MALCE lança livro e acessibelidade do acervo permanente

O Memorial da Assembleia Legislativa Deputado Pontes Neto (Malce) promove nesta quarta-feira (15/05) o terceiro livro da série/coleção: "Tramas da Memória", abordando o tema: Acessibilidade e Linguagens. O evento, que comemora a Semana Nacional de Museus, acontece a partir das 10h, no Auditório Murilo Aguiar. O lançamento do livro contará com palestra da museóloga e educadora de Museus, Amanda Pinto da Fonseca Tojal, de São Paulo.

Na ocasião, será inaugurado também o sistema de acessibilidade nas instalações do Museu. A partir de agora, pessoas com deficiência auditiva ou visual terão acesso ao acervo da exposição permanente, uma vez que todas as informações estarão disponíveis por meio do projeto de áudio-descrição, Libras e Braille. A Escola de Ensino Fundamental e Médio Renato Braga, especializada na educação de deficientes auditivos, foi convidada a participar da inauguração.

De acordo com o presidente do Malce, Osmar Diógenes, tornar público o debate sobre a cultura inclusiva e as políticas para acessibilidade em ambientes culturais é uma perspectiva que se adéqua ao trabalho que o Memorial da Assembleia Legislativa do Ceará vem realizando desde sua reformulação, em 2010. "Tem sido nossa meta constante refletir sobre as políticas públicas, a produção acadêmica e as demandas da sociedade voltadas para o campo museal", afirma Diógenes.

O terceiro volume da série "Cadernos Tramas da Memória", com o tema "Acessibilidade e Linguagens" atende a essa perspectiva do Malce de abrir um amplo debate com a sociedade. "A obra faz parte do nosso projeto de publicações, voltadas para a discussão dos grandes temas definidores das práticas museológicas", explica o presidente do Memorial.

A proposta, segundo ele, é realizar um grande debate sobre a "acessibilidade cultural", no qual foram convidados alguns dos principais especialistas na área, para levantarem questões fundamentais que pautam as discussões contemporâneas. Nomes como o de Amanda Tojal, José Geraldo Silveira Bueno, Carla Cazelato, Márcia Bitu Moreno, Maria Cecília de Moura, Rogelio Martínez Abellán e Virgínia Kastrup, referências no Brasil no tema abordado, constam na autoria dos artigos do livro.

Segundo os historiadores do Malce, Daniel Gonçalves e Paulo Roberto Marques, a noção de acessibilidade, presente não só nos museus, mas em outros discursos e práticas sociais, adere-se facilmente ao Braille, Libras, aos objetos adaptados ao tato, às rampas, à tecnologia de áudio-descrição etc., quase como se esses meios produzissem uma relação causal, linear, imediata, de conhecimento entre os sujeitos e o espaço museológico. ?Mostrar e fazer compreender a complexidade dessa relação, para além do "físico" e do tecnológico, é um dos objetivos centrais desta publicação. Para encarar esses problemas, foram acionados pelos autores conceitos da semiótica, da comunicação, da linguística e das "ciências da linguagem" em geral?, afirmam eles.

RW/CG

Fonte: Assembleia Legislativa do Ceará

Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –


Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –