pior, ainda, denunciam o uso de uma gama significativa de exercícios nos livros didáticos, dependentes da visão, e que não trazem áudio-descrição, deixando o aluno com deficiência visual no limbo da exclusão educacional.

As imagens ornatas, somadas à inexistência de áudio-descrição nos livros didáticos, deixam de fora do momento educativo as pessoas cegas ou com outras deficiências, a física, por exemplo, discriminando-as por razão de deficiência, uma vez que impedem que estudantes com e sem deficiência desfrutem dos mesmos recursos educativos, em pé de igualdade.

A leitura dessas dissertações será fonte profunda de conhecimento aos que pretendem fazer a áudio-descrição, dos níveis mais superiores aos principiantes. Logo, constituirão um marcador de águas no que tange o entendimento do que é áudio-descrição e o significado de sua prática como ferramenta de empoderamento na educação de pessoas com deficiência.

Amigos leitores, guardem os nomes desses trabalhos e, em breve, dediquem tempo à leitura deles.

Francisco Lima

Fonte: Portal Ler Para Ver

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial


Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial