Paratleta visita Arena Jasc

A arena da 51ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) recebeu uma visita especial na manhã desta sexta-feira. O paratleta Laélio Inácio, de 42 anos, esteve no pavilhão de exposição José Ijair Conti, para conhecer o espaço reservado para os deficientes visuais, com informações em braille.

Laélio Inácio,

Fotos: Jussi Moraes

Segundo ele, a escrita está perfeita, sem erros de português e com boa qualidade da impressão, porém, a chegada até o painel é que deixou a desejar. "Não adianta ter as informações em braille e na entrada do pavilhão não termos uma indicação, rampa, corrimão, enfim, acessibilidade", argumentou.

O morador de Cocal do Sul é jogador de bocha e já participou de três Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc). Na última edição, este ano em São Miguel do Oeste, ele representou Orleans e garantiu a medalha de prata.

"Já tenho duas medalhas de prata e uma de ouro na bocha"”, destacou Inácio. Ele comenta que para a disputa os jogadores cegos fazem o reconhecimento da cancha e recebem a ajuda de um técnico que indica onde estão as bolas.

Para ele, que perdeu 100% da visão aos 30 anos, este caderno em braille é inédito nos eventos da região. "Ficou faltando o que chamamos de audiodescrição, informando onde estão os painéis e para os que não possuem conhecimento em braille. Nós nos guiamos pelos sons e como o espaço é amplo precisamos de orientação auditiva para chegar onde queremos", avaliou.

Jussi Moraes – jussi@engeplus.com.br

Fonte: Portal Engeplus

Mais sobre audiodescrição
Imagine ter toda a sensação de estar no estádio do Castelão, sentir a vibração da
A Paralimpíada Rio 2016 traz mais de 4 mil atletas de 179 comitês nacionais para
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos


Mais sobre audiodescrição
Imagine ter toda a sensação de estar no estádio do Castelão, sentir a vibração da
A Paralimpíada Rio 2016 traz mais de 4 mil atletas de 179 comitês nacionais para
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos