Programa Livre Acesso do CCSP abre concurso para seleção de logomarca

Até o próximo dia 23 de abril estão abertas as inscrições para o edital de concurso para a seleção de logomarca do Programa Livre Acesso do Centro Cultural São Paulo (CCSP). A logomarca escolhida será aplicada em todos os suportes de comunicação do Centro Cultural, destacando a preocupação com a acessibilidade. No site do CCSP é possível encontrar todos os detalhes do edital www.centrocultural.sp.gov.br/ccsp_editais.

Livre Acesso - logomarca do Centro cultural São Paulo

A logomarca selecionada para o Programa de Acessibilidade do CCSP, denominado Livre Acesso, será aplicada em todos os suportes de comunicação do Centro Cultural, com o objetivo de informar uma nova intenção de envolvimento cultural dessa instituição com a acessibilidade e de alcançar a pluralidade dos aspectos relacionados às pessoas com deficiência.

Livre Acesso: Programa de Acessibilidade do CCSP

Desde 2007, o Centro Cultural São Paulo vem priorizando a inclusão de pessoas com deficiência em seus espaços, acervos e programação – sendo 23,9% de pessoas com deficiência no Brasil, segundo dados do Censo 2010 -, por intermédio de ações próprias ou por meio de parcerias, notadamente com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED).

A transferência da Biblioteca Louis Braille para a Praça das Bibliotecas, possibilitando a interação entre usuários videntes e não videntes, foi o início desse processo e também o início da implantação do programa Livre Acesso. Na parte estrutural, os principais espaços do prédio foram readequados com a instalação de piso tátil, telefones, elevadores e banheiros acessíveis.

Com relação aos acervos, foram disponibilizados equipamentos, softwares e periféricos acessíveis. Na programação, a preocupação com a acessibilidade se reflete não só na questão da utilização dos recursos da audiodescrição ou interpretação de Língua Brasileira de Sinais (Libras), como também na realização de eventos que priorizam discussões sobre os diversos aspectos relacionados à cultura e à acessibilidade. Em 2012, por exemplo, foi criada a Curadoria de Programas Acessíveis, que tem como curadora responsável Helena Chenque.

Na questão da acessibilidade atitudinal, por meio de apoios e parcerias, a instituição tem oferecido a seus funcionários treinamentos e cursos, já existindo, em seu quadro funcional, pessoas capacitadas a fazerem audiodescrição de espetáculos, de exposições e de filmes para a programação.

O Centro Cultural também investiu no curso de Libras para os funcionários, que já está na sua terceira edição. Esse programa visa a um atendimento de excelência aos frequentadores, mas a expectativa maior é habilitar os servidores como cidadãos que estejam preparados para se comunicar dentro e fora do CCSP.

Livre Acesso: Programação

Acervos e serviços: Peças de teatro com audiodescrição; Filmes com audiodescrição e legendas para pessoas com deficiência auditiva; Contação de história com interpretação de Libras; Programa Braille Acontece transmitido pela Web Radio; Eventos de literatura com interpretação em Libras; Empréstimo e produção de livros falados e em braille do acervo da Biblioteca Louis Braille; Empréstimo do acervo da Biblioteca Louis Braille para o Brasil e para o exterior, via Cecograma; Site acessível; Central de Libras.

Fonte: Prefeitura de São Paulo

Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série


Mais sobre audiodescrição
O dicionário Michaelis põe uma pá de cal na polêmica sobre a grafia de audiodescrição
Poesia com deficiência, de SÉRGIO CUMINO, pessoa com deficiência Com sorriso contemplativo O horizonte banha
O Futuro que Queremos: Trabalho Decente e Inclusão de Pessoas com Deficiência é uma série