Quem Tem Medo do Escuro terá apresentações com audiodescrição e Libras

A peça de texto original foi escrita especialmente para o projeto por Márcio Araújo e Fernanda Morais e cumpre temporada no CCSP de 18 de maio a 7 de julho e vai contar com apresentações com audiodescrição para crianças cegas e tradução em LIBRAS, para crianças surdas, além de espetáculos extras para escolas.

O espetáculo infanto-juvenil Quem tem Medo do Escuro é assinado por diretor teatral Evandro Rigonatti, um dos criadores do programa Cocoricó da TV Cultura e também indicado em um de seus livros para o Prêmio Jabuti de Literatura, foi um dos vencedores do PROAC (Programa de Ação Cultural) da Secretaria de Estado da Cultura edição 2009 pelo edital de montagem inédita de espetáculo de teatro.

O ponto de partida da peça surgiu de um laboratório criativo realizado por Rigonatti com crianças entre três e dez anos de idade para analisar as possibilidades imaginárias quando colocadas em uma situação de medo e enfrentamento.

Estas crianças vivenciaram em um quarto escuro diferentes situações de medo como o desafio de abrir a porta do guarda-roupa, olhar embaixo da cama, contar histórias de terror, andar sozinhas no quarto somente com a luz que provinha da janela aberta.

Desta experiência o diretor criou um roteiro que serviu de base para a elaboração textual. O espetáculo pretende mostrar ao público o ato de construir um mundo não real, mas imaginário de três crianças que possuem o desafio de passar uma noite dormindo num mesmo quarto escuro enfrentando seus medos.

Fonte: CCSP

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma


Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma