Mestrandos do Programa de Pós-Graduação da UECE defendem dissertações sobre Audiodescrição

Os pesquisadores e audiodescritores do Grupo LEAD, Juarez Nunes de Oliveira Júnior e Klístenes Bastos Braga, ambos mestrandos do Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual do Ceará (UECE), concluíram e defenderam suas dissertações no mês de agosto de 2011, cuja temática versa sobre a audiodescrição para as artes visuais e para o cinema.

O trabalho de Juarez Oliveira intitulado "Ouvindo Imagens: A Audiodescrição de Obras de Aldemir Martins", trata-se de uma pesquisa descritiva e propõe a audiodescrição de obras de arte para pessoas com deficiência visual em museus, a partir de roteiros de AD elaborados para quatro pinturas do artista cearense Aldemir Martins, que se encontram em exibição no Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Já o trabalho de Klístenes Braga intitulado "Cinema Acessível para Pessoas com Deficiência Visual: A Audiodescrição de O Grão de Petrus Cariry", é uma pesquisa descritivo-exploratória que investiga a tradução audiovisual do cinema para pessoas com deficiência visual, por meio da audiodescrição do filme O Grão, do cineasta cearense Petrus Cariry, e traz o resultado de uma pesquisa de recepção feita com dois grupos de espectadores com deficiência visual.

As duas pesquisas têm orientação da Prof.ª Dr.ª Vera Lúcia Santiago Araújo da UECE e estão inseridas no Projeto de Cooperação Acadêmica – PROCAD 008/2007, intitulado "Elaboração de um modelo de audiodescrição para cegos a partir de subsídios dos estudos de multimodalidade, semiótica social e estudos da tradução", celebrado entre o grupo LEAD (Legendagem e Audiodescrição) da UECE, que desenvolve pesquisas no Laboratório de Tradução Audiovisual (LATAV) do Centro de Humanidades da universidade, e o LETRA (Laboratório Experimental de Tradução) da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

As dissertações supracitadas encontram-se no prelo. Seguem abaixo seus respectivos resumos:

Ouvindo Imagens: A Audiodescrição de Obras de Aldemir Martins

Autor: Juarez Nunes de Oliveira Júnior

Resumo: Os estudos da tradução audiovisual têm contribuído para tornar acessíveis os produtos midiáticos para deficientes auditivos e deficientes visuais. Desta forma, trabalhos acadêmicos cujo enfoque é a legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE) e a audiodescrição (AD) para deficientes visuais (DVs) de obras cinematográficas e programas de TV estão em estágio avançado. A audiodescrição é a tradução em palavras das impressões visuais de um objeto, seja ele um filme, uma obra de arte, uma peça de teatro, um espetáculo de dança ou um evento esportivo. Todavia, pesquisas em audiodescrição cujo escopo aborda obras de arte em museus ainda não fornecem subsídios relevantes para que parâmetros sejam delineados. Apesar de os estudos da multimodalidade, por outro lado, mostrarem-se relevantes ao propor a leitura sistematizada de esculturas, imagens e pinturas em exibição em museus, a proposta multimodal não contempla os deficientes visuais. Com o objetivo de transpor essa barreira, a presente pesquisa descritiva, que está inserida no Projeto de Cooperação Acadêmica – PROCAD 008/2007 – intitulada "Elaboração de um modelo de audiodescrição para cegos a partir de subsídios dos estudos de multimodalidade, semiótica social e estudos da tradução" celebrada entre dois grupos de pesquisa (LETRA/FALE/UFMG e LATAV/CH/UECE), propõe a audiodescrição de obras de arte para deficientes visuais em museus, tendo como aporte teórico os estudos da tradução audiovisual, mais especificamente nos estudos pioneiros de De Coster e Mühleis (2007) e Holland (2009), e os estudos da multimodalidade desenvolvidos por O’Toole (1994) e Kress e van Leeuwen (1996). A partir dessa interface, roteiros de AD foram elaborados para quatro pinturas do artista cearense Aldemir Martins, que se encontram em exibição no Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará. Apesar de o modelo aqui proposto ainda não ter sido devidamente testado pelo público de DVs, verificou-se que ao término da pesquisa o resultado pretendido foi alcançado, haja vista os roteiros de AD para obras de arte contemplarem os estudos da tradução audiovisual e da multimodalidade. Ainda, espera-se que esta investigação forneça uma contribuição para inclusão dos DVs aos espaços museológicos, bem como sugerir parâmetros para o audiodescritor em formação.

Cinema Acessível para Pessoas com Deficiência Visual: A Audiodescrição de O Grão de Petrus Cariry

Autor: Klístenes Bastos Braga

Resumo: Esta dissertação investiga a tradução audiovisual do cinema para pessoas com deficiência visual por meio da audiodescrição (AD) do filme O Grão, com base nos fundamentos teóricos de análise de AD, elaborados por pesquisadores espanhóis, principalmente. Segundo dados do IBGE (2000), somente no Ceará, são quase um milhão de pessoas com deficiência visual, que se encontram excluídas do contexto sociocultural e intelectual relacionado às produções cinematográficas. A AD, por sua vez, é uma modalidade de tradução audiovisual intersemiótica e consiste na descrição das informações que apreendemos visualmente e que não estão contidas nos diálogos, nem na trilha sonora, tornando assim o cinema acessível também para quem não enxerga. A AD se trata, então da tradução das imagens em palavras. O corpus deste trabalho é constituído pelo filme O Grão, drama produzido pela Iluminura Filmes em 2007 e dirigido pelo cineasta cearense Petrus Cariry, que narra a história de Perpétua, uma velha senhora que, ao sentir a presença da morte, resolve preparar Zeca, o seu querido neto, para a separação que se aproxima, contando-lhe a história de um rei e uma rainha que perderam seu único filho. Enquanto Perpétua conta a história, Damião e Josefa trabalham para sustentar a família e preparar o casamento de sua filha Fátima. A metodologia do trabalho compreende uma dimensão descritiva, que classificou e analisou todas as inserções das descrições contidas no roteiro de AD, e outra exploratória, que aplicou um teste de recepção sobre a AD do filme, considerando duas variáveis: o espectador com deficiência visual e o gênero do filme. As hipóteses deste trabalho argumentam que não há diferença de recepção entre os dois grupos analisados, tanto os participantes com deficiência visual total e congênita, como os participantes com baixa visão, entenderam e apreciaram O Grão, apesar de ser um filme com poucos elementos acústicos, e acompanharam a caracterização dos personagens e a ambientação. A coleta de dados foi feita com a leitura e assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, a aplicação dos questionários pré e pós coleta, anotação dos relatos retrospectivos e a filmagem de todo esse processo. Além de melhorar a compreensão do filme, conclui-se que a AD dos ambientes, do tempo em que se passam as cenas e das características dos personagens do filme foi eficientes para os quatro participantes da pesquisa, de forma que todos conseguiram alcançar um nível satisfatório de compreensão da narrativa e percepção dos elementos visuais da obra, independentemente, do grau de acuidade visual de cada um. Pode-se concluir ainda que um filme considerado difícil para a maioria dos espectadores, que foge à narrativa clássica do cinema de Hollywood, pode ser apreciado por uma audiência com deficiência visual a partir da AD.

Fonte: ATAV Brasil

Mais sobre audiodescrição
Pelo segundo ano consecutivo, o espetáculo de Natal apresentado no Palácio Avenida, em Curitiba, contou
A audiodescrição é um recurso de acessibilidade, um instrumento poderoso de inclusão social, cultural e
A atividade de consultoria em audiodescrição é desempenhada por pessoas com deficiência visual (cegueira ou


Mais sobre audiodescrição
Pelo segundo ano consecutivo, o espetáculo de Natal apresentado no Palácio Avenida, em Curitiba, contou
A audiodescrição é um recurso de acessibilidade, um instrumento poderoso de inclusão social, cultural e
A atividade de consultoria em audiodescrição é desempenhada por pessoas com deficiência visual (cegueira ou