Teatro inclusivo

Nesta semana, passam pelo Recife dois espetáculos que miram uma plateia incomum: os deficientes físicos. Teatros, cinemas e outros aparelhos culturais muitas vezes não estão preparados para receber esse público. Não deixa, pois, de ser louvável a iniciativa dos grupos Escola de Gente – Comunicação em Inclusão (RJ) e Quadro de Cena (PE). Ao utilizarem recursos como a audiodescrição, intérpretes em Libras e programas em braile, essas companhias ampliam as possibilidades de fruição deste público.

Vale ressaltar a importância da vinda desses espetáculos nesta semana em específico. É que ontem foi comemorado o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. Iniciativas como estas ainda são exceção, mas já apontam para uma preocupação em levar arte a todos os públicos, independente de limitações físicas. Para quem quiser, ainda há tempo de conferir os espetáculos. A carioca "Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho" é exibido hoje, às 16h, na UPE; amanhã (23), o grupo se apresenta às 20h, na Fafire. "Nem Sempre Lila" é montada no Teatro Marco Camarotti (Sesc Santo Amaro), às 15h.

Márcio Bastos

Fonte: Folha PE

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma


Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma