Cine Click testou a tecnologia que permite cegos assistirem a filmes

Um espectador incauto que entrasse na noite desta quinta-feira (15) no Palácio dos Festivais talvez estranhasse a cena. Agrupados numa ala da sala de exibição, um grupo de cegos aguardava ansiosamente o início da sessão do filme A Oeste do Fim do Mundo, integrante da mostra competitiva estrangeira do Festival de Gramado.

Como todos os presentes, conversavam animadamente e acompanhavam os discursos de apresentação dos realizadores. Talvez passassem despercebidos não fossem os óculos escuros e os fones de ouvido, equipamento fundamental da audiodescrição, tecnologia que permite a deficientes visuais "assistir" a filmes.

Solicitei o apetrecho de acessibilidade para avaliar seu funcionamento e fiquei surpreso com a eficiência. Descobri que o filme é pré-roteirizado antes da exibição, com uma descrição precisa e detalhada de ambientes e reações dos personagens. A narração parte de uma cabine no fundo da sala, onde dois locutores, um homem e uma mulher – para evitar confusão entre as vozes -, se revezam. Ela detalha os ambientes. Ele cuida dos diálogos.

Assisti aos primeiros 20 minutos do filme acompanhando a narrativa e com os olhos na tela para ver se era funcional. Cada minúcia do cenário foi descrita em pormenores pela narradora Marcia Caspary. Os diálogos em espanhol eram traduzidos pelo ator e locutor Fernando Waschburger, que fazia as vezes de um dublador experimentado, passando aos ouvintes a impostação de voz de acordo com as emoções vividas pelos personagens.

Em seguida, fiz o teste derradeiro. Fechei meus olhos por 15 minutos e "assisti" ao longa apenas utilizando o recurso. Mantive-me preso à trama como antes – naturalmente sentindo o desconforto de um neófito que ouve um filme em vez de vê-lo -, sem perder nada do enredo, sem me desconectar do longa, sentindo o desenvolvimento de seu arco dramático como se tivesse vendo.

Do meio em diante, a sedução de enchergar falou mais alto. Abri os olhos e acompanhei o filme como todos aqueles que têm o privilégio da visão. Ao subir dos créditos, estes também narrados, corri para o saguão do Palácio dos Festivais e fui avaliar as impressões de quem realmente depende da tecnologia.

Conversei com o simpático casal de professores Leopoldo e Isa Baldi, que vieram de Porto Alegre para a sessão. Ele, que debateu animadamente o filme comigo, resume a importância da audiodescrição em filmes: "Há bem pouco tempo eu era altamente frustrado quando se falava em cinema. O que eu vou fazer no cinema?, dizia a meus amigos. Eu sou cego. Estou recuperando algo que não vivi. Quando era adolescente, meus amigos iam ao cinema e, às vezes, para não perder a companhia, ia junto mesmo sem entender nada. Agora me sinto um cidadão completo, afinal, estou conversando sobre esse filme com você, que vê, de igual para igual".

O 41º Festival de Gramado segue até o próximo sábado (17), quando serão conhecidos os vencedores desta edição.

Saiba mais sobre a audiodescrição deste filme:

Fonte: Cine Click – 16/08/2013

Mais sobre audiodescrição
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar
Um mundo sem imagem, mas não sem poesia! Estou sentado, sozinho, na sala escura. Uma


Mais sobre audiodescrição
Estive em uma Oficina de Audiodescrição, em Porto Alegre, que além de recarregar as energias,
Com o avanço tecnológico e a mudança de hábitos, atividades tradicionais desaparecem e cedem lugar
Um mundo sem imagem, mas não sem poesia! Estou sentado, sozinho, na sala escura. Uma