Vermelho Como O Céu

Esse é o último semestre da Faculdade e, junto com ele, vem o TCC de brinde. Meu grupo e eu decidimos fazer um documentário sobre audiodescrição, para aqueles que não conhecem trata de aumentar a acessibilidade aos deficientes visuais. Foi assim que descobrimos o filme Vermelho Como O Céu.

Vermelho Como O Céu - cartaz do filme

Conversando daqui e dali com os professores, o professor Serginho passou um excelente filme para assistir. O filme Vermelho como o céu do Diretor Cristiano Bortone. Mesmo sendo cinéfilo, até então não havia assistido.

Vermelho como o céu trata de uma história verídica. O filme conta como foi a infância do sonoplasta Mirco Mencacci. Após ficar cego em um acidente por brincar com a arma de seu pai, ele é mandado para uma escola especial de deficientes visuais. A trama é ambientada na Itália na década de 70, onde o governo é autoritarista e existe uma lei em que crianças com deficiências visuais não podem estudar em colégios públicos.

Mirco é um garoto apaixonado pelo cinema e cheio de imaginação, mas após sofrer o acidente e ser transferido para o Internato em Gênova, se depara com um Diretor também cego e que não acredita na capacidade dos deficientes visuais. Mesmo tendo um diretor rude, Mirco não se deixa abater e afronta o sistema de uma forma indireta. Ele acha um gravador na escola e rouba algumas fitas para fazer um trabalho onde deveria dissertar sobre as estações do ano, e o faz gravando sons de forma criativa com ajuda de seu amigo Felice. Claro que o diretor não aprovou a ideia, porém, o professor Don Giulio o incentiva a fazer aquilo dando a ele um gravador de presente em troca dele aprender a ler e escrever em braile.

Após ficar cego, Mirco adquire interesse pelos sons e também por Francesca, filha da zeladora. Junto com ela começa a gravar um conto que leva os seus amigos a também quebrar as regras do internato, o que no futuro vem a ser o motivo de sua expulsão. Don Giulio não aceita a expulsão de Mirco e luta para sua readmissão ao internato junto com outras pessoas que na época lutavam para que as leis para os deficientes fossem alteradas.

Vermelho Como O Céu mostra que mesmo com a deficiência, é possível levar uma vida normal. E que apesar dos problemas, o ser humano tem uma grande capacidade de adaptação para conviver com as outras pessoas.

Cristiano Bortone, diretor de Vermelho Como O Céu, consegue através de desfoques, cenas escuras e ambientação do som, levar ao espectador um pouco do que Mirco sente ao viver sem enxergar, e em alguns momentos do filme a vontade de fechar os olhos é incontrolável.

Ficha Técnica
Título: Vermelho Como O Céu
Título Original: Rosso Come Il Cielo
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 96 minutos
Ano de Lançamento (Itália): 2006
Estúdio: Orisa Produzioni
Distribuição: California Filmes
Direção: Cristiano Bortone
Roteiro: Paolo Sassanelli, Cristiano Bortone e Monica Zapelli
Produção: Daniele Mazzocca e Cristiano Bortone
Música: Ezio Bosso
Fotografia: Vladan Radovic
Desenho de Produção: Davide Bassan
Figurino: Monica Simeone
Edição: Carla Simoncelli
Elenco:
Francesco Campobasso (Davide)
Luca Capriotti (Mirco)
Simone Colombari (Padre)
Marco Cocci (Ettore)
Andrea Gussoni (Valerio)
Patrizia La Fonte (Suor Santa)
Paolo Sassanelli (Don Giulio)

Sinopse

Anos 70. Mirco (Luca Capriotti) é um garoto toscano de 10 anos que é apaixonado pelo cinema. Entretanto, após um acidente, ele perde a visão. Rejeitado pela escola pública, que não o considera uma criança normal, ele é enviado a um instituto de deficientes visuais em Gênova. Lá descobre um velho gravador, com o qual passa a criar estórias sonoras.

Premiações

– Ganhou o prêmio de Melhor Filme – Júri Popular, na Mostra de Cinema de São Paulo.

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série


Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série