Museus de São Paulo vão adaptar seus acervos para deficientes visuais e auditivos

Os museus de São Paulo vão dispor de uma verba de R$ 1,2 milhão para tomarem medidas que possibilitem que visitantes com deficiência visual e auditiva consigam explorar seus acervos de maneira mais completa. O dinheiro vai poder ser usado na implantação de recursos de comunicação em acervos temporários ou de longa duração.

Pessoas cegas, por exemplo, precisam de audiodescrição (recurso que narra com detalhes uma situação, objeto ou cena) ou imagens em relevo para terem uma melhor compreensão de uma obra. Os surdos podem precisar de um intérprete de libras –língua brasileira de sinais– ou de legendas para entenderem com mais desenvoltura determinada exibição.

A medida faz parte do programa de incentivo à cultura da Secretaria da Cultura e tem por objetivo fazer que os museus de São Paulo se adequem ao público com deficiência visual ou auditiva.

Museus de São Paulo: Olavo de Barros

O deficiente visual Olavo de Barros interpreta obra em relevo na Fundação Dorina Nowill – Jorge Araújo/Folhapress

Serão escolhidos 12 projetos que serão contemplados com verbas que variam de R$ 75 mil a R$ 137,5 mil. Pelo menos quatro deles devem ser do interior ou do litoral. Os museus de São Paulo que tiverem suas iniciativas aprovadas terão de dar uma "contrapartida social" ao governo, como garantia de ingressos gratuitos para idosos ou ações específicas para esse público, entre outras iniciativas.

Para advogada Thays Martinez, a primeira pessoa cega a garantir acesso ao metrô de São Paulo com um cão-guia, a medida é importante, "desde que seja bem realizada". "É preciso ter muito critério na seleção desses projetos para que eles sejam mesmo úteis. Há casos em que oportunistas pegam o dinheiro público e, em troca, oferecem um recurso precário que não ajuda ninguém". De acordo com a secretaria, os projetos serão avaliados por um grupo de especialistas do segmento.

O Museu de História da USP concluiu anteontem, após dois meses, uma reforma de acessibilidade.

por Jairo Marques

Fonte: Folha de São Paulo

Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –


Mais sobre audiodescrição
Quem disse que arte e tecnologia não podem andar de mãos dadas? Para provar que
Os visitantes com deficiência visual que comparecerem ao Museu Pelé, em Santos (SP), contam agora
Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo –