Ouvindo o Cinema

Vocês já ouviram falar em audiodescrição? Eu não conhecia, mas há algum tempo, conversando com uma amiga que trabalha na comunicação da Iguale – empresa que desenvolve esse tipo de conteúdo – fiquei maravilhada. Trata-se de uma das formas de inclusão que permitem que pessoas com deficiência visual frequentem as salas de cinema, assim como você e eu.

Ouvindo o Cinema no CineSesc

Semana passada eu fui conhecer o trabalho deles no 39º Festival SESC Melhores Filmes. Para utilizar o serviço é simples e gratuito: você escolhe o filme e retira o seu rádio transmissor com os fones de ouvidos (foto) no balcão de atendimento da Iguale. Para utilizar o equipamento, basta deixar um documento de identificação.

Quando entrei na sala, percebi uma grande quantidade de pessoas com deficiência visual e auditiva. Queria dividir aquela experiência com eles, então, decidi que faria o teste e assistiria ao filme com os olhos fechados. Durante a exibição, o audiodescritor narra detalhes de cada cena, permitindo assim que a pessoa imagine as imagens do filme.

Eu não consegui assistir ao filme todo com os olhos fechados por puro costume, porém, aproveitei para observar atentamente o compromisso do narrador com as cenas. Poucos são os detalhes que passam despercebidos pelo audiodescritor.

Outra iniciativa bacana é a exibição de Legenda Open Caption – legendas detalhadas, para que pessoas com deficiência auditiva também possam ter a sensação de conhecer o áudio do filme que estão assistindo. Nela, além das falas de cada personagem, aparecem informações sobre o som ambiente e/ou trilha sonora que acompanha cada cena.

Quando a sessão terminou e eu fui devolver meu rádio transmissor no balcão da empresa, tive a oportunidade de conhecer o Sr. Antônio Carlos Barqueiro, que tem deficiência visual e acabara de assistir ao filme. Perguntei-lhe sobre o que ele tinha achado da experiência e ele, brincalhão, me disse que já não era uma simples experiência: "sou cinéfilo! Desde que conheci a audiodescrição, nunca mais me afastei do cinema", disse.

Foi incrível perceber as possibilidades que se abrem para quem tem disposição de sair de casa e enfrentar as próprias dificuldades. Além disso, é muito bom ver que tem gente trabalhando para facilitar a vida dessas pessoas e ajudando-as na conquista de seu espaço e na luta por igualdade.

Espero que, em breve, mais gente tenha acesso a iniciativas como essa e possa compartilhar um hábito tão gostoso como ir ao cinema num domingo à tarde.

Fonte: Déka Dias

Mais sobre audiodescrição
Jamais esquecerei opresente que ganhei do Papai Noel em 2016. Era 25 de dezembro, à
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar


Mais sobre audiodescrição
Jamais esquecerei opresente que ganhei do Papai Noel em 2016. Era 25 de dezembro, à
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar