Oficina de audiodescrição no IFB

Você já ouviu falar em audiodescrição? Não? Pois saiba que essa palavra pode fazer a diferença na vida de mais de 16 milhões de pessoas no Brasil. Esse número representa a parcela da população que, segundo dados do IBGE, possuem deficiência visual no país. Para os que não sabem, audiodescrição é um recurso, por intermédio do qual pessoas que enxergam vão descrevendo os atos, objetos e as ações que estão acontecendo para as pessoas que possuem a deficiência.

E foi com o objetivo de apresentar esse recurso para a comunidade estudantil, que o Campus Taguatinga Centro do Instituto Federal de Brasília (IFB), por meio do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas (NAPNE), ofertou uma oficina de audiodescrição.

A oficina, que foi ministrada pela professora Gabriela Rios, pesquisadora da área e mestranda em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos, conta com momentos teóricos – como palestras -, parte prática e momentos de sensibilização, a exemplo da atividade propiciada aos presentes: assistir a um vídeo com os olhos fechados.

Para a coordenadora do NAPNE no Campus Taguatinga Centro, Patrícia Santiago, a oficina se fez necessária pela presença de alunos deficientes visuais nessa unidade. "Com objetivo de melhor atendê-los procuramos oferecer esta capacitação para toda a comunidade escolar. Estamos tendo uma significativa participação do departamento de ensino, dos docentes, técnicos e alunos. Além disso, vieram participar coordenadores de NAPNE de outros campi e representantes da Biblioteca Braille de Taguatinga", conta a coordenadora.

Inclusão

O Campus Taguatinga Centro oferta um curso de Inglês para deficientes visuais, e uma das estudantes desse curso é Noeme Rocha da Silva, 52 anos, que, inclusive, participou da oficina. "Eu levo uma vida comum, mas de forma diferente: faço as coisas com recursos diferenciados. Sou uma cega assumida, e sou feliz com minha limitação", destacou a estudante.

A estudante contou, com entusiasmo, suas experiências de vida, adquiridas com a necessidade, e aproveitou a oportunidade para ressaltar a importância de eventos como esse para toda a comunidade estudantil. "A realização de eventos assim é uma excelente ideia; afinal isso é inclusão na prática. Essa oficina é de suma importância e vem para acrescentar não só aos docentes como aos discentes também, pois as atividades tornam todos mais sensíveis e multiplicadores dessas ideias", conclui Noeme.

Segundo Patrícia, as atividades da oficina terão continuidade. "As atividades da oficina ainda não terminaram, mas já mostramos que a audiodescrição é um recurso de acessibilidade comunicacional que permite a ampliação do entendimento das pessoas com necessidades específicas em geral, principalmente o deficiente visual. Além disso este recurso pode ser utilizado no contexto escolar para promoção da inclusão escolar", finaliza Patrícia.

Fonte: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

Mais sobre audiodescrição
Na próxima terça-feira, dia 14 de março, às 18h, o site do projeto Diversidade na
O 3° Encontro (Inter)nacional de Audiodescrição acontece de 26 a 29 de abril de 2017
O Centro de Pesquisa e Formação do SESC-SP promove no dia 24/04/16 a Oficina Fundamentos


Mais sobre audiodescrição
Na próxima terça-feira, dia 14 de março, às 18h, o site do projeto Diversidade na
O 3° Encontro (Inter)nacional de Audiodescrição acontece de 26 a 29 de abril de 2017
O Centro de Pesquisa e Formação do SESC-SP promove no dia 24/04/16 a Oficina Fundamentos