Inclusão e diversão marcam encerramento do ano na Associação de Deficientes Visuais

Muito além de qualquer preconceito, os integrantes da Associação de Deficientes Visuais realizou na tarde de ontem a sua festa de encerramento de 2012. Reunidos em Santa Thereza, o grupo desfrutou do passeio junto com 15 alunos do primeiro ano da escola municipal Nicanor Peña. Os novos amigos conferiram filmes com audiodescrição que participaram do Festival Internacional da Fronteira, e desfrutaram da calma que o Centro Histórico oferece.

Crianças em um auditório - a frente delas um telão

Segundo a professora Patrícia Colman Dinegri Guimarães, a experiência foi muito aproveitada pelos alunos. "Eles têm uma coleguinha que possui paralisia cerebral, e conviver com outras pessoas com necessidades especiais é a preparação dos novos cidadãos que respeitam e aceitam as diferenças", coloca. Para a pequena estudante Raíssa Cavalheiro, foi muito produtiva a tarde. "Eu ajudei dois tios, fiz novos amigos e gostei muito deles", relata a menina de 7 anos.

Conforme a presidente da Associação, Elizabeth Colman Dinegri, a turma de crianças foi convidada justamente para a interação e troca de experiências com os deficientes visuais. "Primeiro de tudo precisamos nos aceitar como somos, depois começamos a conviver com nossos semelhantes. Ainda sofremos muito preconceito, mas são nas pequenas coisas que acontecem que a inclusão vai acontecendo", complementa.

Paulo Augusto da Rosa Moreira, de 43 anos, afirma que a exibição de cinema foi fantástica. "Perdi a visão aos 17 anos, e já passei por muitas dificuldades. Poder estar aqui e ter acesso a filmes com audiodescrição só mostra o quanto estamos evoluindo", encerra.

A associação finalizou as atividades deste ano, retornando agora em março de 2013.

por Juliana Andina

Fonte: Folha do Sul Gaúcho

Mais sobre audiodescrição
Falta muita compreensão e informação diante do comportamento das crianças com espectro autista. Isso muitas
Visando contribuir com as ações de enfrentamento contra à pedofilia e violência sexual que ganham
Cerca de 15 adolescentes e crianças cegas entre 2 e 16 anos da Associação dos


Mais sobre audiodescrição
Falta muita compreensão e informação diante do comportamento das crianças com espectro autista. Isso muitas
Visando contribuir com as ações de enfrentamento contra à pedofilia e violência sexual que ganham
Cerca de 15 adolescentes e crianças cegas entre 2 e 16 anos da Associação dos