Grupo adapta O Mágico de Óz para cegos

O grupo de teatro de uma academia de Sorocaba (SP) apresentou nesta sexta-feira (26) uma adaptação da peça "O Mágico de Oz", do projeto "O Teatro e o Deficiente Visual – Um toque apenas". A iniciativa é da Associação Sorocabana de Atividades para os Deficientes Visuais (ASAC).

O Mágico de Óz adaptado para cegos

Plateia acompanhou a peça por meio de elementos sensoriais e pôde interagir com os atores.

A peça é dirigida por Rose Marques, que falou ao G1 sobre a inclusão de pessoas com esse tipo de deficiência no teatro. "Foi necessário muito estudo para entender o universo do deficiente visual. Foram três meses de pesquisas até chegar no resultado final", disse.

Renata Milego Campoi Martins é coordenadora pedagógica da ASAC e acredita que o objetivo da montagem é incentivar a leitura e a inclusão. "Já levamos o grupo para o cinema com audiodescrição, mas em uma peça de teatro assim é a primeira vez".

A organização contou com recursos que despertassem os cinco sentidos. Instrumentos musicais e até maçãs foram utilizados na peça. O público pôde sentir o caminho da "estrada das pedras amarelas" e até mesmo o figurino dos atores. "Queremos soltar a imaginação deles, fazê-los sentir a peça", comentaram os atores Mayara Moraes e Vinicius Novelli. Os artistas encenaram em meio ao público, interagindo com ele.

Na busca pelo coração do homem de lata, pelo cérebro do espantalho e pela coragem do leão, a montagem trouxe a visão por meio da imaginação para o público, que era formado por todas as idades. "Imaginei o castelo cheio de janelas e escadas e recordei do meu tempo de criança", conta, emocionada, Elza de Jesus Rosa Francisco, que veio de Itu (SP) para conferir sua primeira peça teatral. Emoção que não foi diferente para Isabela Martins, de 10 anos. "Gostei de pegar na roupa do espantalho e de quando ele caiu perto de mim".

Ao final da peça, os atores se emocionaram com o resultado. "Foi um sonho. Eu nunca pensei que teria essa experiência incrível. Fiquei impressionada com a confiança que eles têm na gente", comemora a atriz Maria Gabriela Adolfo Castilho, que interpretou Dorothy.

Agora, a peça parte para o Rio de Janeiro, onde tem apresentação marcada para a próxima segunda-feira (5).

Por Luana Eid

Fonte: G1 – Sorocaba e Jundiaí

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma


Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma