O Sono entristecido da Lua Pantaneira

O Instituto Sul-Mato-Grossense para Cegos Florivaldo Vargas, em parceria com a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, apresenta, no Centro Cultural José Octávio Guizzo, o espetáculo teatral O Sono Entristecido da Lua Pantaneira.

O Sono Entristecido da Lua Pantaneira - cartaz da peça

Adaptada do livro da escritora sul-mato-grossense Sandra Andrade para o teatro, O Sono Entristecido da Lua Pantaneira tem como tema central a preservação ambiental, a história e a cultura de nosso Estado. A montagem apresenta audiodescrição e exposição do material cenográfico para pessoas com deficiência visual.

A apresentação conta com artistas e produtores com deficiência visual (cegos e pessoas com baixa visão) que fazem parte das oficinas ministradas pelo ponto de cultura Novo Olhar, que fica no próprio Instituto para Cegos.

O Novo Olhar oferece oficinas de ballet, dança de salão, canto coral, música, capoeira e novas tecnologias para pessoas com deficiência visual e comunidade em geral. As aulas são gratuitas em salas equipadas com material apropriado.

O projeto que tem como atividade principal a apresentação de O Sono Entristecido da Lua Pantaneira já está em sua terceira edição e tem como objetivo proporcionar a inclusão social, o acesso à cultura e À história de Mato Grosso do Sul nas diversas atividades socioculturais realizadas pelo ponto de cultura Novo Olhar.

"A criação e a realização de O Sono Entristecido da Lua Pantaneira , foi para nós uma grande experiência. Lidamos com as diferenças e adversidades todo o tempo. Esse trabalho desenvolveu em nós a prática da solidariedade e companheirismo, aprendemos a lidar e a respeitar as diferenças", relata Myla Barbosa, coordenadora do ponto de cultura e diretora da montagem.

Os ensaios da peça começaram em 2010. Entre os temas abordados estão sustentabilidade ambiental, preservação da fauna e flora pantaneira e tribos indígenas são alguns dos temas abordados.

O Sono Entristecido da Lua Pantaneira: espetáculo inclusivo

O espetáculo contará com audiodescrição, recurso que descreve de forma clara e objetiva as informações que são compreendidas visualmente e que não estão contidas nos diálogos, como, por exemplo, expressões faciais e corporais que comunicam algo, informações sobre o ambiente, figurinos, efeitos especiais, mudanças de tempo e espaço, além da leitura de créditos, títulos e qualquer outra informação. Permite que o espectador da peça teatral receba a informação contida na imagem ao mesmo tempo em que a cena se passa, possibilitando que a pessoa desfrute integralmente da encenação, seguindo a trama e captando a subjetividade da narrativa, da mesma forma que alguém que enxerga.

Além da audiodescrição haverá espaço reservado para a exposição do figurino e uma maquete do cenário onde as pessoas com deficiência visual poderão tatear e manipular os materiais para o entendimento sensorial da peça antes que ela se inicie.

Serviço

A Peça O Sono Entristecido da Lua Pantaneira será encenada dias 13 e 14 de agosto, às 19 horas, no teatro Aracy Balabanian, no Centro Cultural José Octávio Guizzo, que fica na rua 26 de Agosto, 453, entre a Calógeras e a 14 de Julho. Os ingressos custam R$ 10,00 e podem ser adquiridos no Instituto Sul-Mato-Grossense para Cegos Florivaldo Vargas ou na bilheteria do teatro.

por Marcio Breda

Fonte: Notícias MS

Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma


Mais sobre audiodescrição
A partir deste sábado, 5, estarão abertas as inscrições para a quinta edição do Programa
Paradinha Cerebral faz parte do Circuito Cultural Cidade Olímpica. A peça foi um dos projetos
Atualmente, é possível acomodar em um mesmo espetáculo um público de surdos, que acompanha uma