Flávia Mayer, agora mestre em audiodescrição

A esta dissertação coube refletir sobre as relações que envolvem o dispositivo da audiodescrição – modalidade de tradução intersemiótica – que visa promover acessibilidade a pessoas que encontram dificuldades cognitivas no consumo de informações visuais. O estudo se desenvolveu a partir da busca de entendimento a respeito das características e do contexto histórico do deficiente visual, principal receptor a que a audiodescrição se destina.

Para tanto, a pesquisa abordou temas como lugar de fala, leitor-modelo, dispositivo, cognição, fenomenologia, tradução, tradução intersemiótica, além de estudos sobre o som. Para uma abordagem um pouco mais empírica, foram apresentadas algumas das impressões colhidas ao longo do primeiro ano do projeto "Cinema ao Pé do Ouvido" em que, a partir da seleção e audiodescrição de curtas-metragem, foram experimentadas diretrizes de roteirização e locução junto a um público formado por deficientes visuais brasileiros.

A partir dos relatos colhidos, foi possível esboçar um melhor entendimento sobre o universo da audiodescrição e dos deficientes visuais, reunindo, assim, material para as pesquisas na área.

Baixe a dissertação completa

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial


Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial