Curiosidades sobre a série Jornada nas Estrelas

Na última quarta-feira, anunciamos aqui no blog que a Rede TV exibirá a partir de hoje, a meia noite e meia, os episódios da clássica série Jornada nas Estrelas, ou Star Trek como preferem os "trekers": Rede TV apresentará Jornada nas Estrelas com audiodescrição. A repercussão entre nossos leitores foi tão grande que, em menos de 48 horas, a publicação tornou-se a mais visitada nos últimos 30 dias, com mais de 700 acessos, sem falar da repercussão em outros blogs e sites que também divulgaram a boa notícia a partir de nosso post.

Mais de 30 anos atrás, quando ainda enxergava, tive a oportunidade de acompanhar todos, absolutamente todos os episódios da série na televisão. Foi assim que também me tornei um "treker", tanto é que, em um dos primeiros posts de nosso blog (Manifesto no Aniversário do Blog da Audiodescrição), respondendo um comentário da Marta Gil, disse que "daria tudo para assistir a série novamente, agora com audiodescrição".

Espero que singelos parabéns e muito obrigado sejam suficientes para expressar todo o meu contentamento pela iniciativa da Rede TV! E mesmo antes de ter assistido ao primeiro episódio com audiodescrição, já manifesto o meu desejo que, depois da série clássica, também possamos assistir as outras séries com audiodescrição: Jornada nas Estrelas – Nova Geração, Deep Space 9, a derradeira Voyager e, porque não, também os longa-metragens de cada série que, por serem mais recentes, assisti apenas ouvindo porque já tinha me tornado cego.

Para nossos leitores mais jovens e que não puderam conhecer o Jornada nas Estrelas exibidos alguns anos atrás no canal Universal, da TV a cabo, vão aí algumas curiosidades sobre ela:

Inglês perde sua Enterprise para a mulher no divórcio

Tony Alleyne vestido com o uniforme da Enterprise

O inglês Tony Alleyne é um desses fãs obcecados com o universo de "Star Trek". Tão obcecado que ele transformou seu apartamento numa réplica da Enterprise. E, durante o processo de divórcio com sua mulher, ele perdeu o apartamento para ela. A informação é do Daily Mail.

Tony passou os últimos dez anos investindo na "reforma", incluindo painel de controle de voo, luzes e até os famosos "teletransportadores". Uma réplica do painel de comando controla as luzes e os efeitos sonoros do apartamento, que fica localizado na cidade de Hinckley.

Tony operando o painel de controle da Enterprise, em seu apartamento

A mulher de Tony está pretendendo vender o lugar, e transformar a decoração internada em uma coisa mais "comum".

As cores da Enterprise

As cores sempre tiveram um significado importante para as pessoas. Algumas gostam de azul, outras de verde, amarelo e por aí vai.

Na série Clássica de Jornada nas Estrelas, muita gente já deve ter reparado nas diferentes cores dos uniformes da tripulação da USS Enterprise NCC-1701. Será que Gene Roddenberry, o criador de Star Trek, teve alguma intenção em fazer isso ou simplesmente quis dar um "colorido" diferente à nave mais famosa dos seriados de ficção científica?

Sei que os trekkers mais fanáticos sabem essa resposta, mas como este é um espaço também para os trekkers iniciantes, vamos à explicação.

Todos os personagens do alto comando da Enterprise

Toda vez que o leitor notar um tripulante usando um uniforme amarelo / dourado, quer dizer que ele faz parte do comando da Enterprise. O maior símbolo desses funcionários é o capitão James T. Kirk.

Os uniformes azuis representam a parte de ciências. Dois tripulantes clássicos dessa parte da Enterprise são o médico-chefe da nave, dr. McCoy e o segundo em comando, o vulcano sr. Spock.

Agora, quando um tripulante passar pelos corredores da nave com um uniforme vermelho, isso quer dizer que ele é da engenharia. O cultuado engenheiro-chefe Scotty é o símbolo maior desse setor.

O capitão Kirk vestindo o uniforme de gala, junto com outros oficiais da Enterprise

Na segunda geração da série, aquela que tem como personagens marcantes o francês capitão Picar como comandante da Enterprise e o robô que queria ser humano chamado Data, houve uma pequena mudança no significado das cores: amarelo ficou para operações e vermelho, comando. O azul permaneceu para ciências.

Curiosidade: Usar vermelho não é bom sinal para um tripulante da Enterprise. Quase 75% das mortes dos membros da série clássica eram da engenharia.

Star Trek não é só seriado

Uma das coisas que os trekkers mais se orgulham é que nem todas as publicações sobre o seriado precisam ser oficiais. Por isso, o número de revistas, livros e gibis é infinito. "Star Wars", por exemplo, obriga toda produção literária a ter algum tipo de vínculo com a franquia de George Lucas.

Capitão Kirk e os oficiais na sala de comando da Enterprise

Um caso curioso aconteceu em 1995. Muitos fãs ficaram indignados com a morte do capitão James Kirk e pediram alguma forma para ele – voltar à cena – Imagine quem escreveu um romance sobre o assunto? O próprio William Shatner, que deu vida ao líder mais carismático de Star Trek, lançou naquele ano " O retorno do capitão Kirk".

fotos do capitão Kirk - o clássico e o mais recente

Star Trek foi parar inclusive nos quadrinhos. O primeiro registro de HQ do seriado vem de 1967. O sucesso foi tão grande que anos mais tarde editoras consagradas como a Marvel e a DC Comics passaram a publicar as aventuras da Enterprise. No Brasil, os gibis de Star Trek foram lançados entre o final da década de 60 e os anos 80. A Editora Abril chegou a apostar na empreitada.

Biografias e manuais técnicos talvez tenham sido os tipos de literatura que mais tenham agradado aos fãs. Os guias mais famosos foram o "Manual técnico da Frota Estelar" e "O Manual da Enterprise" este último teoricamente "escrito" pelo engenheiro-chefe Scott, em que era mostrado como funcionava a nave mais famosa das galáxias.

Capa do livro Manual da Enterprise

Na parte de biografias, as de grande impacto foram as de William Shatner e Leonard Nimoy, o eterno Sr. Spock.

Shatner escreveu "Jornada nas Estrelas: Memórias" e " Jornada nas Estrelas: Memórias dos Filmes". As duas obras, lançadas por aqui respectivamente em 1995 e 1998, dão detalhes aos fãs dos bastidores dessas duas fases do seriado.

Capa do livro Jornada nas Estrelas - Memorias

Já Nimoy é dono do aspecto mais engraçado. Em 1975, escreveu "Eu não sou Spock", em que tentava explicar aos fãs que era um ator maior do que o mítico personagem. Foi execrado pelos fãs mais radicais, que disseram na época: "Como ousa? Se não fosse por Spock você nunca seria tão reconhecido!". Assumindo o erro, se rendeu ao habitante mais notório do planeta Vulcano 20 anos depois e escreveu: "Eu sou Spock".

Comandante Spock - Leonard Nimoy

Curiosidades:

– O primeiro romance sobre Star Trek lançado no Brasil foi "Portal do Tempo", em 1991, da Editora Aleph. A editora também publicou, em 2009, o excelente "Almanaque de Jornada nas Estrelas";

– Já a Editora Makron Books lançou dois títulos bem mais técnicos – "A física de Jornada nas Estrelas" e "A metafísica de Jornada nas Estrelas", ambos em 1996.

Selton Mello recusou papel em "Star Trek 2"

Selton Mello

O ator brasileiro Selton Mello está na cidade de Tiradentes, no Rio de Janeiro, estreiando seu novo filme, "Billi Pig", que tem no elenco nomes como Grazi Massafera e Milton Nascimento. E o ator fez uma revelação inesperada: o diretor norte-americano J.J. Abrams o convidou para fazer parte do elenco de "Star Trek 2", continuação do sucesso de 2009.

Selton disse que chegou a conversar com o diretor, e que recusou o papel pois iria "ficar deprimido naquela nave". Segundo o próprio, ele foi convidado para fazer um dos integrantes da U.S.S. Enterprise, a nave do Capitão Kirk e do Sr. Spock.

O ator disse que tem vontade de trabalhar em Hollywood, mas ainda se sente preso ao Brasil, aonde tem a oportunidade de trabalhar com amigos e participar de uma nova forma de produção no cinema nacional.

Por fim, lembro aos nossos leitores que, para acompanhar Jornada nas Estrelas com audiodescrição, você precisa ter um televisor digital, uma antena de UHF interna ou externa, e o seu televisor deverá estar com o Áudio 3 ativado porque somente nele se consegue ouvir a audiodescrição. Veja neste link mais informações sobre como ativar a audiodescrição em seu televisor: Audiodescrição na TV: O Que É Necessário?

Mais sobre audiodescrição
MANAUS - Os contos do Boto, do Curupira e de outros seres folclóricos fazem parte
Estagiários da TV Gazeta que estão cursando a Faculdade Cásper Líbero de Jornalismo fizeram uma
Em 2008, poucos dias após o Ministério das Comunicações suspender o início das transmissões de


Mais sobre audiodescrição
MANAUS - Os contos do Boto, do Curupira e de outros seres folclóricos fazem parte
Estagiários da TV Gazeta que estão cursando a Faculdade Cásper Líbero de Jornalismo fizeram uma
Em 2008, poucos dias após o Ministério das Comunicações suspender o início das transmissões de