Porquê eu amo Nova Iorque

Já fui algumas vezes para Nova York e o que sempre me faz querer voltar – além de tudo aquilo que eu amo nessa cidade, como, compras, shows e teatros – é poder transitar em uma cidade grande, é bom lembrar, inteiramente acessível.

Ônibus, metrô e táxi são totalmente acessíveis e, para aqueles que têm uma deficiência física severa, existe um sistema de vans que atende com hora marcada.

Todos os museus têm entrada acessível e banheiros adaptados e muitos deles têm recursos para os deficientes auditivos, que são os intérpretes de língua de sinais, e também para os deficientes visuais, que são as informações em braille ou audioguias.

Uma infinidade de restaurantes e cafés têm acesso para cadeirantes e os banheiros são corretamente adaptados. Além disso, muitos estabelecimentos têm telefones com controle de volume para os deficientes auditivos, e cardápios e informativos com letras ampliadas para as pessoas com baixa visão.

Quase todos, ou todos, os famosos teatros da Broadway têm entrada e banheiros acessíveis, intérprete de língua de sinais e recursos de audiodescrição para os deficientes visuais. Ou seja, ninguém fica de fora.

Quer mais? Os centros esportivos, estádios e arenas têm enorme infraestrutura para cadeirantes e cegos. O Madison Square Garden, a casa do time de basquete New York Knicks, não só é acessível para deficientes físicos, como tem informações em braille e com fonte ampliada para as pessoas com deficiência visual, piso podotátil, sistema de audiodescrição e closed caption e intérpretes de língua dos sinais.

Além de tudo isso, Nova York tem vários clubes noturnos acessíveis e adaptados aos cadeirantes que, aviso aos desinformados, também curtem a night e se jogam na balada!

Bom, tem também o Central Parque, aquele lugar lindo que recebe muito bem os deficientes físicos porque, além de um caminho de cimento lisinho, tem banheiros adaptados. Não podemos esquecer das calçadas em Nova York, que são quase todas planas e, claro, as lojas, que tem toda a condição física necessária para atender às necessidades diversas, inclusive a dos cadeirantes.

Alguém ficou com alguma dúvida dos porquês eu amo Nova York?

Andrea Schwarz

Fonte: Vida Mais Livre

Mais sobre audiodescrição
Foi uma experiência em que todos enxergaram. Na tarde deste sábado, pessoas com e sem
João, Sabrina e Maristela nunca viajaram de avião. Além desse traço em comum, eles são
Inclusão. Esta é a palavra-chave num novo segmento de roteiros rodoviários que a Fresp (Federação


Mais sobre audiodescrição
Foi uma experiência em que todos enxergaram. Na tarde deste sábado, pessoas com e sem
João, Sabrina e Maristela nunca viajaram de avião. Além desse traço em comum, eles são
Inclusão. Esta é a palavra-chave num novo segmento de roteiros rodoviários que a Fresp (Federação