A urgência dos estudos brasileiros sobre audiodescrição

Procurou-se neste artigo traçar um panorama dos estudos brasileiros sobre a audiodescrição. Um panorama que abrangesse um pouco da sua história, em outros países e especialmente no Brasil, e que apresentasse suas diferentes modalidades, em função dos diferentes tipos de evento ou de produto em que é usada.

Também procurou-se enfatizar a extrema relevância social da audiodescrição, e daí a necessidade de divulgá-la e fortalecê-la entre nós.

Por se tratar de uma profissão ainda não regulamentada, que só recentemente vem sendo ensinada, de um modo geral em cursos livres, sem um currículo fixo, é urgente a produção de estudos brasileiros que discutam as suas regras.

Visto que a quantidade de produtos audiodescritos e o número de profissionais atuantes vêm aumentando, tornam-se prementes estudos brasileiros nesse campo que auxiliem na formulação de recomendações em nosso país, visto que as que hoje utilizamos, em sua grande maioria, são importadas de modelos estrangeiros, sobretudo da Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

Tais estudos brasileiros deverão ser abrangentes o bastante para se adequarem a diferentes segmentos do público brasileiro, que em geral, por razões socioeconômicas, não vai com frequência aos cinemas, teatros e museus.

Leia o artigo completo de Larissa Costa e Maria Paula Frota.

Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial


Mais sobre audiodescrição
O cinema, como arte audiovisual, se comunica por meio de uma linguagem. No que se
A Editora Catarse lançou o Manual de audiodescrição para produtos jornalísticos laboratoriais impressos, de Daiana
Este artigo, intitulado Problematização da Acessibilidade Comunicativa para Pessoas com Deficiência, promove a problematização inicial