Empresa investe em cinema e literatura acessíveis

Investir em cultura e apostar na disseminação do conhecimento é uma marca da Chemtech. Desde a sua fundação, a empresa apoia iniciativas que promovem o desenvolvimento social.

No Brasil, não faltam exemplos de localidades que precisam de um pouco mais de atenção na área cultural, inclusive em uma grande metrópole como o Rio de Janeiro. Pensando nisso, a Chemtech decidiu patrocinar o projeto Cine Literário, que estimula o acesso à leitura por meio do cinema e promove o acesso ao cinema por meio da leitura.

O projeto vai instalar 80 Midiatecas em escolas públicas da zona norte do Rio de Janeiro para uso de estudantes e professores das escolas. Os kits de exibição contém LCD de 47in e DVD Player, 50 títulos de livros e filmes brasileiros, baseados nos livros que os originaram – todos duplicados, ou seja, 100 livros e 100 DVDs.

Dez desses filmes serão objeto da Mostra Cine Literário, com exibições no Cinema Ponto Cine, seguidas de debates com os seus diretores e os escritores das respectivas obras que deram origem aos filmes.

A zona norte da cidade tem nove cinemas atualmente – dentre os de rua e os de shopping -, a metade da quantidade da Zona Sul. Até 2005, com a criação do Ponto Cine, em Guadalupe, nenhuma das salas era dedicada a filmes de arte. No ano passado, a Prefeitura anunciou investimentos de R$ 26 milhões nos cinemas da zona norte, por intermédio da Rio Filmes, mas a iniciativa ainda está em fase de estudos.

O Cinema Ponto Cine foi a primeira sala popular de cinema digital do Brasil e a primeira da América Latina a possuir um selo de carbono livre.

Acessibilidade

O projeto oferece ainda acessibilidade aos portadores de necessidades especiais. Vinte por cento dos filmes terão audiodescrição.

O cinema de Guadalupe é dotado de rampa de acesso para cadeirantes e assentos especiais para obesos.

Fonte: Chemtech – A Siemens Company

Mais sobre audiodescrição
Cerca de 60 pessoas acompanharam a exibição do filme ‘Colegas’ na tarde de quarta-feira (7),
Meu nome é Estefany, moro em Belém, tenho 10 anos, sou cega e adorei ir
O portal Mundo Cegal e a Organização Nacional de Cegos do Brasil - ONCB, convidam


Mais sobre audiodescrição
Cerca de 60 pessoas acompanharam a exibição do filme ‘Colegas’ na tarde de quarta-feira (7),
Meu nome é Estefany, moro em Belém, tenho 10 anos, sou cega e adorei ir
O portal Mundo Cegal e a Organização Nacional de Cegos do Brasil - ONCB, convidam