Diversão e conhecimento com uma lagarta que não quer virar borboleta

O clima era de ansiedade. Os alunos e professoras da escola Educandário Jardim de Cristo, de Paripe, foram os primeiros a chegar ao Cine-Teatro Solar Boa Vista, no Engenho Velho de Brotas, em Salvador – BA. Eles foram assistir a Judite Quer Chorar Mas Não Consegue, espetáculo do circuito infantil do VIVADANÇA Festival Internacional 2013.

Circuito Infantil

Apesar da curiosidade estampada nos rostos e nas atitudes, as cerca de 130 crianças organizaram-se em filas e ouviram com atenção instruções dos professores da escola e monitores do festival. Enfim, a abertura dos portões! "Vir ao teatro é uma aula extraclasse, que eles aguardam com muita expectativa", comentou com entusiasmo a professora Raquel Barbosa dos Santos.

"Eles prestam atenção em tudo e, depois, trabalhamos em sala de aula tudo o que eles viram. Sempre surgem coisas muito interessantes", continuou a professora. Certamente, assunto é que não vai faltar para aquele público mirim, atento à história de uma lagarta que teima em não virar borboleta.

Judite Quer Chorar Mas Não Consegue é uma criação do coreógrafo e dançarino Edu O. O artista cadeirante fala de temas que talvez soassem um pouco difíceis para o público infantojuvenil. Transformação, perdas, medo… Mas, Edu O. optou por uma narrativa poética, de forma lúdica, que une dança e teatro, e ainda recorre à estética dos quadrinhos e da animação. O resultado foi aprovado por alunos e professores.

"Trabalhamos na linha construtivista e para nós esta atividade do VIVADANÇA é muito importante, pois incentiva a criança a criar, pensar e conhecer. A criança interage com o espetáculo e faz a sua própria releitura", destacou a diretora e professora Bernadete do Carmo, da escola Arte de Criança, localizada em Pirajá.

A instituição participa do projeto desde a primeira edição do festival, há sete anos. "Somos veteranos", brinca a professora, cercada de alunos.

Apenas ontem, o espetáculo foi visto por 700 crianças, inclusive algumas com deficiência visual, que acompanharam a apresentação com o recurso da audiodescrição. Hoje, a última sessão acontece às 15h, com entrada franca.

Fonte: Viva a Dança

Mais sobre audiodescrição
Visando contribuir com as ações de enfrentamento contra à pedofilia e violência sexual que ganham
Cerca de 15 adolescentes e crianças cegas entre 2 e 16 anos da Associação dos
O Dia da Animação (DIA), maior evento de cinema simultâneo do Brasil, chega a sua


Mais sobre audiodescrição
Visando contribuir com as ações de enfrentamento contra à pedofilia e violência sexual que ganham
Cerca de 15 adolescentes e crianças cegas entre 2 e 16 anos da Associação dos
O Dia da Animação (DIA), maior evento de cinema simultâneo do Brasil, chega a sua