Coordenador de políticas para PCD comenta audiodescrição na Mostra de Direitos Humanos

Fomentar o debate sobre Direitos Humanos e garantir acessibilidade às sessões de cinema são alguns dos objetivos da Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul, aberta na noite desta segunda-feira, 31, no Cinemark Jardins. O evento, que segue até o dia 10, terá 55 exibições no Cinemark e no Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Sergipe (IFS).

Mostra de Direitos Humanos no Casa Curta-se

Evento segue até o próximo dia 10 (Foto: Divulgação Casa Curta-SE)

Na abertura, foram exibidos três curtas-metragens brasileiros: Doce de Coco, Tempo de Criança e Máscara Negra. Os dois primeiros abordam direitos da criança e do adolescente. Já Máscara Negra traz o enredo ligado à cidadania LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

Para o secretário de Estado de Direitos Humanos, Luiz Eduardo Oliva, o evento conta com uma riqueza temática. "São várias vertentes dos Direitos Humanos abordadas nesta mostra, que é a maior do segmento. Pela segunda vez, Sergipe recebe o evento. Vale ressaltar que este ano já temos a Secretaria de Direitos Humanos", destacou o secretário, ao lembrar que a mostra conta com o apoio do Governo do Estado.

Segundo Luiz Eduardo, a secretaria irá fomentar a participação de Sergipe também na programação dos filmes. "Queremos que os sergipanos exibam suas produções. Pretendemos fomentar a participação do nosso estado também na programação. Além de assistir a filmes ligados a Direitos Humanos, queremos que os sergipanos produzam sobre o tema", disse.

Com todas as exibições gratuitas, a mostra é realizada pela Secretaria de Direitos Humanos e conta com a produção local da Casa Curta-SE. "Nosso objetivo é inserir Sergipe nos circuitos alternativos de cinema. Esta mostra, além de gratuita, traz filmes que fomentam uma discussão importante: a dos Direitos Humanos. Ficamos satisfeitos em contribuir com isso", reiterou Rosângela Rocha, produtora local.

Acessibilidade

Toda a cerimônia de abertura foi traduzida para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Além disso, os filmes ainda continham legenda descritiva para os deficientes auditivos. Ou seja, todos os sons eram traduzidos por legenda. Para os deficientes visuais, serão ofertadas sessões especiais com audiodescrição nos dias 3 e 4 de novembro às 11h no Cinemark Jardins.

Coordenador de Políticas para Deficientes Visuais da Secretaria de Direitos Humanos, Josivaldo Silva entrou pela primeira vez no cinema nesta segunda-feira. Para ele, as sessões com audiodescrição garantem a inclusão dos deficientes visuais. "Às vezes, na novela fica um silêncio ou apenas toca uma música. A gente não sabe o que está acontecendo na trama e, muitas vezes, perdemos as partes mais importantes", relatou.

A universitária Karla Caroline já havia participado da mostra no ano passado. Para ela, o evento é abrangente, pois, além de incluir vários segmentos da sociedade, as exibições são gratuitas. "Isso permite que qualquer um venha ao cinema assistir a filmes bem interessantes. É bom ter Sergipe inserido neste circuito".

O evento segue até o dia 10. No Cinemark, a mostra acontece às 11h e às 14h30 de 1º a 5 de novembro e de 8 a 10. Já no IFS, as exibições serão nos dias 1º, 3, 4, 7 e 8 sempre no turno da noite.

Fonte: Ascom Casa Curta-SE

Mais sobre audiodescrição
Nós, os participantes do foro regional América Acessível: Informação e Comunicação para Todos, realizado em
Uma demanda da comunidade cega e das pessoas com deficiência visual consumidoras de televisão por
A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Ministério da Cultura


Mais sobre audiodescrição
Nós, os participantes do foro regional América Acessível: Informação e Comunicação para Todos, realizado em
Uma demanda da comunidade cega e das pessoas com deficiência visual consumidoras de televisão por
A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Ministério da Cultura