6ª Ação do Gape orientou pessoas com deficiência

Muita informação sobre direitos e oportunidade de emprego, prestação de serviço, programação cultural e recreação para crianças, jovens e adultos com limitações físico-intelectuais. No sábado, dia 25/08, a Pastoral do Gape (Grupo de Apoio à Pessoa Especial) realizou a 6ª Ação de Orientação às pessoas com deficiência e familiares de Taboão da Serra, gratuita, das 10h às 17h, no Centro Educacional Sal da Terra, no Jardim Roberto (região do Pirajuçara).

Os participantes tiveram palestras e atendimentos de equipe multiprofissional sobre questões jurídicas, nutrição, saúde da mulher, família e mercado de trabalho.

Neste ano, a novidade foi a disponibilização, pela Secretaria Estadual de Emprego, de emissão de carteira de trabalho (pessoas com 14 anos ou mais), primeira e segunda via, mediante apresentação de documentos originais como RG e certidão de nascimento e/ou casamento.

O evento teve inscrição para vagas de emprego para deficientes auditivos (a partir de 16 anos), sendo necessária apresentação de laudo médico para verificação da limitação, além de orientações sobre a Lei de Cotas. Contou também com participação do Senai de Itu (SP). "Eles têm um belo trabalho para pessoas com deficiência visual e estarão conosco para compartilhar o projeto", disse Angela Pinheiro, da organização da 6ª Ação do Gape.

Em sala com corredor para exploração tátil de objetos do cotidiano, deficientes visuais tiveram sessão de cinema com audiodescrição.

Em outro espaço temático, a proposta foi a interação escola-família-comunidade, em que um pai de um adolescente com Síndrome de Down fez roda de conversa sobre relações afetivas.

Alunos de centro de reabilitação da prefeitura se apresentaram com fanfarra.

Outra atração foi um teatro de fantoches. A ação teve momento literário com a apresentação dos livros "Sem Limites", de Carlos Eduardo Viviani, acometido por paralisia cerebral, e "História de Uma Mãe Especial", de Antônia Yamashita, e do gibi "Turma do Lukas", com personagens cadeirantes. "É uma iniciativa para mostrarmos que não existem diferenças entre nós, que devemos valorizar as potencialidades das pessoas com deficiência, sem preconceito ou discriminação", disse Angela.

Fonte: pc psico codina

Mais sobre audiodescrição
Cerca de 60 pessoas acompanharam a exibição do filme ‘Colegas’ na tarde de quarta-feira (7),
Meu nome é Estefany, moro em Belém, tenho 10 anos, sou cega e adorei ir
O portal Mundo Cegal e a Organização Nacional de Cegos do Brasil - ONCB, convidam


Mais sobre audiodescrição
Cerca de 60 pessoas acompanharam a exibição do filme ‘Colegas’ na tarde de quarta-feira (7),
Meu nome é Estefany, moro em Belém, tenho 10 anos, sou cega e adorei ir
O portal Mundo Cegal e a Organização Nacional de Cegos do Brasil - ONCB, convidam