Primeiro vídeo da campanha contra o preconceito, produzido pelo Instituto Mara Gabrilli

No dia internacional da Síndrome de Down, o Instituto Mara Gabrilli lançou campanha contra o preconceito. Vídeos bem-humorados mostram cenas vividas entre pessoas com e sem deficiência; situações corriqueiras que poderiam ser bem mais simples dão oportunidade à reflexão sobre as diferenças.

"Dê uma ajudinha a si mesmo, reveja seus conceitos" é o tema de campanha que o Instituto Mara Gabrilli (IMG) e entidades parceiras lançaram dia 21 de março, durante o Dia Internacional da Síndrome de Down. A data é o ponto de partida para a divulgação de uma série de quatro vídeos convidando as pessoas à reflexão sobre o preconceito em relação às diferenças.

A campanha é uma realização do IMG, com patrocínio da Sanofi e apoio da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, do SESC, da Livraria Cultura e da FarMais Tremembé. Também apoiam o projeto as entidades ligadas à inclusão das pessoas com deficiência: APAE DE SÃO PAULO, Instituto Olga Kos, Movimento Down Brasil, Grupo Chaverim, ABADS, ADID, Carpe Diem, APABB, ARCA do Brasil, ADERE e SORRI BRASIL e OAT.

Todos os envolvidos na campanha disseminarão, a partir do dia 21, em suas redes, o primeiro vídeo da série. Nele, um adulto com síndrome de Down vai à farmácia e é tratado como criança por outro homem que também faz compras no local. Este faz perguntas como "onde está seu papai?", "quer ajuda?" como se seu interlocutor não entendesse nada. O posicionamento do personagem “desmonta” o homem, que chega a ficar sem graça com as respostas recebidas.

O filme deixa clara a mensagem de que a convivência entre pessoas com e pessoas sem deficiência poderia ser simples mas, no entanto, ainda há imensas barreiras a serem superadas.

O vídeo é estrelado pelo ator Ariel Goldenberg, que atualmente comemora o sucesso do filme "Colegas", premiado recentemente com o Kikito de melhor filme e o Prêmio Especial do Júri no Festival de Gramado. Ariel, que tem síndrome de Down, é um exemplo real de que a deficiência não é um impeditivo para que a pessoa tenha uma vida normal – e possa, como mostra o vídeo, trabalhar e ir comprar absorventes para sua esposa, por exemplo.

"Não é só o preconceito contra Downs, tem preconceito contra gordo, tem racismo que é outro tipo de preconceito. É isso. Tudo isso me incomoda. As pessoas tem que pensar duas vezes antes de agir, usar a cabeça", afirma Ariel.

"O viés desses filmes é a convivência. O primeiro passo para a convivência é quebrar a nossa própria barreira e enfrentar o medo de se aproximar. Conviver é viver bem em meio à diversidade", afirma Mara Gabrilli, fundadora do instituto que leva seu nome.

A campanha tem ao todo quatro filmes de 45 segundos que serão divulgados separadamente, nos quais os personagens estão expostos a situações onde a falta de jeito para lidar com pessoas com deficiência se evidencia de forma cômica.

Os personagens da campanha são pessoas com deficiências – física, visual, auditiva e intelectual – e cidadãos brasileiros comuns que querem ajudar pessoas com deficiência, mas não sabem exatamente como. Com espírito de solidariedade, eles se mostram desajeitados e, muitas vezes, inadequados. O roteiro foi elaborado a partir de relatos de pessoas com deficiência. Os vídeos, assinados pela cineasta Ariana Chediak, dão corpo à mensagem da campanha: "Dê uma ajudinha a si mesmo, reveja seus conceitos", lembrando que a pessoa sem deficiência também precisa de ajuda para mudar sua forma de ver. "Se isso fosse superado, os problemas das pessoas com deficiência certamente seriam muito menores", conclui Mara Gabrilli.

Vale a pena assistir! Versão com audiodescrição, legendas e Libras – Algum dia todos os vídeos serão assim!

Informações à imprensa:

Assessoria de imprensa: BM Comunicação (biamurano@gmail.com) Tel. 11 98309-8302
Março/2013

Mais sobre audiodescrição
Desde o início dos anos 1980, com o avanço dos movimentos sociais, escolhemos o começo
Grande parte dos projetos culturais é realizada via leis de renúncia fiscal, ou seja, com
O Observatório da Imprensa da última terça-feira debateu a prevista falta de acessibilidade durante a


Mais sobre audiodescrição
Desde o início dos anos 1980, com o avanço dos movimentos sociais, escolhemos o começo
Grande parte dos projetos culturais é realizada via leis de renúncia fiscal, ou seja, com
O Observatório da Imprensa da última terça-feira debateu a prevista falta de acessibilidade durante a